Menina de 5 anos chora por ter sido chamada de “macaca” por professora

Com dificuldade de identificar quem fez isso com a filha e sem conseguir contato com a diretoria, a mãe foi à escola oito vezes

Uma criança de 5 anos chorou bastante ao contar à mãe que havia sido chamado de macaca por sua professora. Em um vídeo mostrado à polícia, a menina explica como tudo aconteceu. O caso aconteceu na Escola Municipal de Educação Infantil Marechal Osvaldo Cordeiro Faria, no Jardim Eliana, em São Paulo, na última quarta  (24).

“As crianças estavam desenhando assim e depois a tia (me chamou de) ‘macaca’, depois todo mundo ria de mim. Não gosto que ria de mim, porque eu fico chorando. Isso não é coisa de Deus. Os amiguinhos brincam comigo e a tia chama de macaca”, contou ela.

A mãe da criança, Raylaine Martins de Oliveira, de 30 anos, disse que no dia da ofensa, foi buscar a menina na escola. Diferente dos outros dias, ela ficou calada e estava bastante abatida. Segundo a mãe, a filha contou a ela que, após uma atividade, os alunos foram para outra sala, onde estava outra professora. Chegando ao local, a funcionária da instituição de ensino olhou para o desenho da menina e disse que “não era pintura, e sim um rabisco”. Em seguida, a professora chamou a aluna de macaca.

Com dificuldade de identificar quem fez isso com a filha e sem conseguir contato com a diretoria, a mãe foi à escola oito vezes. “Eu olhei para ela e perguntei: “Seja honesta com você. Você acha que é certo falar para uma criança que o desenho dela é um rabisco e compará-la com um animal?”. Ela foi bem fria, não vou dizer arrogante, mas fria. Ela realmente falou que era um rabisco, pediu desculpas, mas em relação ao xingamento, ela desviava o olhar, ela não me respondia nem que sim, nem que não”, contou em entrevista ao jornal Extra.

A mãe disse ainda que, ao conseguir marcar com a vice-diretora e mostrar o vídeo da criança desabafando, ela e uma professora começaram a chorar. Ao anunciar que ia processar a escola, funcionários pediram que ela não seguisse à diante, mas a mãe prestou queixa e fez um Boletim de Ocorrência pela internet, além de fazer uma denúncia junto à Secretaria Municipal de Educação.

A mãe disse não saber o que vai acontecer com a professora em questão, mas garantiu não se importar caso ela seja penalizada pelo que fez. “Eu não sei o que vai acontecer com ela. Mas eu sou mãe. Se depender de mim, ela não trabalha mais na rede pública nem em qualquer instituição de ensino. Se ela fez minha filha passar por esse constrangimento, ela não está no lugar certo”, desabafou.

A Secretaria Municipal de Educação de São Paulo afirmou que vai investigar o caso. Em nota, o órgão se pronunciou sobre o caso. “A Diretoria Regional de Educação Capela do Socorro apura responsabilidades no episódio e convocou a família para reunião nesta quarta-feira (01/10) a fim de esclarecer os fatos. A Diretoria também se coloca à disposição da Justiça para os esclarecimentos que se fizerem necessários”, diz o comunicado.

Fonte: Correio 24 Horas

+ sobre o tema

Minas Gerais: Contra intolerância religiosa e racismo na infância

Governo de Minas lança campanhas contra intolerância religiosa e...

Cliente terá que pagar R$ 25 mil por racismo contra consultor de loja de telefonia em MT

A Primeira Câmara de Direito Privado do Tribunal de...

Alerta: Quem é o brasiliense responsável pelo site que inspirou ataque em Suzano

Homem que ameaçou um atentado na UnB, onde estudou,...

O primeiro âncora negro de um jornal televiviso na Europa

O primeiro âncora negro de um jornal televiviso na...

para lembrar

Sejamos honestos as ruas são preciosas demais para abandoná-las aos perversos

ESTAMOS VIVENDO UM DAQUELES MOMENTOS HISTÓRICOS DECISIVOS. Aquele ponto...

Juiz chamado Hitler condena Casas Bahia por racismo

Empregado que foi vítima de discriminação racial será indenizado...

Mortes precoces

O Brasil é o sexto país em mortes de...

Ministério da Saúde retira do ar estudo sobre saúde da população negra 

O Ministério da Saúde retirou da página em que...
spot_imgspot_img

Criança não é mãe

Não há como escrever isto de forma branda: nesta quarta-feira (12), a Câmara dos Deputados considerou urgente discutir se a lei deve obrigar crianças vítimas de estupro à...

O amor com o sol da manhã

Eu gosto do amor, eu gosto de amar. Inclusive, já escrevi muito sobre o amor nestas páginas, algumas vezes de forma explícita, outras vezes...

Se o Estado perder o controle, o que vai restar?

Cinco pessoas foram mortas durante a 16ª operação policial do ano no Conjunto de Favelas da Maré, nesta terça-feira, 11 de junho. Uma das...
-+=