quarta-feira, agosto 10, 2022
InícioQuestões de GêneroMulher NegraMulheres afrodescendentes apostam no empreendedorismo para abrir o próprio negócio

Mulheres afrodescendentes apostam no empreendedorismo para abrir o próprio negócio

Lecy Figueiredo Martins, 47 anos, não desiste do sonho de ter uma loja de vendas de confecções. Ela é uma das trinta mulheres que participam da capacitação sobre noções básicas de empreendedorismo. A qualificação é um projeto de Governo do Estado, coordenado pela Secretaria de Estado do Trabalho e Empreendedorismo (Sete), em parceria com a Secretaria Extraordinária de Políticas Afrodescendentes (Seafro) e o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) no Amapá. O curso encerra hoje, 20.

Do J Dia

O treinamento vai ajudar Lecy e as outras mulheres a conhecerem melhor a dinâmica e os passos que devem ser seguidos para ter sucesso nos negócios. “Quero oferecer aos meus clientes produtos de qualidade e ainda vendê-los em horários diferenciados do habitual. Tem gente que só tem tempo para comprar no horário de almoço, então minha loja vai estar aberta”, aposta a amapaense, moradora do Loteamento Sol Nascente, na zona norte de Macapá. A proposta é despertar nas mulheres a vocação para o empreendedorismo. As que apresentarem melhor desempenho no decorrer do treinamento serão contempladas com a construção de um plano de negócios e financiamento da Agência de Fomento do Amapá (Afap).

 

Greicy Kelly Silva da Silva, moradora do bairro Buritizal, é outra entusiasta. Sem medo de desafios, ela tem planos de trabalhar com a venda de alimentos ou continuar a profissão de cabelereira, agora com a abertura do próprio salão.

 

“Quando deixamos de sonhar, perdemos o encanto pela vida. Eu tenho um sonho e estou correndo atrás para que se torne uma realidade. Acho importante esse tipo de incentivo do Governo do Estado para as mulheres, principalmente negras. Ainda sofremos discriminação, mas isso não deve ser visto como obstáculo. Temos capacidade para driblar o preconceito e mostrarmos que temos potencial para empreender”, disse.

Mãe de um bebê de dois meses, Marina Sthefane da Costa Paula fez questão de participar do curso. O desejo é colocar em funcionamento máquinas de estampa de camisas e sandálias com a abertura de uma pequena empresa. “Vim busca o conhecimento básico sobre empreendedorismo. Sem isso, as chances de um negócio prosperar são bem pequenas. Minha madrinha comprou o maquinário e quero tocar o negócio em frente”, destacou.

 

A demanda do curso de Mulheres Negras Empreendedoras foi apresentada à Sete pela Seafro. O público-alvo já possui um pequeno negócio ou tem interesse em iniciar um projeto. O curso é gratuito e ocorre no horário das 14h às 18h, no auditório da Sete, na avenida 1º de Maio, esquina com a rua Leopoldo Machado, bairro do Trem.

 

“Seguindo orientação do governador Waldez Góes, estamos de portas abertas para receber as demandas de outras secretarias e de instituições públicas e privadas. Temos um cronograma de qualificação até o fim de 2015 dentro de nosso Plano de Ação. Em julho, qualificamos 100 mulheres encaminhadas pelo Juizado de Violência Doméstica e Familiar de Macapá. Já temos pedidos de demandas para 2016 de outros segmentos”, adiantou a secretária de Trabalho e Empreendedorismo, Marciane Santo.

 

De acordo com o anuário do Sebrae Amapá, existem 13.388 mulheres empreendedoras individuais no Estado. É o segundo maior índice da região Norte. O primeiro colocado foi o Estado do Pará, com 32.350 empreendedoras. No encerramento do curso serão entregues certificados de conclusão às mulheres participantes do treinamento.

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench