Movimento quilombola divulga carta contra racismo e pedindo titulação de terras

Conaq ressalta a importância da aprovação do Decreto Federal n° 4887/03, dívida histórica contra o povo negro quilombola

Movimento quilombola lança carta pedindo aprovação de Decreto Federal que regulamenta terras quilombolas / Valter Campanato / Agência Brasil

Do Brasil de Fato

“Dandara, Acotirene, Tereza de Benguela, Ganga Zumba e Zumbi dos Palmares são algumas das lideranças históricas do povo negro que se somam em mais uma batalha histórica dos quilombolas. A luta por autonomia e vida digna para quilombolas, nesta sociedade construída com base no racismo, terá no julgamento do STF mais uma batalha”, assim começa a carta da Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (Conaq), relembrando lutadores do movimento negro, que resistiam em quilombos.

No dia 16 de agosto de 2017 o Supremo Tribunal Federal (STF) retomará o julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) n° 3239/04, que julga o Decreto Federal n° 4887/03. A norma questionada na Corte regulamenta os procedimentos administrativos para titulação dos territórios quilombolas. A Conaq defende que o decreto continue válido. Caso contrário, segundo a organização, a política de titulação e, consequentemente, o acesso à terra por parte dos quilombolas estaria em risco.

Atualmente o julgamento da Adin 3239/04 está empatado, com um voto pela constitucionalidade do decreto, da Ministra Rosa Weber, e outro voto pela inconstitucionalidade, do Ministro Cezar Peluso.

A posição defendida pelo movimento, portanto, necessita de cinco votos para garantir a constitucionalidade do decreto. A  carta é um apelo à sociedade e à militância.

“Para a Conaq, o julgamento do decreto quilombola não é o início, muito menos o fim das lutas contra o racismo em nossa sociedade. Mas será uma etapa importante da batalha, pois 129 anos após à abolição forma e inconclusa da escravidão de 1888 o Estado brasileiro, através do STF, julgará a legitimidade do direito constitucional quilombola à terra, conquistado através da árdua luta de gerações de negros e negras”, conclui o movimento.

+ sobre o tema

Jamila Woods e a magia da mulher negra

Jamila Woods é uma poetisa, compositora e cantora de...

Kendrick Lamar é o grande vencedor em VMA com tom político

O rapper Kendrick Lamar venceu no domingo o prêmio...

Herdeiros de Luther King são processados por um dos melhores amigos de seu pai

Harry Belafonte tem 86 anos, uma idade em que...

para lembrar

Fibria tenta seduzir quilombolas com projeto de agricultura

  Uma reunião no Centro de Operação da...

Manuel Querino

Manuel Raimundo Querino nasceu no 28 de julho de...

Un maire noir de Paris en 1879, effaçé des archives et de l’Hisoire

Severiano de Hérédia, Un maire noir de Paris Un Caribéen noir,...

[VÍDEO] Gilberto Gil compõe música para médica que o tratou

Mesmo após tantas internações e uma biópsia recente no...
spot_imgspot_img

Tony Tornado relembra a genialidade (e o gênio difícil) do amigo Tim Maia, homenageado pelo Prêmio da Música Brasileira

Na ausência do homenageado Tim Maia (1942-1998), ninguém melhor para representá-lo na festa do Prêmio da Música Brasileira — cuja edição 2024 acontece nesta quarta-feira (12),...

Violência contra territórios negros é tema de seminário com movimentos sociais em Salvador

Diante da escalada de violência que atinge comunidades negras e empobrecidas da capital e no interior da Bahia, movimentos sociais, entidades e territórios populares...

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...
-+=