Mulheres são vítimas de 97% dos crimes de violência doméstica em Manaus

Foram 24,5 mil queixas entre situações de lesão corporal, difamação, violação de domicílio e outros tipos de ocorrência

no A Crítica

Débora Mafra, titular da Delegacia Especializada em Crimes Contra a Mulher (Foto- Divulgação:PCAM)

No ano passado, Manaus registrou 25,3 mil casos de violência doméstica. A maioria desses crimes teve mulheres como vítimas. Elas responderam por 96,9% dos casos que chegaram aos Distritos Integrados de Polícia Civil. Foram 24,5 mil queixas entre situações de lesão corporal, difamação, violação de domicílio e outros tipos de ocorrência.

Os dados são da Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM). Enquanto a polícia recebeu 24.553 casos de violência doméstica tendo mulheres como vítimas, os homens registraram 775 casos ao longo de todo o ano passado. Em comum, ambos os gêneros sofrem majoritariamente com ameaça, injúria e lesão corporal. O levantamento engloba mais de 20 tipos de crimes sofridos no ambiente doméstico.

A predominância da violência contra a mulher tem origem histórica, na avaliação da delegada Débora Mafra, titular da Delegacia Especializada em Crimes Contra a Mulher (DECCM). Os agressores, na maioria quase absoluta dos casos, são homens, ressalta a policial.

“O agressor subjuga e violenta a mulher querendo demonstrar poder e dominação. Tendo origem na desigualdade física, social, histórica e cultural entre homens e mulheres, elas são submetidas à violência de um agressor pelo machismo histórico”, explica Mafra.

Proteção

Criada em 2006, a Lei 11.340, a chamada Lei Maria da Penha, é considerada um marco divisor no combate à violência contra a mulher por estabelecer a criação de uma ampla rede de proteção e acolhimento às vítimas.

No Amazonas, o trabalho envolve a Polícia Civil, com duas delegacias especializadas, e o programa Ronda Maria da Penha, que é desenvolvido pela Polícia Militar visando a segurança das mulheres que possuem medida protetiva.

“A lei trouxe diversas políticas públicas que amparam a mulher, como a casa abrigo, lugar para a mulher que está em situação de risco ficar em segurança. No Amazonas, temos o Alerta Mulher, aplicativo idealizado pela Sejusc (Secretaria de Estado de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania) para que as vítimas sejam georeferenciadas e possam chamar a Polícia Militar caso o agressor esteja perto dela”, disse Débora Mafra.

Crescimento

Até junho deste ano, o número de casos de violência doméstica especificamente contra mulheres cresceu 11% na comparação com igual período do ano passado. Foram 13 mil registros. Apesar do número elevado, as autoridades destacam que o acionamento da polícia representa conseguir quebrar um ciclo de violência vivenciada, às vezes, por décadas.

“Geralmente a violência doméstica contra as mulheres está relacionada à relação íntima de afeto, com quem tem ou teve este relacionamento. Existe ainda, infelizmente, muita subnotificação da violência doméstica. Alguns entraves fazem com que elas não denunciem, como vergonha de expor a intimidade, dependência financeira, emocional e a crença de que o parceiro vai mudar”, pontua a delegada da Mulher.

Rede de proteção

Outras estruturas importantes de proteção às mulheres, no Amazonas, são o Serviço Assistencial e Psicológico Emergencial às Vítimas de Violência (Sapem) e o Centro de Referência de Amparo à Mulher (Cream), da Sejusc.

Para denúncias, a população e as vítimas podem se dirigir a qualquer delegacia na capital e interior. Manaus possui duas unidades da DECCM. No Parque Dez, a delegacia fica na avenida Mário Ypiranga Monteiro (antiga Recife). No bairro Cidade de Deus, a unidade está na avenida Nossa Senhora da Conceição, atrás do 13º DIP. As duas delegacias funcionam 24 horas por dia.

É possível também acionar socorro pelo 190, no momento da violência, ou denunciar casos através do 181, o Disque-Denúncia da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM). “As denúncias são para coibir e punir os crimes. Com elas, a delegacia consegue chegar às vítimas e aos agressores”, disse Mafra.

Juntas, aplicativo de Enfrentamento a Violência contra Mulher - Clique na imagem e acesse o aplicativo JUNTAS
Juntas, aplicativo de Enfrentamento a Violência contra Mulher – Clique na imagem e acesse o aplicativo JUNTAS

+ sobre o tema

‘Meu filho que salvou’, diz mulher que ficou em cárcere privado no RS

Homem invadiu casa da ex-companheira e a rendeu na...

Denúncias de violência contra a mulher no Ligue 180 aumentam 60% após campanha

Brasília – A ministra da Secretaria de Políticas para as...

Angola: Profissionais devem acompanhar vítimas de violência doméstica

Luanda - Os profissionais de saúde enquadrados nas diferentes...

Fundo Fale sem medo premia 31 organizações

O XIX edital selecionou 31 organizações de 13 estados...

para lembrar

Violência contra mulher: mais da metade dos estados não repassou dados

Dezoito estados e o Distrito Federal (DF) não forneceram...

Em Minas Gerais, tornozeleira eletrônica evita que homem volte a atacar mulher

Cintia Sasse A Lei Maria da Penha é admirável não...

Carta do FMDF ao STJ – Pela LEI MARIA DA PENHA

DO FÓRUM DE MULHERES DO DISTRITO FEDERAL AO SUPERIOR TRIBUNAL...
spot_imgspot_img

13 leis sobre proteção à mulher que precisam ser efetivadas em 2024

Se é verdade que, no Brasil, o novo ano só começa depois do Carnaval, ainda é tempo de realizar uma retrospectiva, para divulgar leis...

Quase 23 mil medidas protetivas foram dadas a mulheres vítimas de violência, em 2023; Botão do Pânico foi acionado 91 vezes

Para se protegerem de violências domésticas, as mulheres costumam receber medidas protetivas e, em caso do agressor ser monitorado por tornozeleira eletrônica, utilizarem o...

Projeto permite que mulheres chequem antecedentes criminais de parceiros

Um projeto de lei que tramita na Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) quer permitir que mulheres tenham acesso aos antecedentes criminais de seus parceiros. O texto,...
-+=