Em Porto Alegre, feministas, homossexuais e políticos protestam contra a presença do presidente do Irã no Brasil. RFS defende o estado laico e os direitos das mulheres

A Rede Feminista de Saúde esteve entre as organizações promotoras do ato público chamado pelo Movimento de Justiça e Direitos Humanos do Rio Grande do Sul contra a presença do presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, realizado às 12 horas de hoje,23/11, na Esquina Democrática, ponto central de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, e palco histórico de manifestações populares.

Fonte: Lista Racial –
O protesto acusou o governo iraniano de manter impunes assassinatos de mulheres e manter a prática da lapidação de esposas consideradas infiéis, a valoração pela metade da voz feminina em tribunais, a perseguição a homossexuais e minorias religiosas. O centro da defesa das entidades foi a necessidade de estados laicos e democráticos, que respeitem os direitos humanos. O ato reuniu ainda Themis – Assessoria Jurídica e Estudos de Gênero, Nuances – Grupo Pela Livre Expressão Sexual, Organização Sionista do Rio Grande do Sul, representantes da Câmara Municipal e Igualdade – Associação de Travestis e Transexuais do RS.
Quando de sua manifestação, a secretária executiva da RFS, Telia Negrão, (foto) se reportou aos marcos legais dos direitos humanos desde 1948 e agregou ao seu pensamento a III Conferência Mundial contra o Racismo, a Discriminação Racial, a Xenofobia e as Formas Conexas de Intolerância organizada pelas Nações Unidas como uma referência fundamental às minorias vítimas de discriminação e intolerância. A dirigente da Rede defendeu, ainda, com muita ênfase o direito humano de todas as mulheres, o estado laico, e que o Brasil, como país democrático, não pode compactuar com a persistência de “todas as formas cruéis de violência e discriminações a todas as mulheres, brancas, negras e indígenas”.

+ sobre o tema

Um sabão que diz que branqueia a pele só enaltece o racismo

POR QUE O DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA TEM RAZÃO...

Lia Zanotta Machado: O conceito de “mulher de família” é prejudicial

Pesquisadora comenta que, na base da cultura do estupro,...

A resignação papal e o equívoco de nominar um partido de rede – Por Fátima Oliveira

CONCEITO É OPOSTO AO DOS PARTIDOS; A INTENÇÃO É...

Travestis e trans de São Paulo receberão bolsa qualificação

Benefício será de um salário mínimo mensal. Além do...

para lembrar

Mulher, imigrante e explorada: estudo retrata trabalho doméstico nos EUA

Porta de entrada da economia americana para muitos imigrantes,...

Feminismo e as cortinas a serem despidas

“Quando eu não fazia ideia do que era o...

Mulheres abrem mão de carreira por causa de maridos, não de filhos, diz estudo

Christine Lagarde é diretora do FMI (Fundo Monetário Internacional);...

O desserviço da ‘cultura das princesas’

A existência de uma Escola de Princesas mostra como...
spot_imgspot_img

Brasil registra um crime de estupro a cada seis minutos em 2023

O Brasil registrou um crime de estupro a cada seis minutos em 2023. Com um total de 83.988 casos de estupros e estupros de...

Mortalidade materna de mulheres pretas é o dobro de brancas e pardas, diz estudo

Mulheres pretas têm quase duas vezes mais risco de morrer durante o parto ou no puerpério que mulheres pardas e brancas, segundo um estudo da Unicamp (Universidade Estadual...

Plataforma Mães Negras debate impactos do peso na vida profissional

A Plataforma Mães Negras do Brasil, startup (empresa emergente) de impacto social, cujo objetivo é a promoção do desenvolvimento socioeconômico de mães negras, promove nesta quarta-feira...
-+=