Ministério da Igualdade Racial repudia ataques racistas contra Vini Jr. e diz que notificará autoridades espanholas

Enviado por / Fontedo O Globo

Jogador xingamentos racistas vindo da torcida adversária e chegou a apontar grupo de torcedores racistas

O Ministério da Igualdade Racial afirmou neste domingo que vai notificar as autoridades espanholas e a La Liga após novos ataques racistas sofridos pelo jogador brasileiro Vini Jr. Pelas redes sociais, a pasta afirmou que o governo brasileiro “não tolerará racismo” e que trabalhará para que “todo atleta brasileiro negro possa exercer o seu esporte sem passar por violências”.

“Repudiamos mais uma agressão racista contra o Vini Jr. Notificaremos autoridades espanholas e a La Liga. O Governo brasileiro não tolerará racismo nem aqui nem fora do Brasil! Trabalharemos p/ que todo atleta brasileiro negro possa exercer o seu esporte sem passar por violências”, escreveu o ministério pelas redes sociais.

Durante o jogo deste domingo, Vini Jr. ouviu gritos de “mono” (tradução livre para “macaco” em espahol). O jogador chegou a reclamar com a arbitragem e a apontar para o grupo de torcedores que gritaram os xingamentos racistas.

Pelas redes sociais, Vini Jr. deixou em aberto, pela primeira vez, a possibiliade de deixar o Real Madrid. Ele falou sobre a reincidência de episódios preconceituosos, a conivência da liga, federação espanhola e adversários.

— Não foi a primeira vez, nem a segunda e nem a terceira. O racismo é o normal na La Liga. A competição acha normal, a Federação também e os adversários incentivam. Lamento muito. O campeonato que já foi de Ronaldinho, Ronaldo, Cristiano e Messi, hoje é dos racistas. Uma nação linda, que me acolheu e que amo, mas que aceitou exportar a imagem para o mundo de um país racista. Lamento pelos espanhois que não concordam, mas hoje, no Brasil, a Espanha é conhecida como um país de racistas. E, infelizmente, por tudo o que acontece a cada semana, não tenho como defender. Eu concordo. Mas eu sou forte e vou até o fim contra os racistas. Mesmo que longe daqui — escreveu o atacante brasileiro.

A ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, também se manifestou pelas redes sociaiais e classificou o episódio como “inaceitável”.

“Inaceitável! O peito chega aperta de tanta indignação! Até quando teremos que lidar com isso!? Chega de racismo!!!!!!!!!”, escreveu.

Silvio Almeida, ministro dos Direitos Humanos, por sua vez, afirmou que a postura das autoridades espanholas responáveis pelo futebol é “crimonosa” e que tem “inegável conivência com o racismo”.

“A postura das autoridades espanholas e das entidades que gerem o futebol é criminosa. Revela inegável conivência com o racismo. Deixo o meu abraço em @vinijr e a certeza de que estarei a seu lado na luta pela responsabilização dos que o atacam, mas também dos que se omitem”, afirmou.

Flávio Dino, ministro da Justiça e Segurança Pública, afirmou que o episódio é “deplorável, inaceitável e deve ter consequências”.

“Minha solidariedade ao jogador brasileiro Vinicius Júnior, mais uma vez vítima de racismo na Espanha. Isso é deplorável, inaceitável e deve ter consequências.”

Ana Moser (Esportes) escreveu nas redes sociais não é possível aceitar episódios como esse.

“”Não pode mais. Não da para aceitar. Ninguém Deve ter q passar por isso. Força Vini Jr.”

Leia também:

Vinicius Júnior: ofensas racistas contra atleta brasileiro têm repercussão internacional

Lula cobra ações contra racismo sofrido pelo jogador brasileiro Vinícius Júnior em jogo na Espanha

+ sobre o tema

Brancos, vamos falar de cotas no serviço público?

Em junho expira o prazo da lei de cotas nos...

Em junho, Djavan fará sua estreia na Praia de Copacabana em show gratuito

O projeto TIM Music Rio, um dos mais conhecidos...

O precário e o próspero nas políticas sociais que alcançam a população negra

Começo a escrever enquanto espero o início do quarto...

Estado Brasileiro implementa políticas raciais há muito tempo

Neste momento, está em tramitação no Senado Federal o...

para lembrar

Porteiro preso há 3 anos em investigação com erros é solto

O porteiro Paulo Alberto da Silva Costa, de 37...

Na Feira do Livro, Sueli Carneiro escancara racismo que ainda divide o Brasil

"Eu vivo num país racialmente apartado", afirma a filósofa Sueli...

“Mesmo com vice negra, somos oprimidas”, diz escritora colombiana

A escritora e jornalista colombiana Edna Liliana Valencia, de...

Em Moçambique, Anielle Franco assina acordo de combate ao racismo

Com agenda intensa em na África do Sul, a...
spot_imgspot_img

Colégio afasta professor de história investigado por apologia ao nazismo, racismo e xenofobia

Um professor de história da rede estadual do Paraná foi afastado das funções nesta quinta-feira (18) durante uma investigação que apura apologia ao nazismo, racismo...

Líderes da ONU pedem mais ação para acabar com o racismo e a discriminação

Esta terça-feira (16) marcou a abertura na ONU da terceira sessão do Fórum Permanente de Afrodescendentes, que reúne ativistas antirracismo, pessoas defensoras dos direitos...

Ministério Público vai investigar atos de racismo em escola do DF

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) vai investigar atos de racismo registrados durante uma partida de futsal entre alunos de duas...
-+=