Movimento negro com mais peso no Valongo

Comitê do cais toma posse com dez entidades de matriz afrodescendente e meta de acelerar cumprimento de exigências da Unesco

Por ROGÉRIO DAFLON, do Jornal  do Brasil 

Comitê do Cais do Valongo toma posse (Foto: Fotos de divulgação/Iphan)

Transformado em Patrimônio Mundial em 2017, o Cais do Valongo, na Região Portuária, passou a contar, desde ontem, com um comitê gestor. Com 17 membros, a posse dele foi no Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). O grupo será responsável pelas decisões sobre como o sítio histórico será preservado, seguindo as diretrizes da Unesco, e nasce da necessidade de acelerar o cumprimento das exigências estipuladas pelo órgão internacional, com prazos que variam entre este ano e 2019. A agência das Nações Unidas exige que se crie um centro de interpretação sobre as pessoas escravizadas que chegaram ao Valongo vindas da África. Determina ainda que sejam feitos o projeto educativo, o tratamento paisagístico e a continuidade da pesquisa arqueológica do local. Na posse do comitê, uma celebração de matriz africana animou a cerimônia.

O comitê contará com dez entidades associadas ao movimento negro, entre elas o Conselho Municipal de Defesa dos Direitos do Negro, o Conselho Municipal de Defesa dos Direitos do Negro, o Centro Cultural Pequena África, o Instituto Pretos Novos e a Associação da Comunidade Remanescente de Quilombo da Pedra do Sal. Entre as instituições públicas, há, além do Iphan, a Fundação Cultural Palmares, o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), a Secretaria Municipal da Cultura, a Secretaria de Estado da Cultura, a Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto (Cdurp), o Instituto Rio Patrimônio da Humanidade (IRPH) e a Empresa de Turismo do Município do Rio de Janeiro (Riotur).

Festa de matriz africana (Foto: Fotos de divulgação/Iphan)

O cais data de 1811 e servia ao desembarque e ao comércio de pessoas escravizadas. Mais de um milhão delas teria passado pelo cais. Em 1843, contudo, o local foi coberto pelo Cais da Imperatriz, para receber a então imperatriz Teresa Cristina de Bourbon, então esposa de Dom Pedro II. E, no contexto da reforma urbana do então prefeito Pereira Passos (1902-1906), o próprio Cais da Imperatriz foi ocultado por um novo piso ali.

O cais será o centro de um seminário a ser organizado pela prefeitura, no Museu do Amanhã, no qual já será apresentado um estudo arqueológico mais completo da região. O comitê já começa a se reunir na primeira semana de setembro.

O comitê já decidiu que a sinalização no cais terá de ser acompanhada por uma iluminação cênica. Já o Centro de Interpretação, além de aprofundar os estudos e apresentá-los a pesquisadores ou visitantes, terá uma exposição do acervo arqueológico encontrado nas escavações na região portuária.

O plano de gestão, a ser tocado pelo comitê gestor, prevê a realização de jornadas de educação. A ideia é promover o maior número de debates sobre o Cais do Valongo. Os planos do comitê gestor também vão ter de incluir a solução para alguns problemas na região do Valongo. Um deles é um muro do Hospital dos Servidores, atrás do qual há um depósito de lixo hospitalar. O muro impede a circulação total ao longo do cais. Outro obstáculo a ser superado é o prédio Docas Pedro II, projetado pelo engenheiro André Rebouças no século 19. O edifício está ocupado pela ONG Ação da Cidadania contra a Fome, que diz que só saíra de lá indenizada ou para uma outra edificação. Ainda há o casario do Quilombo da Pedra do Sal com sérios problemas estruturais.

+ sobre o tema

Rede social para negros quer dar visibilidade a políticos e empreendedores

A Black & Black, uma rede social brasileira indicada...

Exposição na Casa França Brasil conta a história do negro no Rio

Mostra reúne 500 peças, como bronzes do Benin, máscaras...

Quilombolas entrarão na justiça por danos morais

Federação Nacional de Associações Quilombolas (FENAQ) entrará com uma...

para lembrar

Homenagem ao professor Eduardo de Oliveira

O movimento negro brasileiro perdeu no dia 12 de...

MPF/SE: Justiça determina fim de ação penal contra quilombolas

Nove moradores da comunidade de Brejão dos Negros...

Para a CUT, luta contra o racismo passa por acordos coletivos de trabalho

Central faz campanha no mês da Consciência Negra pela...
spot_imgspot_img

Militares viram no movimento negro afronta à ideologia racial da ditadura

Documento confidencial, 20 de setembro de 1978. O assunto no cabeçalho: "Núcleo Negro Socialista - Atividades de Carlos Alberto de Medeiros." A tal organização,...

Agentes de Pastorais Negros: entidade nacional do movimento negro brasileiro completa 41 anos

Março é o mês do aniversário dos Agentes de Pastorais Negros (APNs), entidade nacional do movimento negro brasileiro que completa 41 anos. Esse mês constitui, para os...

Jornal pioneiro contra racismo deu voz a movimento negro há 100 anos

Há 100 anos, a criação de um jornal na cidade de São Paulo deixava marcas com o pioneirismo em relatos contra o racismo e a ampliação...
-+=