Meu black não é assim

Esse artigo foi escrito por mim e pelo Militante do Coletivo Nacional de Juventude Negra – Enegrecer, Nassor Oliveira. A intenção dele não é atacar os participantes ou organizadores da festa aqui citada, ou mesmo desmerecer a contribuição de pessoas de não negras para o movimento cultural, mas problematizar a dificuldade inerente ao povo negro em se ver representado, até mesmo na cultura que historicamente o identifica.

por Walmyr Junior * no Jornal do Brasil

No último fim de semana, após o lançamento das fotos de mais uma edição de uma festa na Mansão Botafogo denominada “Meu Black é assim”, seguidos compartilhamentos trouxeram um evento da sua repercussão rotineira para o centro de debates sobre apropriação cultural, identidade, estética negra, e como não poderia faltar, debates acalorados envolvendo o racismo institucional.

Ao abrir a página da festa no facebook vemos uma foto de perfil com uma analogia a modelagem de cabelo “Black Power”, porém não é só um Black Power comum, é um Black Power em forma de vinil, situando bem qual a associação que foi feita. Essa imagem, popularizada nos anos 70 como expressão estética de um movimento cultural, musical e também político, empoderou milhares de negros e negras não só naquele tempo, e que mais do que nunca retorna hoje como um símbolo de resistência a cultura hegemônica.

black-power-em-forma-de-vinil_1
Black Power em forma de vinil

Até aí tudo não tinha nada de mais, mas já na foto de capa do facebook do evento surge o elemento que contribuiu para a polêmica. Temos duas meninas loiríssimas de cabelo liso vestindo o boné do evento. Alem disso a cada 10 fotos publicadas se encontra ½ negro, a maioria esmagadora das imagens representam o público do evento: fenótipo tipico dos bairros mais elitizados do Rio de Janeiro (Tipo branco/a da zona sul), o que gerou fúria nos comentários e uma mobilização virtual que gerou mais de onze mil comentários só no álbum desta edição, fora os milhares de compartilhamentos e discussões que rolaram na rede.

E por que nós negros nos incomodamos tanto com isso? –“Era só ter comprado o ingresso para ir a festa?” – “o jovem negro favelado não foi na festa por que não quis?” – “Agora vai ter que ter cota nos eventos?”

Não, não é nada disso. Ainda existe uma barreira que divide a cidade, os espaços de sociabilidade, e isso vai muito além do escopo deste evento em particular, ele é só um exemplo de um fenômeno muito maior: As desigualdades estruturais, a marginalização do negro e a associação entre cor e condição financeira, qualquer pessoa que negar qualquer um desses fatos desafia a razão.

O que tem acontecido, como diria o rapper Emicida, é que a cultura negra, ou a Black culture (para gourmetizar ainda mais) está na moda. A estética, a música, e até mesmo o dialeto utilizado pelos negros dão o toque urbano e conceitual, e quem diga “exótico” à imagem da elite. Comercialmente falando, isso se torna um fenômeno explosivo, associando elementos da cultura que representa um povo, é associando a figura historicamente aceita pela sociedade da população não negra.

É fato que uma festa com fins lucrativos não tem obrigação de representar ninguém, o problema é que uma sociedade com fins lucrativos funciona da mesma forma. O mais vendável, o já instituído, prevalece. O marginalizado olha para a TV, para os comerciais, para todas as representações públicas e não consegue se enxergar. Nem mesmo nos locais onde ele de fato está na realidade, como os bailes funk das novelas, até mesmo o lugar ocupado infelizmente pela maioria negra é representado na TV por modelos brancos saídos de revistas adolescentes.

leia também:

 

 


* Walmyr Júnior é morador de Marcílio Dias, no conjunto de favelas da Maré, é professor e representante do Coletivo Enegrecer como Conselheiro Nacional de Juventude (Conjuve). Integra a Pastoral Universitária da PUC-Rio. Representou a sociedade civil no encontro com o Papa Francisco no Theatro Municipal, durante a JMJ.

+ sobre o tema

Protocolo negro

Quem é negro costuma cumprir um protocolo ao colocar...

Cidinha da Silva e as urgências de Cronos em “Tecnologias Ancestrais de Produção de Infinitos”

Em outra oportunidade, dissemos que Cidinha da Silva é, assim...

Fiocruz alerta para aumento da taxa de suicídio entre criança e jovem

A taxa de suicídio entre jovens cresceu 6% por...

para lembrar

Abdias Nascimento: Eu tenho um sonho…

por: MAURÍCIO PESTANA FOTOS JANUÁRIO GARCIA ... ainda quero ver...

No Brasil, a medicina é branca e classe média – Por: Mara Gomes

Vale milhões de vezes mais a vida de um...

“Descarregar a arma”, disse PM ao levar jovem encontrado morto no Rio

Um dos dois policiais presos sob suspeita de envolvimento na...

“Quando você chama a pessoa de macaco, você está jogando toda a humanidade dela no lixo.”

Por: Maria Carolina Trevisan Emicida explica de forma direta e...
spot_imgspot_img

Filme de Viviane Ferreira mescla humor e questões sociais com família negra

Num conjunto habitacional barulhento em São Paulo vive uma família que se ancora na matriarca. Ela é o sustento financeiro, cuida das filhas, do...

Quem tem direito de sentir raiva?

A raiva, enquanto afeto humano, legítimo e saudável, é um tema que estou tentando colocar na sociedade brasileira, no debate público, mas encontro tantos...

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...
-+=