Mulheres dão mais importância ao trabalho do que os homens, diz estudo

Para ambos, família é prioridade, mas vida profissional ganha mais peso entre elas

Fonte: Minha Vida 

Um estudo realizado pela Faculdade de Economia da USP, em São Paulo, constatou que as mulheres dão mais valor ao trabalho do que ao casamento, isso em comparação aos homens. Foram entrevistadas 304 pessoas, 145 homens e 159 mulheres e a resposta dos participantes foi que, sim, a família está em primeiro lugar, mas elas querem ser mais do que esposas, também querem ser profissionais bem sucedidas.

Os 304 voluntários observados durante o estudo foram submetidos a um questionário que abrangia quatro áreas sobre o significado do trabalho: a relevância do trabalho na vida com relação à família, lazer, comunidade e religião; o que a sociedade cobra da pessoa (que trabalhe, que economize, por exemplo); o que a pessoa exige da sociedade (boa educação e boas condições de trabalho); e, por último, os objetivos e resultados que as pessoas esperam do trabalho (renda, status, relacionamento interpessoal, trabalho interessante, autonomia).

Pelas respostas do questionário, foi possível fazer relações entre outras características dos entrevistados, tais como: religiosidade, gênero e estado civil.

Segundo o estudo, as mulheres dão mais peso ao trabalho do que os homens e se dedicam mais para conseguir seu espaço. Os pesquisadores observaram ainda que elas dão maior importância para aprender coisas novas, ter autonomia e para fazer contatos interessantes.

Enquanto eles, afirmaram valorizar mais o ambiente físico, o relacionamento interpessoal, que o trabalho seja interessante e que recebam um bom salário. Com relação à centralidade do trabalho, a ordem de importância para elas é a seguinte: família (55%), trabalho (29%), lazer (12%), religião (3%) e comunidade (1%). Já para os homens, a ordem de importância foi a mesma, mas com porcentagens diferentes: família (53%), trabalho (21%), lazer (19%), religião (5%) e comunidade (2%).


Matéria original

+ sobre o tema

A questão racial nas empresas

Executivos negros: Racismo e diversidade no mundo empresarial |...

Caravana da Mulher chega ao Alto Dois Carneiros

A sexta edição da Caravana da Mulher, realizada no...

Por que a diversidade faz bem para os negócios, para nós e para o futuro

No início de março, aconteceu em Austin, no Texas,...

Mulheres do PT debatem feminismo, políticas e construção partidária

Cerca de 700 delegadas de todo o Brasil reuniram-se...

para lembrar

Um ano de retrocessos, mas também de empoderamento

E discussão dos direitos humanos Por NATALIE GARCIA, do DM Fim de...

Mesmo que as correntes sejam diferentes, somos todas prisioneiras

Por Ana Carolina Bartolamei Ramos e Fernanda Orsomarzo Do Justificando Não...

Estupros disparam nos EUA por cultura do futebol americano

A cultura de futebol americano universitário está causando centenas...
spot_imgspot_img

Educação (não) é mais importante atualmente?

Esperança reflete um dos principais motivos que moveram milhares de retirantes e moradores de regiões rurais para áreas urbanas ao longo do século 20....

Brancos recebem 61,4% a mais do que negros por hora de trabalho no Brasil

Brancos receberam em média R$ 20 por hora de trabalho no Brasil em 2022, quantia 61,4% maior do que a de pretos ou pardos (R$ 12,4)....

Festival gratuito em SP terá simpósio sobre direitos econômicos para mulheres negras e shows de Ellen Oléria e Ilú Obá De Min

O Fundo Agbara, primeiro Fundo Filantrópico para Mulheres Negras do Brasil, realiza, no dia 24 de novembro, a partir das 13h, a 3ª edição...
-+=