domingo, novembro 27, 2022
InícioÁreas de AtuaçãoDireitos HumanosMinistro do Chile admite possível violação de direitos humanos na repressão aos...

Ministro do Chile admite possível violação de direitos humanos na repressão aos protestos

Missão da ONU vai avaliar denúncias de abusos cometidos durante as manifestações. Autoridades confirmam 20 mortos desde o início da onda de protestos no Chile.

No G1

Bandeira do Chile é vista em frente a barricada montada em Santiago durante protesto na segunda-feira (28) — Foto: Matias Delacroix/AP Photo

O ministro da Justiça chileno, Hernán Larraín, admitiu nesta terça-feira (29) possíveis violações de direitos humanos por parte de forças de segurança que atuaram nos protestos no Chile. Ao menos 20 pessoas morreram desde o início da onda de manifestações no país.

Larraín participou de reunião com integrantes do Instituto Nacional de Direitos Humanos (INDH), que acusam policiais de cometerem abusos durante os protestos. “Produziram-se situações que aparentemente parecem ser violações de direitos humanos”, reconheceu o ministro.

“Não queremos que o Chile tenha nenhum atentado ao necessário respeito aos direitos das pessoas. Entendemos a urgência de manter a ordem pública, mas não vamos aceitar que haja violação aos direitos humanos dos chilenos”, acrescentou.

Forças de segurança dispersam manifestantes em protesto em Santiago, no Chile, nesta terça-feira (29) — Foto: Ivan Alvarado/Reuters

O Chile receberá uma missão de integrantes da Organização das Nações Unidas (ONU), liderados por Michelle Bachelet – ex-presidente chilena e atual alta comissária de Direitos Humanos da entidade. A visita estava marcada para esta quarta-feira, mas o grupo adiou a operação.

Números oficiais

Órgãos oficiais do governo chileno confirmaram nesta terça-feira um balanço de mortes, feridos e denúncias de tortura entre 19 e 27 de outubro – período de nove dias em que durou o estado de emergência decretado pelo presidente Sebastián Piñera. Veja os números abaixo.

  • Mortos: 20 – desses, 10 morreram em 21 de outubro
  • Policiais feridos: 745
  • Civis feridos: 473
  • Queixas de mortes praticadas por forças de segurança: 5
  • Queixas de tortura: 54
  • Queixas de violência sexual: 18

As autoridades também divulgaram o número de presos e dados sobre bens danificados.

  • Detidos durante toques de recolher: 2.037
  • Detidos fora de toques de recolher: 7.166
  • Ônibus incendiados: 26
  • Estações de metrô danificadas: 49
  • Veículos policiais danificados: 455

Manifestantes voltam às ruas

Mesmo com o fim do estado de emergência, o anúncio de uma série de medidas e a troca de oito ministros, os protestos continuam pelo Chile nesta terça-feira.

Relatos dos jornais chilenos mostram que a maior parte das manifestações ocorrem de maneira pacífica, mas houve tumulto em algumas áreas fechadas pela polícia.

Santiago amanheceu nesta terça-feira sob escombros de barricadas nas principais avenidas do centro da capital. Apesar da volta da violência nos protestos, o governo descarta, por enquanto, decretar novo estado de emergência.

No início da noite de segunda, um incêndio de grandes proporções atingiu um centro comercial em Santiago, e um hotel nos arredores precisou ser esvaziado. A imprensa chilena atribui o fogo a uma tentativa de saque a lojas e a uma lanchonete no local, mas por enquanto as autoridades não ligaram o incidente aos protestos no Chile.

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench