Mulher branca se recusou a vender imóvel depois de descobrir que compradora era negra nos EUA

Caso aconteceu em maio no estado da Virgínia; dados mostram que racismo em mercado imobiliário americano é comum

Empoleirado em uma colina com vista para o Oceano Atlântico, o apartamento em Virginia Beach, nos Estados Unidos, era exatamente o que Raven Baxter queria. Tinha uma lareira de mármore, um saguão privativo e detalhes como molduras de coroa e lambris em seus três quartos e três banheiros.

Por US$ 749 mil, também estava dentro do seu orçamento. Ela ofereceu o preço pedido, que foi aceito, e enviou um pagamento inicial. E então, quando estava em processo de compra, seu corretor a ligou tarde da noite em 17 de maio, uma sexta-feira, com más notícias. A proprietária queria desistir do negócio.

Por quê? “Você podia ouvir o medo e a incredulidade em sua voz”, disse Baxter, lembrando o que seu corretor lhe disse em seguida. “Ele disse, ‘não sei como te dizer isso, mas ela não quer vender a casa para você, e é porque você é negra.'”

A proprietária, Jane Walker, 84 anos, é branca.

Walker não respondeu aos pedidos de comentário da reportagem. Bill Loftis, corretor de Baxter, disse: “Não temos comentários sobre isso, pois não podemos fazer nada para prejudicar a transação de nossos clientes.”

A situação se tornou pública algumas horas depois, quando Baxter, 30 anos, uma bióloga molecular e comunicadora científica que administra o site Dr. Raven the Science Maven, compartilhou o que aconteceu em uma postagem na plataforma social X. Sua exposição pública para 163.000 seguidores e outros chamou a atenção para o preconceito que continua a assolar a indústria imobiliária, e para as leis que supostamente proíbem a discriminação, mesmo enquanto Baxter tomava medidas para seguir em frente com a compra.

Duas leis federais — a Lei de Moradia Justa de 1968 e a muito mais antiga Lei de Direitos Civis de 1866 — tornam ilegal a discriminação tanto por parte dos vendedores de imóveis quanto de seus agentes imobiliários durante uma venda de imóvel.

Mas mais de 50 anos depois, a discriminação racial continua sendo um problema, dizem ativistas. Uma investigação secreta de vários anos realizada pela National Fair Housing Alliance, uma coalizão de organizações de moradia sem fins lucrativos com sede em Washington, descobriu que 87% dos agentes imobiliários participaram de direcionamento racial, optando por mostrar aos seus clientes casas apenas em bairros onde a maioria dos vizinhos era da mesma raça. Os agentes também se recusaram a trabalhar com compradores negros e mostraram a compradores negros e latinos menos casas do que a compradores brancos.

Seguindo a recomendação dos comentaristas em sua postagem nas redes sociais, Baxter apresentou uma denúncia de discriminação ao Escritório de Moradia Justa da Virgínia e ao Departamento de Moradia e Desenvolvimento Urbano dos EUA. Ela também entrou em contato com um advogado de direitos civis.

“Se eu não tivesse ido ao Twitter e recebido ajuda de pessoas que sabiam o que estavam fazendo, teria ficado em pânico o fim de semana inteiro”, disse Baxter. “Era a primeira vez que eu comprava uma casa. Eu sabia que meus direitos civis estavam sendo violados. Eu sabia que algo ilegal estava acontecendo, mas ninguém sabia o que fazer.”

Baxter, que trabalha remotamente para o hospital Mount Sinai em Nova York, atualmente divide um apartamento alugado em Alexandria, Virgínia, com seu namorado, Ronald Gamble Jr., 35 anos, um astrofísico. Após um divórcio há dois anos, ela estava ansiosa para possuir uma casa própria, e Gamble a encorajou a encontrar uma casa perto da praia, o que sempre foi um sonho dela. Ele prometeu dividir seu tempo entre a nova casa e Washington, D.C., onde trabalha na Nasa.

Baxter viu o anúncio do apartamento em Virginia Beach no início de maio, e entrou em contato com o agente, Wayne Miller, que se ofereceu para visitá-lo e fazer um tour pelo FaceTime.

Baxter manteve a câmera desligada enquanto Miller, que é branco, fez o tour pela casa com o agente de Jane Walker como um dos guias. O tour virtual foi o suficiente para Baxter fazer uma oferta.

“É uma casa clássica com muito caráter. É absolutamente linda e você pode ir a pé até a praia. Era um achado”, disse ela. “Basicamente fiz uma oferta sem ver.”

Duas semanas depois, com a venda da casa em processo e no mesmo dia de uma inspeção residencial, Baxter e Gamble fizeram a viagem de três horas até Virginia Beach para ver a casa pessoalmente pela primeira vez. Walker chegou quando o casal estava saindo, e a agente de Walker, Susan Pender da corretora Berkshire Hathaway RW Towne Realty, apresentou a proprietária à compradora.

Pouco depois de Baxter e Gamble saírem da casa, Walker informou à sua agente que não estava disposta a vender sua casa para uma pessoa negra e desejava cancelar a venda, de acordo com uma cronologia de eventos compilada por Miller e compartilhada com o New York Times por Baxter. Miller se recusou a comentar, e Pender não respondeu a múltiplos pedidos de comentário.

Mas o que se seguiu, de acordo com Baxter e Gamble e apoiado pela cronologia escrita de Miller, foi uma série de ações frenéticas por parte dos agentes imobiliários de ambos os lados focadas em salvar a transação.

A agente de Walker ligou para Miller para dizer que Walker queria desistir da venda da casa. Miller, por sua vez, ligou para Loftis, que é o corretor supervisor da 757 Realty, onde Miller é agente, para pedir orientação. Enquanto Baxter se preparava para dormir em um hotel em Virginia Beach naquela noite, ela recebeu a ligação de Loftis.

Ela colocou o telefone no viva-voz para que Gamble, que estava trabalhando em sua pesquisa no quarto do hotel no momento da ligação, pudesse ouvir a conversa.

“Eu meio que caí para trás na minha cadeira,” disse Gamble. “Eu não podia acreditar no que estava ouvindo. Bem depois do movimento pelos Direitos Civis, depois da COVID, depois de George Floyd, você pensaria que a sociedade não está mais pensando dessa forma. Mas em 2024, ainda estão.”

Horas depois, Loftis escreveu em um e-mail para Baxter. “Foi lamentável que a proprietária tenha trazido a questão da Raça [sic] para o processo,” ele escreveu. “Parece que os filhos da proprietária conseguiram fazê-la mudar de ideia. Embora tenha sido um problema lamentável, espero que sua compra esteja de volta aos trilhos.”

Em um e-mail, Jay Mitchell, um corretor supervisor na Berkshire Hathaway RW Towne Realty, escreveu que nenhuma das partes havia desistido da transação. “Como empresa, condenamos qualquer tipo de discriminação, independentemente da origem ou do alvo. Todos os nossos agentes e funcionários são totalmente treinados para estar cientes da discriminação em suas muitas formas,” ele disse. Ele se recusou a responder mais perguntas.

Pouco depois que o New York Times entrou em contato com Mitchell, Baxter recebeu um e-mail de Barbara Wolcott, CEO da Berkshire Hathaway RW Towne Realty.

“Diante das ações de nossa proprietária terrivelmente equivocada, sinto-me compelida a enviar-lhe este e-mail,” ela escreveu. “Por favor, tenha certeza de que a atitude desta pessoa não é tolerada pela Berkshire Hathaway RW Towne Realty, Susan Pender, ou qualquer pessoa dentro de nossa organização ou área.”

Ao ser contatada por telefone e perguntada de que forma a Berkshire Hathaway RW Towne Realty não estava tolerando as ações da proprietária, Wolcott disse, “Nós lidamos com isso. Tudo o que você precisa saber é que foi corrigido no dia seguinte,” e se recusou a responder mais perguntas.

A venda da casa de Baxter permanece marcada para ser concluída ainda neste verão. Mas mesmo que o negócio seja concluído, seus direitos sob a Lei de Justiça Habitacional ainda foram potencialmente violados, disse Brenda Castañeda, diretora adjunta de defesa da HOME of VA, uma organização sem fins lucrativos que ajuda os habitantes da Virgínia que acreditam ter sofrido discriminação habitacional.

Os corretores imobiliários são obrigados por lei a não discriminar, o que significa que devem informar os vendedores que insistem em agir com preconceito que não os representarão e se desvincularão de uma venda se o vendedor não ceder. Mas existem outras formas de discriminação que podem ocorrer.

“Não sei se você pode curar a discriminação apenas mudando de ideia e seguindo com o negócio,” disse Castañeda, acrescentando que as ações dos corretores imobiliários de ambos os lados também podem ser uma violação. “Pode haver danos experimentados por essa pessoa porque eles sofreram uma perda de seus direitos civis e o sofrimento de ter uma declaração discriminatória dita a eles.”

Ela acrescentou, “Baxter sofreu danos, quer a transação seja concluída ou não. Só queremos que isso seja um alerta para as pessoas.”

+ sobre o tema

Presidente do CRM-AP é denunciado por racismo contra médicos cubanos

MP diz que presidente expulsou médicos cubanos do auditório...

Mano Brown: “Não tolero mais ficar de cabeça baixa para a polícia”

Rapper se manifestou durante encontro promovido pela ONG Capão...

Comissão de igualdade racial – Nota de repúdio

A CIR - Comissão de igualdade racial da OAB...

para lembrar

Inter de Milão é multada em R$ 40 mil por racismo de torcedores

Mesmo sem a presença de Balotelli, torcida da Inter...

Nega explica porque o meme “nego” é racista

Vem cá, meu nego, é preciso entender que a...

Cotistas com mau desempenho poderão perder bolsa

Ministro estabelece critério para pagar benefício de R$ 400...
spot_imgspot_img

Ronilso Pacheco: Ninguém está seguro no Rio de Janeiro se é negro

A fala do governador Cláudio Castro (PL) em defesa de policiais que apontaram uma arma para três jovens filhos de diplomatas em Ipanema, região...

Justiça absolve policiais pela morte do adolescente João Pedro

A juíza Juliana Bessa Ferraz Krykhtine absolveu sumariamente os 3 policiais da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) pela morte do adolescente João Pedro, há 4 anos, em São Gonçalo....

Três meninos no portão

Em 2022, o Centro de Estudos de Segurança e Cidadania (CESeC) refez a pesquisa “Elemento suspeito”, feita pela primeira vez em 2003, com dados...
-+=