Mazza: ‘Quero morrer lutando pelo meu povo’

Mazza conta que seu objetivo sempre foi lutar contra o racismo por meio de livros que discutem as questões raciais

A InaLivros, livraria liderada por Luciana Bento e por seu marido, Leo, adquire títulos de diversas editoras brasileiras. Uma delas, destacada pela idealizadora do projeto “100 Meninas Negras”, é a Mazza Edições, sediada em Belo Horizonte. No mercado há quase 35 anos, a editora sempre dedicou cerca de 80% de seu acervo para a temática etnoracial. Antes de tudo, a empresa é fruto da garra e da persistência de Maria Mazarello Rodrigues,que deixou a cidade natal, Ponte Nova, para perseguir seu sonho na capital mineira. Hoje, a editora se orgulha de já ter publicado mais de 500 títulos voltados para a valorização e a representatividade do povo negro.

Maria Mazarello, a Mazza, defende que as editoras brasileiras só passaram a dar protagonismo ao negro em suas publicações depois da Lei 10.639, de 2003, que tornou obrigatório o ensino de questões raciais e africanidades nas escolas brasileiras, públicas e particulares. “Depois de 2003, todas as grandes editoras abriram um selo negro. Agora, você imagina, de 1981 a 2003, como era. A gente pastava. Eu entrava na escola pelas portas do fundo para tentar vender material”, conta a editora, hoje aos 74 anos.

“Isso acontecia, e ainda acontece, porque o Brasil não se reconhece como um país negro. Pior, se diz uma democracia racial, o que nunca foi. Então, fica essa hipocrisia, de que não existe preconceito, de que o negro reclama muito, enquanto a polícia persegue e mata jovens negros todos os dias”, reflete Mazza, que diz louvar ações afirmativas como o projeto “100 Meninas Negras”. “Todo projeto que trabalha sério no combate ao racismo é importante, porque é uma frente muito necessária”, completa a editora.

Mazza destaca discursos como o de MC Sofia, rapper mineira de 11 anos que versa contra o racismo em suas letras. “A moçada escuta as músicas dela e fica interessada. Estimula a criança negra, que sofre demais, a gostar de si mesma”, afirma. “Hoje, a realidade da criança negra no Brasil ainda é muito sofrida. Muitas não querem nem ir para a escola, porque sabem que o preconceito ‘come lascado’ e que a escola faz vista grossa. A criança é alvo de piada, fica marcada. E na escola particular ainda é pior, porque o número de crianças negras é bem menor”, diz.

Mazza conta que seu objetivo sempre foi lutar contra o racismo por meio de livros que discutem as questões raciais. “Meu sonho é levar esse material para cada vez mais gente, estimulando os autores negros, ou comprometidos com a questão racial, a escrever”, sublinha. “Tenho, por exemplo, uma coleção que se chama ‘De Lá Pra Cá’. Ela reconta as histórias infantis universais, mas com personagens negros. Fadas, príncipes e princesas, reis e rainhas. O primeiro livrinho é da Rapunzel, que é uma personagem sempre representada como branca. ‘Rapunzel, lance suas louras tranças para mim’, isso já limita a personagem a ser branca. Aí o príncipe também é branco e por aí vai. Fazemos o contrário. Todos são negros, para que criança se reconheça e trabalhe sua autoestima”, afirma.

Para Mazza, o Brasil vive um momento de retrocessos e avanços na questão racial. “Quando você vê gente falando que a Maju (jornalista da Globo) é feia, que o jogador é ‘macaco’, é porque o sucesso incomoda. É porque ainda querem o negro num lugar de subalterno”, reflete. “O que a gente não pode é desanimar. Trabalho desde os 4 anos, já era pra ter dependurado as chuteiras há tempos. Mas aí abro o jornal e vejo: ‘Polícia mata cinco jovens negros após confundi-los com bandidos’. Como eu paro? Não tem jeito. Não vou descansar. Quero morrer lutando pelo meu povo, fazendo a minha parte, deixando minha contribuição”.

 

+ sobre o tema

Noite de luta em Brasília: uma crônica que não saiu na TV

Em atitude cheia de simbolismos, povos ocupam Câmara no...

Eventos promovem feminismo negro com rodas de samba e de conversa

"Empoderadas do Samba" ocupa espaço ainda prioritariamente masculino e...

Audiência afirma legalidade da sacralização de animais por religiões

O plenário da Assembleia Legislativa de Sergipe foi tomado...

Afro-Brasil: Debates & Pensamentos

Como entender a sociedade brasileira sem a olhar por...

para lembrar

Mortalidade materna de mulheres negras é o dobro da de brancas, mostra estudo da Saúde

Assim como outros indicadores de saúde, a mortalidade materna é...

Racismo institucional e ensino da cultura africana são debatidos entre governo e movimento negro

 A presidenta Dilma Rousseff recebeu nesta sexta-feira (19),...

PCdoB: Encontro de Combate ao Racismo debate desigualdade social

O Comitê Central do PCdoB realiza, dias 3 e...

Quem tem medo dos editais para as iniciativas culturais afro-brasileiras? por Vilma Reis

Vilma Reis No contexto das forças políticas os Movimentos Negros...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=