Movimento de mulheres critica programa para gestantes lançado por Dilma

O Programa Rede Cegonha, lançado nesta segunda-feira, 28, pela presidente Dilma Rousseff, foi criticado por militantes de movimentos de defesa dos direitos das mulheres. Em Porto Alegre, a Rede Feminista de Saúde Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos observou que se trata de um retrocesso em relação aos avanços que já haviam ocorrido no setor. Ainda segundo a organização, a presidente poderia ter avançado na questão de atendimento às vítimas de violência sexual.”Voltamos a uma visão materno-infantil da saúde das mulheres, quando já considerávamos que a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher, surgida em 1983, parecia estar consolidada”, observou a cientista política Telia Negrão, secretária executiva da entidade em nota distribuída à imprensa.

Ainda de acordo com a cientista política, embora a proposta do programa esteja assentada num diagnóstico realista das dificuldades na atenção à saúde das mulheres, “suas respostas não abrangem o conjunto de causas que levam as mulheres brasileiras a adoecer e morrer durante a gestação, o parto e o puerpério”.

A nota especifica os casos de abortos inseguros, que poderiam ser evitados se mulheres tivesse “maior acesso aos serviços de acolhimento a vítimas de violência sexual, à anticoncepção de emergência, a violência fatal que atinge as mulheres na gestação, o racismo institucional e outras desigualdades sociais”.

A Rede Feminista, que existe há quase duas décadas, vai solicitar ao Ministério da Saúde um prazo maior para o debate da proposta e o seu envio para debate nos conselhos de saúde e direitos da mulher.O lançamento do programa ocorreu em Belo Horizonte. Com o objetivo de disseminar práticas que ajudem a reduzir as taxas de mortalidade infantil e materna, ele tem orçamento previsto de R$ 9 milhões.

 

Fonte: Estadão

+ sobre o tema

‘Negras de lá, Negras daqui’: Antologia junta escritoras africanas e afrobrasileiras

Nesse contexto o projeto Raízes pensou em juntar escritoras...

Conselhão debate ações de igualdade racial com ministra Luiza Bairros

  A ministra da Secretaria de Políticas...

Portugual: Mulheres negras unidas exigem justiça

Nós, mulheres negras de várias idades, origens e profissões,...

Padre Fábio de Melo fala sobre união homossexual

Religioso afirma que o casamento de pessoas do mesmo...

para lembrar

A desigualdade e o racismo em degradê

    “Operários”, de Tarsila do Amaral: proposta de sociólogo de...

Dilma promete construir seis mil creches no país

“É na infância que está a raiz maior da...

Após morte, família acusa PMs de espancar mulher em Ribeirão Preto

Luana dos Reis foi internada após ter sido agredida...
spot_imgspot_img

CNJ pede explicações a juízas sobre decisões que negaram aborto legal

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu nesta sexta-feira (12) intimar duas magistradas do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) a prestarem esclarecimentos sobre...

Instituto Mãe Hilda anuncia o lançamento do livro sobre a vida de matriarca do Ilê Aiyê

O livro sobre a vida da Ialorixá Hilda Jitolu, matriarca do primeiro bloco afro do Brasil, o Ilê Aiyê, e fundadora do terreiro Acé...

Centenário de Tia Tita é marcado pela ancestralidade e louvado no quilombo

Tenho certeza que muitos aqui não conhecem dona Maria Gregória Ventura, também conhecida por Tia Tita. Não culpo ninguém por isso. Tia Tita é...
-+=