Mulheres são maioria entre empregados de fundações privadas, mas ganham menos

As mulheres representavam 62,9% do pessoal assalariado das fundações privadas e associações sem fins lucrativos no Brasil em 2010. No Sul, esse percentual chegava a 67,6% do total de ocupados e no Norte, 55,2%. Apesar disso, as mulheres ganhavam um salário mínimo a menos que os homens. Os dados fazem parte do Perfil das Fundações Privadas e Associações sem Fins Lucrativos em 2010 divulgado nesta quarta-feira (5/12) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Flávia Villela – Agência Brasil

Nas áreas de saúde e da assistência social, a população feminina chegava a 73,7% e 71,7% do total respectivamente. A presença masculina era maior apenas nas entidades voltadas para esportes e recreação (66,8% do total de empregados). Eles também estavam mais presentes nas associações de produtores rurais e de moradores e nas entidades de desenvolvimento rural. Em 2010, as fundações privadas e associações sem fins lucrativos empregaram 2,1 milhões de pessoas no Brasil.

Além de não terem fins lucrativos e serem privadas, associações e fundações devem ser também legalmente constituídas, auto-administradas e voluntárias. Por esse motivo, algumas associações ou fundações como partidos políticos e sindicatos, conselhos, fundos e consórcios municipais, condomínios não se enquadram nessa categoria.

Mais da metade desses trabalhadores (58,1%) encontravam-se na Região Sudeste, onde está situada a maioria dessas entidades. Cerca de 35% trabalhavam em São Paulo. A pesquisa aponta também que o grupo de entidades de educação e pesquisa, embora represente apenas 6,1% do total, empregava 26,4% do total de trabalhadores dessas fundações e associações, sobretudo, na área de educação superior. O motivo, segundo a pesquisa, é o fato de que 1,4 mil universidades ou faculdades (0,5% do total das entidades pesquisadas) empregavam mais de 165 mil pessoas (7,8% do total de trabalhadores). Na área de saúde, as 6 mil entidades tinham mais de 574 mil trabalhadores.

Cerca de 33% dos assalariados dessas entidades tinham nível superior em 2010 e essa participação era constante em todas as grandes regiões do país. O percentual era bem maior que o registrado nas empresas e demais organizações formais ativas (16,6%). Ainda segundo o estudo, as menores taxas de ocupações estão no Norte e Nordeste e se devem à presença proporcionalmente mais forte de entidades de defesa de direitos e interesses dos cidadãos, que estão entre as entidades que menos empregam.

Fonte: Agência Brasil

+ sobre o tema

Fim de semana violento com 21 assassinatos em Salvador

Por: Flávio Costa       Mais um...

Conheça os malefícios de tomar banho com esponjas

Kate Bratskeir Aquela bucha esponjosa que você usa para se...

O polo naval e as comunidades tradicionais do rio Amazonas

A floresta, margeada pelo imponente rio Amazonas, parece inabitada....

Aula de direitos humanos na escola seria alternativa à redução da maioridade

Prefeitura de SP planeja incluir ensino de direitos humanos...

para lembrar

Falta de higiene bucal pode afetar fertilidade feminina

Mulheres com problemas bucais demoram dois meses a mais...

Anistia Internacional lança campanha Escreva por Direitos, no Rio

A organização não governamental (ONG) Anistia Internacional Brasil lançou...

Secretarias se unem para atuar em atenção à saúde da mulher

A Secretaria Estadual da Mulher (SecMulher) e a Secretaria...
spot_imgspot_img

NOTA PÚBLICA | Em repúdio ao PL 1904/24, ao equiparar aborto a homicídio

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns vem a público manifestar a sua profunda indignação com a...

Nota pública do CONANDA contrária ao Projeto de Lei 1904/2024

O Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente – CONANDA, instância máxima de formulação, deliberação e controle das polícas públicas para a...

Marcelo Paixão, economista e painelista de Geledés, é entrevistado pelo Valor

Nesta segunda-feira, 10, o jornal Valor Econômico, em seu caderno especial G-20, publicou entrevista com Marcelo Paixão, economista e professor doutor da Universidade do...
-+=