Mundo subestimou a covid-19 e desigualdade piora o cenário

Enviado por / FonteDo Redação RBA

Mundo enfrenta uma dificultade extrema diante da desigualdade vacinal. O mundo capitalista não divide vacinas e morre pelas variantes

“Subestimamos esse vírus”, avalia a ONU sobre o combate à covid-19. “Onde erramos e o que podemos fazer para acertar daqui para frente?” Essa questão norteia as atividades da entidade e de sua subsidiária Organização Mundial da Saúde (OMS). A Agência UN News, da ONU, elaborou uma retrospectiva com os fracassos globais durante o último ano. Além de mortes evitáveis, o mundo enfrenta uma dificultade extrema diante da desigualdade vacinal. O mundo capitalista não divide vacinas. Enquanto sobram vacinas na Europa, a África sequer conseguiu imunizar 5% de sua população total.

Um dos resultados disso é o surgimento de novas variantes do vírus que impactam em todo o mundo. Além do fracasso moral da humanidade. “É profundamente injusto que a maioria dos africanos vulneráveis sejam forçados a esperar por vacinas enquanto a segurança de grupos não prioritários é garantida nos países ricos”, condenou o chefe da OMS na África, Matshidiso Moeti. O secretário-geral da ONU, António Guterres, também criticou inúmeras vezes o egoísmo e o mercantilismo vacinal, que chama de “vacionalismo”.

“A OMS profeticamente alertou que quanto mais tempo a humanidade leva para suprimir a propagação da Covid-19, maior é o risco de surgimento de novas variantes resistentes às vacinas disponíveis. Tedros descreveu o cenário de distribuição desigual como um ‘fracasso moral catastrófico‘, e acrescentou que ‘o preço desse fracasso será pago com vidas e meios de subsistência nos países mais pobres’”, afirma a UN News.

Previsões ignoradas

Ainda em julho, quando a variante delta passava por um período de arrefecimento, a OMS insistiu na necessidade de vacinar países mais pobres. Em novembro, já eram 5 milhões de mortos. O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom, culpou a desigualdade vacinal. “O cenário global de acesso às vacinas é considerado inaceitável (…) Desafios atuais incluem as proibições de exportação, a priorização de acordos bilaterais por fabricantes e países, o contínuo aumento da produção por alguns fabricantes importantes e atrasos no pedido de aprovação regulatória. O apelo feito aos doadores e farmacêuticas é que se empenhem novamente em fornecer seu apoio e evitem mais atrasos no acesso equitativo, garantindo a transparência nos planos acordados para permitir que as nações planejem com antecedência”, disse.

De acordo com a OMS, “apenas 20% de habitantes de países de renda baixa e média-baixa receberam a primeira dose, em comparação com 80% nos países de rendas alta e média-alta”. Já o consórcio Covax Facility, liderado pela OMS, que buscou apoio global para vacinar países pobres, não atingiu seu objetivo de 2 bilhões de doses. “Em um comunicado conjunto, as entidades que lideram a Covax pedem aos países ricos que compartilhem um maior número de doses. O grupo justifica o corte da meta do mecanismo para 1,425 bilhão de doses por fatores como restrições à exportação do Serum Institute da Índia, SII, tido como um importante fornecedor”, informou a entidade.

+ sobre o tema

“É melhor morrer em pé do que viver de joelhos”

Quem ama as liberdades democráticas que se mire em...

Degola, linchamento e cassação: gente negra pode mesmo eleger e ser eleita?

Imagina se uma vereadora negra de Catanduva (SP) e...

Entrevista: o dinamismo de Cidinha da Silva

por Júnia Puglia    foto André Frutuôso  Em seu novo livro, “Racismo no Brasil...

Peritos das Nações Unidas avaliam condições de vida dos africanos em Portugal

Por: António Pereira Neves Genebra, 14 mai...

para lembrar

A meritocracia é um mito que alimenta as desigualdades, diz Sidney Chalhoub

Para historiador da Unicamp e de Harvard, a Universidade...

Para o pessoal das pautas identitárias

Ninguém aguenta mais vocês ignorarem os problemas urgentes do...

Para quase 70% dos brasileiros, inflação prejudica alimentação

De acordo com pesquisa encomendada pela Federação Brasileira dos...

Desigualdade aumentou em 2023, diz relatório do Banco Mundial

Em torno de 700 milhões de pessoas sobrevivem com menos de US$ 2,15 (R$ 10,50) por dia. São os mais pobres entre os pobres...

População de rua no Brasil cresceu quase 10 vezes na última década, aponta Ipea

A população em situação de rua no Brasil aumentou 935,31% nos últimos dez anos, segundo levantamento do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) com base em...

Longevidade para poucos

A expectativa de vida de brasileiras e brasileiros voltou a aumentar, depois do par de anos de retrocesso em razão da pandemia, que matou...
-+=