sexta-feira, fevereiro 3, 2023
InícioQuestões de GêneroMulher NegraMeninas negras são vistas como 'menos inocentes' do que brancas, diz estudo

Meninas negras são vistas como ‘menos inocentes’ do que brancas, diz estudo

Adultos tendem a achar meninas negras menos inocentes –mais entendedoras de “assuntos adultos” como sexo– do que as brancas. A conclusão foi publicada em um estudo da Georgetown Law, uma universidade da cidade de Washington, nos Estados Unidos. Para a jornalista e socióloga Fabiana Moraes, se realizada no Brasil, a pesquisa mostraria a menina negra ainda mais hipersexualizada.

Adriana Nogueira, no Estilo UOL

“Aqui vendemos durante décadas as mulheres negras das mais variadas idades como ‘produto de exportação’”, diz Fabiana, que é professora da Universidade Federal de Pernambuco e autora dos livros “No País do Racismo Institucional” e “Nabuco em Pretos e Brancos” (Editora Massangana), entre outros.

Para produzir o relatório “Girlhood Interrupted: The Erasure of Black Girls’ Childhood” (Infância Interrompida: O Apagamento da Infância de Crianças Negras, em tradução do inglês), os pesquisadores da Georgetown entrevistaram 325 adultos de diferentes etnias, níveis de formação e de regiões diferentes dos Estados Unidos.

“A amostra é representativa, e demonstra que esse olhar hipersexualizado sobre meninas negras não é algo relacionado a um ou outro grupo. É, sim, uma questão que nos estrutura socialmente”, fala a jornalista e socióloga.

Menos proteção?

Ainda segundo o estudo americano, meninas negras parecem mais velhas do que meninas brancas da mesma idade e precisam de menos apoio e proteção.

Fabiana Moraes afirma que a imagem hipersexualizada da mulher negra adulta precisa ser desconstruída com urgência para dar novas perspectivas para as meninas negras.
“Isso [a desconstrução] tem de ser feito para que as meninas negras não sejam vistas como promessa de futura diversão, isso quando não são molestadas ainda na infância”, declara a socióloga.

Em comunicado, a coautora do estudo, Jamilia Blake, disse que “as mulheres negras são vistas, historicamente, como agressivas, barulhentas, desafiadoras e hipersexualizadas. Temos um estereótipo social que é perverso. Vai sendo repassado pela mídia e incorporado em nossa história e nas nossas interações sociais”.

Mais poder

Fabiana Moraes sugere um teste prático. “Coloque no Google ‘meninas negras’ mais ‘sexo’. Depois coloque ‘meninas brancas’ mais sexo. O resultado dessas buscas mostra o tipo de visão e de tratamento que é dispensado a essas crianças e adolescentes aqui no Brasil também.”

Segundo a jornalista e socióloga, o estudo mostra que é necessário adotar medidas urgentes. Uma delas seria capacitar os educadores a estimularem um “olhar horizontal” entre as crianças.

“É preciso inserir na vida escolar cotidiana a prática da empatia. Não se trata de uma palavra da moda e, sim, um exercício democrático. Outro ponto que seria interessante é incentivar o aprendizado da história negra/africana, previsto em lei [10.639], mas não aplicado efetivamente em milhares de escolas.”

Fabiana ainda fala que fortalecer a presença de mulheres negras nos espaços de poder –cultural, econômico e social– é importante para quebrar estereótipos, servindo como “faróis” para outras meninas negras se observarem.

“É diferente crescer olhando as imagens de mulheres negras médicas, juízas, professoras, comerciantes, e não contemplando apenas negras de biquíni servindo como instrumento de prazer do próximo.”

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench