Matias, o menino negro fotografado com um boneco de “Star Wars”, foi a Hollywood. Por Cidinha da Silva

Em tempos de comunicação-relâmpago pela Web, a imagem viralizada do garoto Matias Melquíades com o Finn, personagem de Star Wars, chegou à caixa postal de John Boyega, seu intérprete no cinema. Junto com a fotografia digital alguma notícia sobre o debate em torno da representatividade negra desencadeado no Facebook e em outras mídias do país, tais como jornais impressos de grande circulação.

Por Cidinha Silva Do DCM

Sensibilizado, John Boyega postou o retrato do menino portando o boneco e escreveu no Instagran: “Tempo para ser grato. Do que você carrega nas mãos ao potencial da sua mente, você é um rei homem jovem (ou pequeno homem)”. Sim, ele disse “young man”, não disse “little boy”.

Os homens negros afirmados dos EUA se chamam de “man”, tenham a idade que tiverem. Desconstroem assim a expressão “boy” do tempo do escravismo e mesmo do período posterior de segregação legal, utilizada para inferiorizar os homens negros de qualquer idade, de crianças a velhos.

Imagine um senhor de 60 anos, pai, avô, sendo tratado pelo patrão como “boy”, na frente de seus netos. “Hei boy sele meu cavalo”. “Boy descarregue a carroça”. Imaginou? Lembrou-se de algum filme? Era uma estratégia racista para humilhá-los, para subalternizar a masculinidade daquelas pessoas, dependentes economicamente, do trabalho oferecido pelos brancos. Submetidos a leis também elaboradas pelos brancos.

 

A mensagem do ator a Matias enfatiza um sentimento de pertencimento à mesma comunidade de destino, ao Ubuntu, que começa a tomar corpo entre nós. Palavra de origem banto, tronco linguístico espalhado por grande parte da África, Ubuntu é comumente traduzida como “eu sou porque você é”.

O Finn, representado por Boyega, homem negro inglês, é referência de imagem positiva e semelhante para Matias, garoto negro brasileiro. O menino, por sua vez, com os olhos encantados pelo boneco inspira Boyega e o fortalece frente aos questionamentos racistas de “terem introduzido um negro” na saga de Star Wars. Todo mundo se lembra do debate instaurado com a escolha do ator para o papel, não é?

O diálogo entre dois negros desconhecidos, um jovem e uma criança, via redes sociais, a partir de um filme que tem um personagem negro, gerador de um boneco que deixa uma criança feliz por ser parecida com ele, empresta ao mais-velho o sentimento de missão cumprida. No mais-novo, deve despertar sensações múltiplas de poder ser, sonhar, querer e alcançar mais do que foi imaginado.

E se o tempo anterior de Boyega foi de rejeição, sofrimento, desrespeito a sua condição de ator por ser negro, agora é de agradecimento à roda da vida porque a construção dramatúrgica do Finn fortaleceu a representação negra positiva na mente de Matias e de milhões de outras crianças negras mundo afora. É tempo de Ubuntu porque Finn está protegido como símbolo de realeza nas mãos do menino-rei.

+ sobre o tema

Que escriba sou eu?

Tenho uma amiga que afirma que a gente só prova...

O Brasil de Diogo e o Brasil de Luiza; por Wagner Iglecias

Wagner Iglecias A entrevista de Luiza Trajano ao Manhattan...

para lembrar

Dona Zica Assis responde ao artigo: “Respeite nosso cabelo crespo”

Carta de Zica Assis - Beleza Natural   Oi Ana Carolina, Meu...

Serra cortou R$ 830 milhões da Segurança e da Educação e crimes aumentaram

O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), cortou...

Descolonizar a língua e radicalizar a margem

Uma resenha sobre “Um Exu em Nova York” de...

BOA NOTÍCIA: 15 Milhões de brasileiros saíram do vermelho

Com o nome limpo, já podem voltar a tomar...

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Frugalidade da crônica para quem?

Xico, velho mestre, nesse périplo semanal como cronista, entre prazos apertados de entrega, temas diversos que dificultam a escolha, e dezenas de outras demandas,...

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...
-+=