A namorada negra de alguém

Aos seis anos de idade ela não servia para ser o par de alguém na festa junina. Era só uma foto de mãos dadas, vestida de caipira, porque os coleguinhas e suas mães achavam-na “feinha” demais.

 Por Stephanie Ribeiro/ Arte: Erin Robinson,  no Afronta

Era uma criança negra preterida.

Na primeira série, roubavam seu lanche e lhe davam apelidos maldosos:

– Vassoura!

– Bruxa!

– Macaca!

Até as amiguinhas cochichavam e falavam das suas roupas, cabelo e cor.

Era uma menina negra solitária.

Quando todo mundo usava o muro do fundo do colégio para beijar na boca, ninguém queria ficar com ela. Um menino certo dia chegou e lhe disse:

– Você é negra!

Como se isso fosse nojento, indigno, repulsivo… Será que tinha algo de errado em ser assim? Ela não conseguia entender. Certa vez uma colega mostrou uma caixa cheia de cartas de amor, escritas por garotos. Ela leu todas e chorou. Não servia para receber cartas de amor também? Não servia para andar de mãos dadas? Afinal qual era o problema dela e com ela?

Stéphanie Ribeiro

Era uma adolescente negra magoada.

Quem sabe fosse feia demais, como diziam. Sua mãe não achava, sempre ficava falando o quanto era bonita — “filha para de bobeira, olha para você veja quanta beleza”. Mas ela só queria sumir, se esconder, ser invisível. Primeiro prendeu o cabelo, depois usou roupas que não chamavam atenção e por fim nunca mais tirou fotos.

Então pensou em estudar mirando a faculdade, onde pensou que tudo seria diferente.

E uma vez na faculdade!

Foi desejada, cobiçada, era exótica. Até teve vários parceiros, beijos escondidos no carro, recebeu mensagens de amor secretas. Viveu breves e intensos relacionamentos com pessoas que nunca estiveram prontas para algo além de sexo. Se sentia usada, reificada, levada à condição de passatempo, distração, acessório, objeto lascivo.

Era uma jovem negra cansada.

E quando não desejava mais nada além de viver a própria solidão, conheceu um homem diferente de todos que cruzaram seu caminho, era ele, sabia, sentia, — lembra-se da noite que o conheceu como se fosse hoje. Gostou dele, ele gostou dela. Foram tentando e tentando, lapidando esse encontro, se conhecendo, se aprofundando um no outro, criando laços, afinidade, confiança, parceria, ternura, intimidade…

Enfim estavam namorando.

Poderia ser uma estória feliz caso ela não fosse negra.

Quando as pessoas próximas a ele descobriam o namoro, logo tratavam de questionar:

– Ela é negra?

– Ela é negra?!

– Nossa, ela é negra!

Sim, é negra, cabelo crespo, lábios grossos, pele escura. Negra! E tinha aprendido a ser, a resistir e a existir NEGRA, com muito orgulho disso — mesmo que o mundo dissesse o oposto e lhe impingisse dor pela cor de sua pele — era por orgulho de si enquanto negros que eles também estavam juntos. Compartilhavam esse sentimento mútuo de pertencimento e imenso respeito.

Ela também era chata – assim os amigos dele rotularam-na:

– Chata!

– Metida!

– Atrevida!

– Esnobe!

– Feiticeira!

– Macumbeira!

Toma cuidado com ela!

Ela não serve para você!

Olha como você mudou depois dessa mulher!

Era uma mulher negra julgada e que não podia ser amada?

+ sobre o tema

As empregadas e a escravidão – por Urariano Mota

Por caminhos tortos, Joaquim Nabuco teve uma das suas...

“What happened, Miss Simone?” – Nina Simone, a mulher e a Politica

Quando fiquei sabendo do lançamento do documentário sobre a...

Dia da Mulher Negra Latino-Americana tem programação em Salvador

Em 25 de julho é celebrado o Dia da...

para lembrar

IBGE: mulheres assalariadas recebem 17% menos que os homens

Dados divulgados nesta quinta-feira (20/06) pelo Instituto Brasileiro de Geografia...

Espetáculo pensa a história gaúcha a partir das mulheres negras

Estreia no dia 22 de maio o espetáculo Negressencia:...

Exposição reforça a luta pelo direitos da mulher negra no Brasil

Mostra pode ser visitada até o dia 21 de...
spot_imgspot_img

Brasil registra um crime de estupro a cada seis minutos em 2023

O Brasil registrou um crime de estupro a cada seis minutos em 2023. Com um total de 83.988 casos de estupros e estupros de...

Mortalidade materna de mulheres pretas é o dobro de brancas e pardas, diz estudo

Mulheres pretas têm quase duas vezes mais risco de morrer durante o parto ou no puerpério que mulheres pardas e brancas, segundo um estudo da Unicamp (Universidade Estadual...

Plataforma Mães Negras debate impactos do peso na vida profissional

A Plataforma Mães Negras do Brasil, startup (empresa emergente) de impacto social, cujo objetivo é a promoção do desenvolvimento socioeconômico de mães negras, promove nesta quarta-feira...
-+=