Maternidade e racismo: a exclusão das mães negras

“Mãe é sagrada” é o que dizem as mensagens do segundo domingo de Maio – mas parece que algumas mães são mais sagradas do que outras. Todos os indicativos sociais apontam que as mães negras morrem e sofrem muito mais. Para as mulheres negras, passar mais tempo nas filas dos hospitais e ter seu lugar repassado para uma mulher branca, por motivações racistas, é realidade recorrente.

Por: Jarid Arraes, do Questão de Gênero 

O mito de que a mulher negra é “mais forte” ou “mais resistente a dor” é a máxima do racismo brasileiro, plantado ainda no período da escravidão no Brasil e que até hoje permanece naturalizado. Por isso, as mulheres supostamente “mais frágeis”, as brancas, passam na frente e recebem o atendimento pelo qual a mulher negra esperou ou precisava mais. Não é por acaso que pelo menos 60% dos casos de mortalidade materna é de mulheres negras.

São muitos os relatos de mães negras que recebem atendimento grosseiro e negligente devido a sua cor. Os dados divulgados pela campanha SUS Sem Racismo também mostram que as mães negras têm menos acesso a informações sobre amamentação e menos consultas de pré-natal. Para piorar a situação, as crianças negras fazem parte do grupo com maior índice de mortalidade infantil.

Como se não bastasse a violência obstétrica com demarcação racista, o contexto social das mães negras também é muito assustador. É preciso lembrar que as mulheres negras são maioria dentro do grupo de trabalhadoras domésticas, ou seja, mulheres que cuidam das casas e dos filhos dos outros para conseguirem sustentar a própria família. Na prática, os filhos e as casas dessas mulheres ficam sem assistência, sem creches, sem alternativas além da jornada tripla que desempenharão, pois quando retornam à noite para o próprio lar, ainda precisam cuidar da limpeza, dos alimentos e das próprias crianças.

Leia Também: 

Mãe negra, criança negra: identidade e transformação

A violência policial também é um problema muito específico das mães negras – tantos os seus filhos e familiares, quanto elas próprias estão na mira do racismo armado. O movimento Mães de Maio existe por esse motivo: para denunciar o assassinato de seus filhos e pautar o problema em sociedade, cobrando soluções. A esposa de Amarildo, Elizabeth Gomes da Silva, e Cláudia da Silva Ferreira são apenas dois exemplos de mães negras que foram diretamente vitimadas nesse contexto social.

O fato é que as mães negras passam por situações que as mães brancas nem sequer precisam se preocupar, como a discriminação racial sofrida pelos filhos. O quadro social dessas mulheres é urgente e muito grave, mas suas questões ainda não são lembradas como deveriam e nem mesmo os movimentos sociais aprofundam o debate. Por racismo e por machismo, as mulheres negras e suas demandas não entram em pauta.

É necessário falar de maternidade e racismo com foco específico. Há problemas que envolvem mães negras e que não envolvem mães brancas, assim como há também os problemas que atingem todas as mães, mas são ainda mais intensos para as negras. Essa realidade é inegável e demanda atenção imediata. Precisamos romper o clichê de que maternidade “não tem cor”, porque a cor no Brasil sempre foi e continua sendo motivo de escárnio, discriminação e violência.

 

+ sobre o tema

Su poesía llama la atención a todos los hombres negros que odian a las mujeres negras

¡Todas las mujeres merecen respeto! Crystal Valentine y Aaliyah Jihad...

Quase 50 anos depois, clássico da literatura negra chegará ao Brasil

Clássico da literatura negra chegará ao Brasil: chegará às...

Grace Passô, a melhor atriz do Brasil

Apesar de desconhecida pelo grande público, ela é incensada...

Rebeca Andrade fica em 5º lugar no solo com Baile de Favela nas Olimpíadas

Um passo. Foi isso que separou Rebeca Andrade de...

para lembrar

Beatriz Nascimento, atlântica

Sem perder a atualidade, a poetisa e intelectual continua...

A primeira juíza mulher da NBA e sua história de resistência

“Eu sabia que todo mundo estava esperando que eu...

Pela primeira vez Boeing 737 é pilotado apenas por mulheres

A história da aviação ganhou um novo capítulo na...

Maria Júlia Coutinho será a primeira mulher negra a apresentar o Jornal Nacional

Jornalista entra para o rodízio de apresentadores do noticiários...
spot_imgspot_img

Ela me largou

Dia de feira. Feita a pesquisa simbólica de preços, compraria nas bancas costumeiras. Escolhi as raríssimas que tinham mulheres negras trabalhando, depois as de...

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...
-+=