Ministra Luíza Bairros – A prioridade de sua Secretaria é o combate à mortalidade de jovens negros

A gestora da Secretaria Especial de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), ministra Luíza Bairros, esteve no final da tarde desta sexta-feira (16), no Centro de Formação de Educadores Professor Paulo Freire, na Madalena. No encontro com representantes de órgãos públicos, organizações não-governamentais (ONG’s) e militantes do movimento negro, Luíza Bairros expôs seus planos no comando da pasta e ouviu os argumentos da plateia.

Segundo a ministra, a prioridade de sua Secretaria é o combate à mortalidade de jovens negros. “Estamos montando a proposta no fórum de situação para que seja elaborado um plano de ação”, disse ela.

A secretária Especial da Mulher, Rejane Pereira, destacou que o evento serviu para que a ministra Luíza Bairros fizesse um panorama do trabalho da Seppir aos presentes e se familiarizasse sobre como os gestores e ativistas estão enfrentando o racismo em Pernambuco. “A minha expectativa é de que possamos fazer parcerias com a Seppir. Ainda este ano, a ministra virá ao Recife para um encontro com o prefeito João da Costa para discutir projetos para a Cidade”, ressaltou.

“O movimento de mulheres negras indica como pauta as políticas públicas voltadas para a população negra. Na saúde, o combate à anemia falciforme, a pressão alta e ao diabetes estão entre os fatores de mortalidade da população negra. Na segurança, o combate à violência contra mulheres e o assassinato de pessoas, a maioria negros”, ressaltou a conselheira adjunta do Observatório Negro, Ana Paula Maravalho.

Comparativo – Márcia Moraes é uma estudante pernambucana de 29 anos que mora há sete anos na França. Lá cursa o mestrado em Ciências Políticas no Instituto de Altos Estudos da América Latina, da Universidade de Sorbonne Nouvelle, em Paris. Fundadora da associação Afrosmundos e criadora da Semana da Consciência Negra de Paris, Márcia compara: “Os altos índices de violência contra a mulher e os jovens negros no Recife não me surpreendem. Houve evoluções nos oito anos do governo Lula. Muitos amigos meus hoje estão formados graças ao Prouni e às cotas para negros. Aqui se mata os jovens negros. Na França, os jovens negros são pessimistas e não têm grandes expectativas na vida. Eles não têm voz. A desigualdade racial na França é muito maior do que no Brasil. Não há estatísticas sobre a população negra francesa”.

Fonte: Blog do Jamildo

+ sobre o tema

Ministra Luiza Bairros anuncia novo ciclo de políticas de igualdade racial

  "O Sinapir inaugura a possibilidade de um novo ciclo...

Nivia Luz: Espírito livre

Na infância, Nivia Luz queria ser astronauta. Depois, engenheira....

Maternidade obrigatória, paternidade facultativa

Ainda hoje, muita gente insiste que não precisamos do...

Luana Tolentino recebe medalha em Minas e diz “sou prova de um novo brasil”

Rodeada de amigos, familiares e admiradores querendo tirar um...

para lembrar

Beyoncé canta Tina Turner em espetáculo futurista da nova turnê ‘Renaissance’

Numa performance brilhante, Beyoncé fez o primeiro de seus cinco shows...

Encontro discute direito de mulheres negras

Um Seminário ocorrido no Rio Grande do Sul, discutiu...

A presença de uma Juíza Negra no STF é uma questão de coerência, reparação histórica e justiça

A Constituição Federal, estabelece como objetivo da República Federativa...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=