‘Não posso falar de maternidade sem falar de racismo’, diz Juliana Alves

Enviado por / FonteUniversa

Juliana Alves olha para a maternidade como uma forma de criar uma geração mais consciente. A atriz, que é mãe de Yolanda, de dois anos de idade, falou à “Celina” sobre a série virtual “Pra Nós”, que vai ao ar todo domingo no seu Instagram.

A ideia da produção é discutir desafios da maternidade e da vida em família na pandemia do novo coronavírus. “Quando fomos decidindo os temas [dos episódios], ficou claro para mim, pela minha trajetória, que eu não posso falar de maternidade sem falar de combate ao racismo“, contou ela.

“Quando eu penso em criar uma criança, penso que tenho a missão de permitir que essa pessoa seja feliz e que possa contribuir para uma sociedade melhor. Eu não quero alienar a minha filha. Eu quero que ela possa atingir todo o seu potencial, que seja uma grande mulher, e que possa fazer escolhas”, continuou.

“Para isso, ela precisa ter uma sociedade mais justa, que não diga que ela não pode fazer alguma coisa por conta de uma determinada condição. E eu desejo isso para todas as crianças, para todas as pessoas”, completou.

Ainda é tabu

Juliana acredita que o tema do racismo é menos discutido do que deveria no Brasil. “Enquanto a gente não olhar para si e não reconhecer nossas mazelas, nossas vergonhas, nada vai mudar. Até muito pouco tempo atrás as pessoas diziam que não tinha racismo no Brasil. O racismo nunca foi uma dúvida nos EUA”, apontou.

“Aqui sempre houve um cinismo em relação ao racismo, embora ele seja parte da estrutura da sociedade. Estamos em um momento de maior escuta, mas essas são coisas que falamos há muito tempo”, disse ainda.

“O ano de 2020 vai entrar para a história, e espero que, quando a gente contar essa história, possa contar que teve alguma consequência positiva. Espero que a humanidade pare de normalizar coisas como o racismo, e entenda que precisa desconstruir esse projeto de sociedade que se constrói a partir da opressão do outro”, declarou.

+ sobre o tema

Conceição Evaristo é a entrevistada do Roda Viva da próxima segunda-feira (6)

A escritora, poetisa e ensaísta Conceição Evaristo é a entrevistada do Roda Viva...

Preta Ferreira: Diário de uma Prisão

Como um ato simbólico, Preta Ferreira entregou o manuscrito...

‘Vai ter gorda na praia sim’: ato em Maceió questiona padrões de beleza

Mulheres foram à praia de Jatiúca para cobrar o...

Mulheres do mundo inteiro debatem sobre feminismo em vários Sescs

Além das rodas de conversa, acontecem shows de Ellen...

para lembrar

Violência, a Marca do Poder Masculino, por Rachel Moreno

Vasta sequência de dados revela: desde pré-história, domínio machista...

Claudia Silva Ferreira: negra e moradora da periferia – Por: Mariana Raquel

Cláudia Silva Ferreira era casada, mãe de quatro filhos...

Brasileiras têm menos filhos e engravidam cada vez mais tarde, diz pesquisa

As brasileiras estão tendo menos filhos. E estão tendo filhos cada...

Homens que matam a ex

Parece uma epidemia que acontece em todas as classes...
spot_imgspot_img

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...
-+=