Não é coisa da sua cabeça, é racismo

-Toda vez que eu entro, eu tenho a impressão que elas seguram a bolsa com mais força.

Por Viviana Santiago para o Palavra de Preta

-Quando eu estou na academia, parece que as pessoas não querem usar os equipamentos depois que eu termino de usar,

-Comigo, parece que a exigência sempre é maior. Não importa o quanto eu me esforce, nunca é o bastante, sempre tenho eu fazer mais.

-Fui jantar fora com meu filho e fiquei com a sensação que o meu pedido demorou mais do que o das outras pessoas e chegou um pouco frio,

– Toda vez que eu tento apresentar uma nova idéia no trabalho as pessoas sempre dizem que não é bem assim”, mas depois quando outra pessoa repete tudo que eu disse a ideia é bem aceita

– Pode ser coisa da minha cabeça, mas eu sinto como se meu chefe tivesse a necessidade de me provar o tempo inteiro que eu estou errada, que eu não sei o que fazer,

– O tempo todo eu fico com a impressão que as pessoas sempre são mais hostis comigo do que seriam se eu não fosse negra

Pode ser coisa da minha cabeça, mas….

Mulheres e meninas negras ao longo de sua vida vão conviver com situações de violência em relações de afeto, trabalho, moradia, compra. O tempo inteiro serão retirado de um lugar de dignidade em processos sutis – ou não tão sutis- que são realizados de maneira recorrente e sem que gere incômodo nas outras pessoas não-negras presentes nessas relações, dessa maneira,  percebendo-se alvo de atitudes odiosas, persecutórias,  mas que parece que só são percebidas por elas mesmas, as meninas e mulheres negras começam a duvidar: Como poderia algo que lhes provoca tanta dor não ser percebido por outras pessoas? Então duvidarão de si mesmas, e iniciarão um processo de questionamento de suas habilidades, direitos, percepções,  culminando com o questionamento acerca de sua sanidade.

As declarações acima, seguramente já foram ouvidas ou pronunciadas por cada uma de nós mulheres negras, agora e quando fomos meninas, é a violência racista que estando capilarizada  por todos os espaços da vida em sociedade determina formas de tratamento e construção de expectativas sobre a vida, afetos, e competências das mulheres e meninas negras na sociedade. Dizendo e tentando empurrá-las para aquilo que o pensamento racista imagina que elas devem ser e ter.

Em restaurantes e lojas ou serão mal servidas ou tratadas com intimidade desrespeitosa , na academia durante a prática de atividades esportivas, serão seguidas por olhares maldosos, seus cabelos constantemente observados como se  quem os olha acreditasse que estão cheio de piolhos, seu suor aparentemente é visto como tóxico pois a recusa das pessoas em utilizarem os equipamentos depois de seu uso grita isso.

Na Universidade e no mundo do trabalho serão tuteladas, destituídas de sua voz, inferiorizadas e perseguidas, nenhum trabalho será o bastante, o tributo do negro será cobrado e o reconhecimento quase nunca chegará: o apagamento se constrói  o tempo inteiro- suas ideias serão atribuídas a outras pessoas sua autoria sempre negada;

Para as mulheres, de maneira geral, ser competentes, autônomas, críticas e inteligentes se torna um fardo, são características que a afastam do modelo de mulher insistentemente alardeado pela sociedade patriarcal, para as mulheres negras se torna um duplo fardo, uma vez que na percepção racista, o ser negra não é mais que ser a carne mais barata do açougue, o corpo  para o sexo, a faxina garantida, subverter essa noção é profundamente perturbador dessa ordem

Esses são conteúdos da vida de todas as mulheres negras, mesmo daquelas que se aliando ao discurso liberal de faça-você-mesmo acreditam nunca os ter vivido (estão lá, talvez apenas tenha lhes faltado a capacidade de enxerga-los ou nomeá-los), e precisamos falar mais sobre cada um deles, para que diante desse assédio, dessa violência, nunca mais uma mulher negra duvide de si mesma, mas que tenha a certeza de que não é coisa da sua cabeça, é racismo

Precisamos entender que o nome disso é racismo e que essas microagressões produzem um impacto negativo poderoso sob a nossa saúde física e mental é dos mais profundos.

Mulheres negras precisam contar suas histórias, precisamos dar continuidade ao caminho trilhado pelas que vieram antes de nós, é preciso que nos cuidemos mais durante esses processos violentos, a violência fere nossos corpos, impacta negativamente a maneira como percebemos a nós mesmas e umas as outras e fere nossa saúde mental. Busquemos espaços seguro para conversar e processar essa experiência,  precisamos nos reconhecer nas histórias umas das outras para que possamos nos  fortalecer e enfrentar espaços, situações e pessoas racistas de frente. Deixando-ás perceber que nós não duvidamos de nós mesmas e sabemos sim, nomear o racismo em nossas vidas.

+ sobre o tema

‘Ainda faltam papéis para a mulher negra’ , diz Ruth de Souza

Filmes da atriz estão em cartaz em mostra no...

Assim falou Luiza Bairros

Nascida em 1953, a gaúcha de Porto Alegre Luiza...

Mortes de mulheres negras aumentam 54% em dez anos

A violência contra as mulheres brancas diminuiu, mas contra...

“Queremos representatividade para além do comercial de xampu”

A blogueira Rosangela J. Silva é nossa primeira entrevistada...

para lembrar

Léa Garcia

Nascida no Rio de Janeiro, em 11 de março...

Garis de Águas Claras são vítimas de preconceito por uma comerciante

A secretária de Estado da Mulher do DF, Olgamir...

Beyoncé canta Tina Turner em espetáculo futurista da nova turnê ‘Renaissance’

Numa performance brilhante, Beyoncé fez o primeiro de seus cinco shows...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=