Museus feministas pelo mundo buscam reparar exclusão das mulheres da história e da arte

Centros em países tão diversos como Suécia, Dinamarca, Turquia e Argentina promovem revisão crítica da história e da cultura a partir da perspectiva das mulheres e permitem que elas mesmas elaborem seu papel na sociedade

Por Lucía Lijtmaer, do Opera Mundi 

A notícia que rodou em outubro do ano passado chamou a atenção: foi inaugurado o primeiro museu feminista do mundo. O lugar era de fato apropriado: na cidade sueca de Umeå, capital europeia da cultura em 2014, em um país onde a metade dos representantes políticos se autodefinem como feministas, onde existe um partido chamado Iniciativa Feminista – que teve suficiente popularidade para apresentar-se nas eleições – e em um Estado que está em quarto lugar no índice global da igualdade de gênero.

Mas o que quer dizer “museu feminista” e por que sua existência? O Kvinnohistoriskt Museum, (ou Museu da História das Mulheres, em sueco) não tem coleção permanente, e está apresentando duas exposições paralelas. Uma delas trata do envelhecimento, e a outra se intitula Raízes. Esta última centra-se no poder e na influência de como se narra a história e explora as raízes das velhas ideias, normas e estruturas que determinam as decisões e oportunidades tanto de homens quanto de mulheres. A mostra explica que “a historiografia é injusta. A maior parte das pessoas não estará incluída. A maioria das coisas que as pessoas fizeram, pensaram, sentiram e acreditaram será esquecida”.

Para além da aparente novidade, a iniciativa se enquadra no conceito de “museus das mulheres”, que surgiu nos anos 1980. Tal como descreve a austríaca Elke Krasny, curadora e especialista em teoria da arte, “os museus que pesquisam, colecionam e exibem as vidas e os trabalhos das mulheres nascem com a segunda onda do movimento feminista”. Dessa forma podemos encontrar, especialmente nos países escandinavos, os primeiros museus dedicados ao direito das mulheres de reivindicar a apresentação do papel histórico, econômico, social e político delas, já em 1982, em Bonn, na Alemanha, e pouco depois no mesmo ano, com o surgimento do Kvindemuseet (Museu das Mulheres) em Aarhus, na Dinamarca.

Na década seguinte, surgiram em vários países museus sobre a história das mulheres, como o National Women’s History Museum (Museu Nacional da História das Mulheres), nos Estados Unidos, criado pela ativista Karen Staser com o objetivo não de “reescrever a história, mas de posicionar a história das mulheres e expandir o conhecimento da história nos Estados Unidos”.

Dessa forma, o NWHM contém uma mostra intitulada “Novos começos: mulheres imigrantes e a experiência americana”, em que se explica a relevância das mulheres na emigração aos Estados Unidos. “As motivações para a migração das mulheres eram variadas e complexas, e o gênero influenciou tanto nas oportunidades de emigrar como na sua chegada”, relata a exposição. Lá encontram-se histórias como a de Annie Moore, a primeira mulher – criança, na verdade – admitida na fronteira norte-americana, e explora-se o papel das migrantes involuntárias, as escravas afro-americanas.

margaret-bourke-white2

De onde vem a tentativa de transformar em museu as experiências das mulheres? A britânica Eilean Hooper-Greenhill, especialista em museologia, narra que o espaço do museu tem sofrido uma série de mudanças na história, “passando a ser templo e espaço colonizador de um novo gênero de instituição”, com as transformações que isso implica.

Dessa forma, como explica Hooper-Greenhill, se os museus são, entre muitas outras coisas, instituições da memória, estes “agentes privilegiados penetraram em uma dimensão não necessariamente emancipadora, porém crítica, excludente e mediada pelos discursos científicos e estéticos predominantes”. Portanto, uma corrente crítica vai buscar contextualizar e tornar explícito o conflito e a exclusão presentes, e prestar atenção na existência das memórias coletivas esquecidas, enfatizando a necessidade do reconhecimento da diferença.

Os discursos de gênero não são os únicos presentes em correntes de museologia crítica. O National Museum of African American History and Culture (Museu Nacional de História e Cultura Afro-Americana), sobre a história das pessoas negras nos Estados Unidos, abrirá em 2016, e já faz parte do Instituto Smithsonian. Desde a América Latina, por outro lado, incide-se que a museologia crítica precisa tratar não apenas o representado, porém os fatores históricos, estruturais, profissionais e sociais que marcam a relevância do que se torna objeto de museu e do que não, e os efeitos que as últimas crises econômicas tiveram sobre os museus.

Enquanto cresce e se debate o espaço dedicado a exposições de um tipo ou de outro, estão sendo abertos o Museu das Mulheres na Turquia e o Museu do Gênero na Ucrânia, e o Museu da Mulher em Buenos Aires estabelece novas iniciativas. Todos acolhem, em maior ou menor grau, as lutas dos movimentos feministas e a história das mulheres em geral. Para além do possível otimismo, Elke Krasny avisa que a proliferação não é necessariamente sintoma de uma mudança: “Os museus de mulheres e a curadoria feminista compartilham um horizonte comum. No entanto, quase nunca se cruzam no diálogo ou na produção conjunta de conhecimento.”

 

Tradução: Mari-Jô Zilveti

Matéria original publicada no site do jornal espanhol El Diario.

+ sobre o tema

“O jornal será comandado por mulheres”, afirma Aline Midlej sobre estreia na Globo News

Desde pequena, o sonho de Aline Midlej era ser jornalista....

Da periferia a CEO: Vivi Duarte dá dicas de carreira para mulheres em livro

De vendedora de lojas e atendente de telemarketing até...

Penta

Gosto de futebol e bem jogado. Acreditava como muitos...

Caminhada lésbica pede fim da discriminação em SP

Centenas de pessoas participaram na tarde de sábado de...

para lembrar

Assassinatos de homossexuais triplicaram em 5 anos no Brasil

O número de assassinatos de homossexuais quase que triplicou...

Presbítero pagou R$ 2 para abusar sexualmente de menina de 6 anos

Um caso de pedofilia praticado por um religioso de...

Machismo, a opressão primeira

Foi base para propriedade privada e capitalismo. Deu forma...

A cultura do estupro e suas diferentes intervenções nos corpos negros

Enquanto as mulheres negras estão mais vulneráveis a serem...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=