Mulheres têm cada vez menos filhos e escolhem pela maternidade tardia, aponta IBGE

Pesquisa divulgada nesta quarta-feira (31) aponta que houve aumento de nascimentos no grupo de mulheres com mais de 30 anos.

Por Andréa Martinelli, do HuffPost Brasil

As mulheres brasileiras têm cada vez menos filhos e escolhem cada vez mais pela maternidade tardia, entre os 30 e 39 anos. Este é um dos dados apontados pela pesquisa “Estatísticas do Registro Civil 2017”, divulgada nesta quarta-feira (31), pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia Estatística), que confirma uma constante na sociedade brasileira. Desde 2013, o instituto aponta que, a cada ano, cresce o número de mulheres que contemplam este perfil no País.

O total de nascimentos cujas mães possuíam menos de 30 anos caiu de 74,3% para 64,9%, entre 2016 e 2017. Segundo a pesquisa, a taxa de fecundidade entre as mulheres mais jovens vem caindo expressivamente nos últimos 10 anos. Entre 2007 e 2017, a proporção dos filhos de mães que tinham até 19 anos de idade passou de 20,22%, em 2007, para 15,95%, em 2017.

REPRODUÇÃO/IBGE
Gráfico do IBGE mostra a proporção de nascimentos segundo a idade da mãe, comparando os anos de 2007 e 2017.

No mesmo período analisado, o grupo de mulheres que deram à luz entre 20 a 29 anos diminuíram. De 54,1%, abaixou para 48,98%. Já no grupo de mulheres de 30 a 39 anos, houve crescimento. Antes somavam-se 23,4% e, com os dados atuais, contabilizam-se 32,2%. Na faixa de mulheres com 40 anos ou mais, o percentual de nascimentos avançou de 2,2% para 2,9%.

Este dado é uma crescente na sociedade brasileira. Em 2005 a mesma pesquisa apontou que 30,9% das mulheres que deram à luz no Brasil tinham entre 20 e 24 anos. Já em 2015, dez anos depois, o percentual nessa faixa etária caiu para 25,1%.

Além disso, foi observado um aumento de nascimentos entre mães na faixa etária dos 30 anos. De 22,5%, em 2005, para 30,8%, em 2015. No grupo de mães de 15 a 19 anos, o percentual de nascimentos caiu de 20,3%, em 2005, para 17%, em 2015.

O número de nascimentos cresceu no Brasil

@BRIT/Nappy

Dados analisados pela pesquisa também apontam que o número total de nascimentos cresceu 2,6% em 2017. A pesquisa aponta que esse dado recupera parte da queda registrada em 2016, embora ainda seja menor que os números de 2015 e 2014. A pesquisa aponta que a redução dos chamados “registros tardios” foi a responsável por esse aumento. Estes registros são efetuados em anos posteriores ao do nascimento, que representaram 2,7% em 2017 contra 3,5% em 2016.

+ sobre o tema

Encontro Marcado com Conceição Evaristo. Museu Afro Brasil .

Encontro Marcado com Conceição Evaristo. Museu Afro Brasil . Por  Monica...

Transgênero de barba é ovacionada ao vencer festival Eurovision

Conchita Wurst, transgênero “a senhora de barba”, vence festival...

Projeto ajuda alunos a valorizar papel da mulher e evitar exposição na internet

No Centro de Ensino Fundamental 12 em Ceilândia, no...

para lembrar

Oficial de San Diego é o primeiro a beijar outro homem em cerimônia da Marinha

O tradicional beijo da Marinha americana feito quando um...

Sessão da Cedaw terá presença do movimento de mulheres

Relatório Alternativo à CEDAW Nota Informativa – 6 de fevereiro...

Transgressiva ou submissa?

Desde a antiguidade as mulheres têm um papel bem...
spot_imgspot_img

IBGE: mulheres assalariadas recebem 17% menos que os homens

Dados divulgados nesta quinta-feira (20/06) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelam que a disparidade salarial entre os gêneros no Brasil se mantém em...

Casa Sueli Carneiro abre as portas ao público e apresenta o III Festival Casa Sueli Carneiro, pela primeira vez em formato presencial

RETIRE SEU INGRESSO A Casa Sueli Carneiro, fundada em dezembro de 2020 e atuando em formato on-line desde abril de 2021, é uma entidade criada...

Aborto legal: falhas na rede de apoio penalizam meninas e mulheres

As desigualdades sociais no Brasil podem explicar a razão para que meninas e mulheres busquem apoio para o aborto legal também após 22 semanas...
-+=