Manifesto Crespo: tecendo arte e história nos cabelos

Afinal, existe cabelo ruim? Vez ou outra os negros brasileiros se deparam com pessoas chamando o cabelo crespo de ruim. Tais estereótipos contribuem para a consolidação de uma imagem que não condiz com as infinitas possibilidades que um cabelo crespo oferece atingindo em cheio a autoestima do cidadão. Contudo, nos últimos tempos o cenário vem se alterando sensivelmente, especialmente com o avanço da internet e a difusão nas redes sociais de organizações independentes criadas para desconstruir esse pensamento enraizado na sociedade brasileira.

Por Kauê Vieira, do Afreka

Foto: Site Oficial (Divulgação)
Foto: Site Oficial (Divulgação)

Nessa linha surge o coletivo Manifesto Crespo, idealizado por quatro mulheres negras de São Paulo, o grupo tem como proposta reconhecer o valor e fortalecer a memória e a autoestima de homens e mulheres negras, promovendo assim uma reflexão acerca de suas origens. “Acreditamos que o corpo negro e sua cultura são fonte para infinita criatividade e beleza,” explicam as gestoras.

Como o próprio nome já adianta, o coletivo atua de maneira independente e tem como foco central de discussão o chamado uso criativo do cabelo crespo. Para atingir o objetivo, o Manifesto promove uma série de oficinas e vivências que acontecem em bairros da periferia, comunidades quilombolas e indígenas e centros culturais. Dentre os projetos do grupo, está a oficina ‘Tecendo e Trançando Arte’, que de maneira educativa, discute o significado político do cabelo e ainda apresenta novas técnicas e estilos para o público. Criada há quatro anos, um ano depois do nascimento do coletivo, a oficina já atingiu mais de mil pessoas, sendo agraciado em 2014 com o Prêmio ‘Lélia Gonzales – Protagonismo de Organizações de Mulheres Negras’, feito em parceria com a Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR) e a Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM).

Foto: Site Oficial (Divulgação)
Foto: Site Oficial (Divulgação)

Intuitivas e com participação direta do público, as reuniões caminham lado a lado com a história, ou seja, ao mesmo tempo em que se aprende um novo penteado, as pessoas são convidadas a acompanhar a origem de cada estilo e o contexto histórico que os envolve. Estão no programa técnicas sobre trança jamaicana (feitas com o próprio cabelo ou com apliques de lã ou fibra natural), a rasteira (coladinha ao couro cabeludo e que também é conhecida como trança nagô), alongamento, dreads, além de amarrações com tecidos.

Foto: Site Oficial (Divulgação)
Foto: Site Oficial (Divulgação)

Recentemente o grupo esteve na aldeia Tenondé Porã, que fica em Parelheiros, bairro no extremo sul de São Paulo. A escolha do local, de acordo com as integrantes do projeto, se deu pelo fato da comunidade indígena ter entre suas lideranças uma mulher, algo pouco comum, já que sempre se ouve falar de pajés e caciques. Jerá Guarani, de 34 anos, recebeu o Manifesto Crespo, que ensinou crianças e adultos a criarem turbantes e às índias a produzirem saias apenas com um pedaço de pano. O grupo promoveu ainda um intercâmbio entre índias, estas que cultivam um laço estreito com a terra, e a cultura afro.

Ao longo dos cinco anos de vida, o Manifesto Crespo foi reconhecido por instituições importantes dentro da luta pela afirmação e quebra de preconceitos sobre a comunidade afro-brasileira, como a Prefeitura de São Paulo, diferentes secretarias de cultura e políticas para as mulheres, a Rede Sesc, a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), entre outros.

manifesto4
Foto: Site Oficial (Divulgação)

Mais que um simples símbolo estético, cabelo é cultura e para os negros representa um ato político e a vontade de quebrar velhos padrões. Seja na curva dos cachos, no comprimento dos dreads ou no formato simétrico de um black power, é fundamental que cada vez mais negros e negras entram em contato direto com sua ancestralidade africana e tenham orgulho de suas coroas, valores que o Manifesto Crespo, com maestria vem ensinando ao país.

 

 

Veja ao vivo – Participação do coletivo no “Festival Afreaka Encontros de Brasil e África Contemporânea”

Workshop: Cabelos como Arte Política  – Com Manifesto Crespo
Quando: Dia 17/06
Horário: 19h30
Preço: GRATUITO (Com retirada de ingresso no local uma hora antes do evento)
Onde: Biblioteca Mário de Andrade
Rua da Consolação, 94, Centro – São Paulo

 

+ sobre o tema

Rap ganha popularidade entre índios ao denunciar violência

  Dados da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) obtidos...

Erykah Badu canta um repertório sofisticado em apresentação em SP

Mais de uma década após sua primeira visita ao...

para lembrar

Projeto leva mestres de comunidades tradicionais às universidades

Presente em cinco instituições de ensino, Encontro dos Saberes...

Chuva intensa desde sábado deixa moradores de Palmares em alerta

Por: Glauco Araújo   Defesa Civil Municipal circulou pelas...

Companhia nova de teatro comemora 15 anos e estreia barulho D’água

Com ingressos gratuitos, espetáculo do autor italiano Marco Martinelli chega...
spot_imgspot_img

Mel Duarte celebra cinco anos do álbum “Mormaço – entre outras formas de calor” com apresentações gratuitas em São Paulo

A cantora, escritora, poeta, compositora e produtora cultural Mel Duarte, conhecida por sua brilhante performance de "spoken word", celebra o quinto aniversário do seu...

 Interprete da trilha sonora da novela Renascer, Xenia França participa do disco de José James

Vencedora do Grammy Latino de 2023 com seu disco "Em nome da Estrela" e intérprete da canção “Lua Soberana”, trilha sonora da novela Renascer...

Mulheres afrodescendentes são destaque em evento internacional pela conservação ambiental e justiça climática

No último dia 14, a vice-presidenta da Colômbia, Francia Márquez, esteve no fechamento do evento internacional “Garantir a posse da terra e os direitos...
-+=