Mulheres na ditadura: Sem adjetivos

BRASÍLIA – “Eu sabia que estava com um cheiro de suor, de sangue, de leite azedo. Ele [delegado Fleury] ria, zombava do cheiro horrível e mexia em seu sexo por cima da calça com olhar de louco.” De Rose Nogueira, jornalista em São Paulo. Da ALN, foi presa em 1969, semanas depois de dar à luz.

Por: ELIANE CANTANHÊDE

“No quinto dia, depois de muito choque, pau de arara, ameaça de estupro e insultos, abortei. Quando melhorei, voltaram a me torturar.”

De Izabel Fávero, professora de administração em Recife. Da VAR-Palmares, foi presa em 1970.

“Eu passei muito mal, comecei a vomitar, gritar. O torturador perguntou: “Como está?”. E o médico: “Tá mais ou menos, mas aguenta”. E eles desceram comigo de novo.”

De Dulce Chaves Pandolfi, professora da FGV-Rio. Da ALN, foi presa em 1970 e serviu de “cobaia” para aulas de tortura.

“Eu não conseguia ficar em pé nem sentada. As baratas começaram a me roer. Só pude tirar o sutiã e tapar a boca e os ouvidos.”

De Hecilda Fontelles Veiga, professora da Universidade Federal do Pará. Da AP, foi presa em 1971, no quinto mês de gravidez.

“Eu era jogada, nua e encapuzada, como se fosse uma peteca, de mão em mão. Com os tapas e choques elétricos, perdi dentes e todas as minhas obturações.”
De Marise Egger-Moellwald, socióloga, mora em São Paulo. Do então PCB, foi presa em 1975. Ainda amamentava seu filho. “Eu estava arrebentada, o torturador me tirou do pau de arara. Não me aguentava em pé, caí no chão.

Nesse momento, fui estuprada.”

De Gilze Cosenza, assistente social aposentada de Belo Horizonte. Da AP, foi presa em 1969. Sua filha tinha quatro meses.
Trechos de 27 depoimentos de sobreviventes, intercalados às histórias de 45 mortas e desaparecidas no livro “Luta, Substantivo Feminino”, da série “Direito à Verdade e à Memória”. Será lançado na PUC-SP hoje, a seis dias do 31 de março.

 

 

Fonte: Folha de S.Paulo

 

+ sobre o tema

A marca da desigualdade, por César Felício

Uma análise aleatória das eleições nos mais variados países...

Chimamanda Ngozi Adichie: Não silencie essa voz

Tradução do discurso de Chimamanda Ngozi Adichie, escritora nigeriana, na...

‘Não fazia sentido esconder quem eu amo e respeito’, diz prefeito de Lins

Edgar de Souza assumiu homossexualidade na campanha de 2012. Ele...

Gravidez ectópica: o que é essa condição e quais mulheres correm mais risco

Uma gravidez ectópica acontece quando o óvulo fecundado se...

para lembrar

Debret, racismo e o estereótipo de princesas se conectam nas curvas do sexismo

A velocidade da informação que circula nas redes sociais...

O que fazer diante do racismo?

Quatro mulheres que já tiveram que lidar – e...

Preta Ferreira é premiada no Festival de Gramado. ‘Tentaram me silenciar, voltei gritando’

A publicitária e “artivista” Janice Ferreira da Silva, a...

Pela estrada afora

Viajar sozinha pode ser uma deliciosa aventura, uma ponte...
spot_imgspot_img

Proposta cria cadastro de condenados por violência contra a mulher; Câmara aprova urgência

A Câmara dos Deputados aprovou, na segunda-feira (27), a tramitação em regime de urgência do projeto de lei que cria o Cadastro Nacional de...

ONGs LGBTQIA+ enfrentam perseguição e violência política no Brasil, diz relatório

ONGs de apoio à causa LGBTQIA+ enfrentam perseguição e violência política para realizar seu trabalho no Brasil, mostra um relatório produzido pela Abong (Organizações Brasileira de ONGs) em...

Menstruação segura ainda é desafio no Brasil, indica Unicef

Uma enquete do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), concluiu “que o direito de menstruar de maneira digna, segura e com acesso...
-+=