Mulheres em tempos de pandemia: os agravantes de desigualdades, os catalisadores de mudanças

A chegada do coronavírus tem trazido uma transformação completa da forma como vivemos, nos relacionamos e trabalhamos. Os dados mudam a cada hora e estamos todas e todos sem muitas respostas para a maioria das questões que se apresentam. Todos serão impactados direta e indiretamente pela pandemia. No entanto, mesmo em meio ao desconhecimento do que está por vir, uma coisa já está clara: o abalo sentido pelos grupos mais vulneráveis, especialmente as mulheres, será maior, mais profundo, mais complexo e certamente mais duradouro.

Da Think Olga

A Think Olga e a Think Eva existem para criar impacto positivo na vida das mulheres por meio de soluções inovadoras. Para alcançar este objetivo, nos dedicamos a conhecer a fundo a realidade de um problema para poder enfrentá-lo de forma efetiva e oferecer possíveis respostas. Este é o objetivo deste relatório: servir de radar, trazer informações de qualidade relevantes à perspectiva de gênero sobre a atual crise mundial, provocada pela COVID-19. Reunimos os problemas centrais -Violência, Saúde e Economia e Trabalho-, que, no contexto atual de crise, necessitam da nossa total atenção.

Segundo o documento “Gênero e Covid-19 na América Latina e no Caribe: Dimensões de Gênero na resposta”, publicado pela ONU Mulheres no dia 20 de março, “enfrentar uma quarentena é um desafio para todos, mas para mulheres em situação de vulnerabilidade pode ser trágico. No Brasil, onde a população feminina sofre violência a cada quatro minutos e em que 43% dos casos acontecem dentro de casa, essa preocupação é real”.

Mais de 13 milhões de pessoas no Brasil sobrevivem abaixo da linha da pobreza, com uma renda média de até 145 reais mensais. Entre essas pessoas, uma grande maioria é composta por mulheres, negras, mães, chefes de família que sustentam seus lares sozinhas. Pensar em populações mais atingidas por uma crise sanitária e econômica, portanto, é pensar em mulheres negras e de baixa renda. É pensar em mães solo. É pensar em trabalhadoras domésticas e enfermeiras, que neste momento, são a linha de frente de cuidado -com os outros- e de enfrentamento da pandemia.

Este relatório busca ser uma ferramenta para que você conheça as consequências da pandemia na vida das mulheres, hoje e no longo-prazo. Mas, acima de tudo, acreditamos que, ao trazer a dimensão do problema com informação de qualidade, podemos também pensar e propor soluções para preservar os direitos e a vida das mulheres no futuro próximo.

A PANDEMIA PELAS LENTES DE GÊNERO
Para compreender os impactos do COVID-19 na vida das mulheres, o que norteia a nossa análise é a Declaração e Plataforma de Ação de Pequim, principal marco na promoção dos direitos das mulheres, elaborado em 1995, durante a IV Conferência mundial sobre a mulher em Pequim, China. O evento ainda é o mais importante momento na conquista dos direitos das mulheres no mundo: pelo número de participantes que reuniu, pelos avanços conceituais e programáticos que propiciou, e pela influência que continua a ter na promoção da situação da mulher. Por exemplo, tanto a afirmação de que os direitos das mulheres são direitos humanos, quanto o objetivo de empoderamento da mulher, provêm deste encontro. Ali, foi feito um acordo adotado por 189 governos comprometidos com a promoção da igualdade de gênero. E este documento traz as 12 áreas fundamentais de trabalho para uma atuação efetiva pelos direitos das mulheres.

Em 2020, a Declaração de Pequim completa 25 anos, mas ainda estamos longe de alcançar as metas estabelecidas. Durante a 64ª Sessão da Comissão da ONU sobre a Situação das Mulheres, o maior evento anual sobre igualdade de gênero e empoderamento das mulheres, realizada na sede das Nações Unidas, a diretora-executiva da ONU Mulheres, Phumzile Mlambo-Ngcuka demonstrou a preocupação com os avanços pela equidade de gênero: “25 anos depois de Pequim, todas e todos reconhecemos que o progresso em relação aos direitos das mulheres não foi longe nem rápido o suficiente”.

Estamos tratando de problemas antigos, mas que, com um cenário de pandemia traz uma série de agravantes para a situação das mulheres. Neste contexto, analisar os efeitos da COVID-19 pelas lentes da Declaração de Pequim, um documento que norteia a agenda da promoção dos direitos das mulheres, é a melhor forma de compreender o quanto esta pandemia afetará mulheres em várias áreas, desacelerando os avanços tão urgentes para a equidade de gênero.

Porque, assim como a subsecretária-geral da ONU e diretora-executiva da ONU Mulheres, Phumzile Mlambo-Ngcuka, acreditamos que em grande crises surgem também oportunidades raras de governos, empresas e sociedade civil botarem a mão na massa. Um momento de, não apenas mitigar os riscos que o novo vírus traz, mas também de consolidar redes de apoio e colocar em prática a visão solidária e de equidade que há décadas tentamos construir para as mulheres.


Há espaço não apenas para resistência, mas recuperação e crescimento. Peço aos governos e a todos os outros prestadores e prestadoras de serviços, incluindo o setor privado, que aproveitem a oportunidade para planejar sua resposta à COVID-19 como nunca fizeram antes – e que levem em consideração a perspectiva de gênero, construindo proativamente conhecimentos de gênero em equipes de resposta
— Phumzile Mlambo-Ngcuka, diretora executiva da ONU Mulheres

PARA ESTE RELATÓRIO, LISTAMOS AS 3 PRINCIPAIS ÁREAS CORRELACIONADAS COM A CRISE SANITÁRIA E ECONÔMICA ATUAL, E O AUMENTO DA VIOLÊNCIA DECORRENTE DESTE CENÁRIO:

EIXO 1: Violência contra a mulher

EIXO 2: Mulher, trabalho e economia

EIXO 3: Mulher e saúde

 

 


Leia Também: 

Geledés no Enfrentamento ao Coronavírus – PLPs em Ação!

+ sobre o tema

Futura ministra diz que aborto é questão para o Legislativo

BRASÍLIA - A futura ministra da Secretaria de Políticas...

‘Sexo frágil’ – será?

Para início de conversa esse rótulo está ultrapassado. Em...

BA empossa 1ª transexual no serviço público do Estado

O transexual Paulo César dos Santos, de 25 anos,...

Índias levam bandeiras feministas às aldeias e assumem dianteira do movimento

Nascidas em aldeias indígenas no Acre, Letícia Yawanawá, 49...

para lembrar

Nota de preocupação e repúdio

Carta Aberta à Drª Gilda Carvalho Ministério Público Federal NOTA DE...

Das 55 redações com nota mil no Enem 2018, 42 foram escritas por mulheres

Dados com o perfil dos candidatos e candidatas foram...

Sexo e gênero e a boçalidade eleita

"ANTES DA TRANSFORMAÇÃO DE UM HOMEM OU DE UMA...
spot_imgspot_img

População de rua no Brasil cresceu quase 10 vezes na última década, aponta Ipea

A população em situação de rua no Brasil aumentou 935,31% nos últimos dez anos, segundo levantamento do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) com base em...

Saúde mental dos idosos ainda sofre os impactos da pandemia

Após anos de enfrentamento da pandemia da Covid-19, torna-se evidente que os idosos estão entre os grupos mais afetados em termos de saúde mental. A melhoria das...

Nova ferramenta fortalece a valorização das ONGs no Brasil

Já faz muito tempo que as entidades sem fins lucrativos vêm ganhando relevância entre os protagonistas que conduzem o destino do nosso país. Entretanto, foi a...
-+=