Multiartista Elisa Lucinda lança 19° livro em Salvador em 30 de abril

Poetisa, atriz, cantora, escritora, dramaturga, ativista e intelectual. Elisa Lucinda, referência intelectual e artística no Brasil e no mundo, lança em Salvador, no próximo 30 de abril, seu 19° livro, ilustrado por David Lima e publicado pela Editora Malê: “Quem me leva para passear”. O evento, com início agendado para às 17h, na Casa do Benin (Pelourinho), contará com a participação de artistas como Fabrício Boliveira, Glenda Nicácio e Aldri Anunciação, que atuarão na leitura dramática de parte do texto, ritual que marca o estilo da escritora e com o qual ela retroalimenta seu percurso criativo via oralidade.

Em “Quem me leva pra passear”, Elisa lança mão da escrita em primeira pessoa, convocando uma narrativa intimista e subjetiva com o mundo de Edite, personagem que caminha do último romance intitulado “Livro do avesso: o pensamento de Edite” e chega em uma autoficção provocante, carregada de afirmação política e filosofia ubuntu, para além de brindar a leitura com a poética cortante e delicada da escritora. “Esse livro é um exercício de liberdade”, afirma.

Inquieta, ao longo dos 35 anos de carreira, Elisa atua em múltiplas áreas criativas e sociais. Além do trabalho consolidado com Teatro e Televisão, a atriz acaba de rodar filmes com diretoras expoentes do cenário nacional, “O Pai da Rita”, de Joel Zito e “Papai é Pop”, de Caíto Ortiz, onde contracenou com Lázaro Ramos, com quem cultiva uma história de amizade e parcerias profissionais. O ator, que se apresentou este ano como diretor de cinema em Medida Provisória, tem construído junto a Elisa possibilidades de adaptação dramatúrgica das histórias de Edite. Destaque também para a atuação em “Manhãs de Setembro”, produção da Amazon Prime que tem a cantora e atriz Liniker como Cassandra, filha da personagem vivida por Elisa, Vanusa.

As personagens de Elisa trazem o tom de sua versatilidade, do talento arejado e da ação multiprofissional que evidenciam ainda mais a potência das mulheres negras na arte brasileira. Por isso, seu texto e sua postura ético-política nas redes, no trabalho de articuladora cultural e realizadora, também trazem a luta contra o racismo, o sexismo e toda forma de opressão como princípio que guia e sustenta as mais diversas iniciativas da artista.

”Sankofa”, projeto da Casa Poema que trabalha com poesia falada nos quilombos, e “Catadoras de Poesia”, trabalho literário que desenvolve junto a mulheres catadoras de materiais recicláveis, junto a  Flup – Festa Literária das Periferias, são algumas das iniciativas de cunho sociorracial que Elisa tem atuado no último período.  Com a Empresa Brasil de Comunicação, participou de uma série do projeto “Diálogos Contemporâneos e Histórias Brilhantes”, além de apresentar, a convite da Editora Record, uma ontologia de Adélia Prado, que reune quatro obras da escritora com quem Elisa tem profunda relação de referência: Bagagem (1976), O coração disparado (1978), A faca no peito (1988) e Oráculos de maio (1999).

A relação de Elisa com a Editora Malê nasce desde 2019, com a publicação do “Livro do avesso: o pensamento de Edite”. A Editora Malê é uma iniciativa dedicada à Literatura Afro-brasileira, criada em 2015 por Vagner Amaro e Francisco Jorge no Rio de Janeiro, com cerca de cem  obras publicadas desde então.

SERVIÇO

O QUE? Lançamento do 19° livro de Elisa Lucinda: “Quem me leva para passear”

QUEM?  Editora Malê (https://www.editoramale.com.br/ )

QUANDO? 30 de abril, 17 horas

ONDE? Casa do Benin

CONTATO: +55 71 99266-2975 | +55 71 98727-8343 [email protected]  (Bruna Rocha e Andreza Santos – Pilão Comunicação)

+ sobre o tema

Como resguardar as meninas da violência sexual dentro de casa?

Familiares que deveriam cuidar da integridade física e moral...

Luiza Bairros lança programas de combate ao racismo na Bahia

O Hino Nacional cantado na voz negra, marcante, de...

Barbados se despede de rainha Elizabeth e dá a Rihanna título de heroína

Rihanna foi nomeada heroína nacional de Barbados durante uma...

para lembrar

As Duas Cores de Machado de Assis

"Mulato, ele foi de fato, um grego da melhor...

Literatura negra não caiu na graça do mercado, diz autor de Cidade de Deus

Em entrevista ao G1, Paulo Lins falou sobre samba,...

Em debate na Flica, Livia Natália diz: ‘Eu digo como quero ser representada’

Poeta baiana participou de mesa ao lado de Sapphire,...

Tradição exemplar: Negroesia, de Cuti

Por Jônatas Conceição da Silva1 Acredito que...
spot_imgspot_img

Em autobiografia, Martinho da Vila relata histórias de vida e de música

"Martinho da Vila" é o título do livro autobiográfico de um dos mais versáteis artistas da cultura popular brasileira. Sambista, cantor, compositor, contador de...

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Morre Maryse Condé, grande voz negra da literatura francófona, aos 90 anos

Grande voz da literatura francófona, a escritora de Guadalupe Maryse Condé morreu na madrugada desta terça-feira (2), segundo informou à AFP seu marido, Richard Philcox. A causa...
-+=