Mulher raspa cabeça da filha que fez bullying com colega com câncer

Uma mãe raspou o cabelo da própria filha após descobrir que a garota praticava bullying com uma colega da escola, que passava pelo tratamento de câncer e estava careca. Segundo o Jornal Metro a mulher realizou o feito à força. O vídeo circula na internet, mas não há informações de onde foi filmado.

Do Jornal de Brasilia

Nas imagens, que já têm mais de 10 milhões de visualizações, a mãe não se comove com o choro e os gritos desesperados da filha e raspa a cabeça da menina para ela “provar do seu próprio veneno”.

Os internautas, porém, ficaram divididos: será que a mãe tomou a atitude correta ou será que ela passou dos limites? Veja alguns comentários:

“Creio que a mãe pra ter tal atitude, deve ter presenciado o acontecido ou mesmo já ter notado o comportamento dela perante tal situação, e deve ter sido a gota d’água e quis mostrar a ela como é bom ser zoada ou ridicularizada pelas pessoas, e no caso da menina com câncer que não pode fazer nada, só ouvir a maldade. Se vejo em minha filha tal comportamento de desprezo pelo sofrimento humano, eu faria o mesmo!”.

“Eu tenho uma filha que teve câncer! E muitas crianças, principalmente na escola, riam dela por ela ter ficado careca, eu explicava pra ela que as pessoas tem dificuldade de aceitar o que é diferente, mas não acho certo o que essa “mãe” fez. Uma boa conversa e uns puxões de orelha já bastava!”.

+ sobre o tema

Fim do feminicídio está associado a mudança cultural, dizem participantes de audiência

Mudanças socioculturais são necessárias para acabar com a violência...

Vitória em Goiás, derrota em São Paulo: “resoluções” de casos de estupro

Universidade Federal de Goiás demite professor acusado de estupro,...

Violência de gênero é tema de debate gratuito no Campo Limpo, em São Paulo

No dia 11 de setembro, terça-feira, o Usina de Valores e...

Lugar mais perigoso para mulheres é a própria casa, diz ONU

Segundo o relatório, assassinatos cometidos por parceiros ou familiares...

para lembrar

Nudez e pedofilia: onde está o real problema?

Incentivamos uma relação com a sexualidade desigual e potencialmente...

Quem são as vítimas “invisíveis” dos estupros no Brasil?

Estimativa é que apenas 10% de quem sofre com...

Médica alerta para estupro de meninas silenciado por familiares

Especialista do Ministério da Saúde alerta que falta integração...

Mutilação genital afeta 200 milhões de mulheres no mundo, diz ONU

Prática é considerada violação flagrante aos direitos humanos Do O...
spot_imgspot_img

Coisa de mulherzinha

Uma sensação crescente de indignação sobre o significado de ser mulher num país como o nosso tomou conta de mim ao longo de março. No chamado "mês...

A Justiça tem nome de mulher?

Dez anos. Uma década. Esse foi o tempo que Ana Paula Oliveira esperou para testemunhar o julgamento sobre o assassinato de seu filho, o jovem Johnatha...

Dois terços das mulheres assassinadas com armas de fogo são negras

São negras 68,3% das mulheres assassinadas com armas de fogo no Brasil, segundo a pesquisa O Papel da Arma de Fogo na Violência Contra...
-+=