‘Não podemos construir uma geração futura com ódio e afastamento’, diz pernambucana criadora do Caçando Estórias

Mais da metade das crianças brasileiras na primeira infância são negras ou pardas.

Por: Alice de Souza – Diario de Pernambuco

Kemla Baptista diz que o racismo dilacera famílias. Foto- Raphael de Faria:DP.

Mais da metade das crianças brasileiras na primeira infância são negras ou pardas. Entre a população indígena, 14% são meninos e meninas de 0 a 6 anos. Pensar a primeira infância é também desenvolver um olhar afetuoso da sociedade para com essa infância que, na maioria das vezes, é submetida muito cedo a processos de violência física e psicológica. Violência essa que perpassa preconceitos existentes na sociedade, ausência de políticas públicas efetivas e a desestruturação familiar consequente. Estabelecer vínculos, nesses casos, é tampar lacunas seculares de invisibilidade.

Em 2010, os índices de crianças vivendo na pobreza quase duplicava quando se comparavam brancos e negros. Além de serem submetidas a condições precárias de vida, essas crianças enfrentam desde cedo contextos que as diminuem enquanto seres humanos. “Quando se fala sobre primeira infância, pensamos naquela família de comercial de margarina, mas a gente precisa ter múltiplos olhares, pois a infância é múltipla. Uma mulher preta que engravida fica duas vezes nervosa: com a gestação e porque vai parir uma criança que, se for menino, pode vir a ser confundido com bandido, e se for menina, viverá a vulgarização do corpo da mulher negra”, afirma a contadora de histórias, pedagoga e empreendedora social criadora do canal Caçando Estórias, voltado à disseminação de conteúdo literário que referencia a matriz africana, Kemla Baptista.

Confira entrevista com Kemla Batista:

Para Kemla, trabalhar a autoestima na primeira infância significa encarar o racismo, a dilaceração das famílias em situação de pobreza, a falta de formação dos educadores na questão étnico-racial e a ausência de representatividade na mídia. “São questões que têm impacto direto na autoconfiança. A criança precisa da percepção de quem ela é. É necessário um olhar atento, vigilante e carinhoso para pensar a diversidade infantil, considerando pretos, indígenas, orientais e outros.”

Entrevista // Kemla Batista, contadora de histórias

Por que é preciso desenvolver um olhar mais atento para as múltiplas infâncias?

Há uma realidade de diferenciações. Uma criança branca numa escola de classe média ou até de subúrbio recebe carinho, é idolatrada. Já uma criança preta nesses espaços de sociabilidade da infância não recebe o mesmo tratamento. Dizer, por exemplo, que o cabelo dela é difícil de pentear, indomável, já é uma agressão. Desde muito cedo, essa criança lida com situações de racismo, violência física e emocional.

Quando se fala de múltiplas infâncias, do que estamos falando?

Das famílias de crianças adotivas, das famílias inter-raciais, etc. A gente vive, por exemplo, o dilaceramento das relações familiares derivadas da estrutura de racismo na qual vivemos. Não pensamos disso quando falamos de primeira infância. Como é que você vai falar de autoestima para um pai branco que tem uma filha negra e a sociedade desconfia dessa paternidade? Como fica a construção de masculinidade de um garoto que vê o pai encarcerado? E a criança de religião de matriz africana, que tem o pleno exercício religioso cerceado? É necessário um olhar atento e vigilante a essa diversidade na infância. Não podemos construir uma geração futura com ódio e afastamento.

Qual o impacto da falta de representatividade na infância?

Durante anos, o que aparecia na mídia e nos espaços de consumo eram brancos e loiros. Isso afeta a construção de identidade infantil. É preciso trazer a pessoa negra sem estereotipar, animalizar. São questões que afetam a construção de afetividade, de autoconfiança da criança.

+ sobre o tema

Denúncias de racismo crescem 77% no Ceará em 2021; ocorrências podem ser registradas pela internet

As denúncias de discriminação racial no Ceará cresceram em...

Um homem negro mudou seus looks para ver se as pessoas o tratariam de forma diferente

Muitos homens negros se vestem bem para evitar serem...

Se os privilegiados estão cansados, imagine os negros

   Não venho armado de verdades decisivas.      ...

A mulher que sonha ser gente – Por Lelê Teles

Ao deixar o cárcere, onde esteve reclusa por 18...

para lembrar

PMs não citaram ação social em depoimento sobre morte de jovem na Providência

Dois PMs investigados pelo homicídio do jovem Rodrigo Cerqueira,...

JK Rowling defende nova Hermione negra: “Idiotas serão sempre idiotas”

 JK Rowling, a autora dos livros de Harry Potter,...

UE obrigada a retirar anúncio por acusações de racismo

Uma mulher branca consegue dominar três homens (um asiático,...
spot_imgspot_img

Educação escolar de negros com deficiência é marcada por capacitismo e racismo

Apesar da acessibilidade ser um direito garantido por lei para as pessoas com deficiência, a falta de ambientes acessíveis foi um dos principais problemas...

Em ‘Sitiado em Lagos’, Abdias Nascimento faz a defesa do quilombismo

Acabo de ler "Sitiado em Lagos", obra do ativista negro brasileiro Abdias Nascimento, morto em 2011, no Rio de Janeiro. A obra, publicada agora pela...

Registros de casos de racismo aumentam 50% entre 2022 e 2023 no estado de SP

Números obtidos via Lei de Acesso à Informação pela TV Globo, mostram que o número de ocorrências registradas por racismo e injúria racial tiveram alta...
-+=