Não vou dar senha porque não gosto de mulheres negras

Alunas de escola pública sofrem injúria e discriminação racial na XV Bienal do Livro – RJ

por Jorge Zulu, terça, 6 de setembro de 2011 às 22:38 no Facebook

“Não vou dar senha porque não gosto de mulheres negras”, “Você é favelada e preta de cabelo duro”.

Uma das piores formas de discriminação é a feita em função da origem étnica, atingindo a dignidade e integridade do outro.

Isso aconteceu ontem, 05/09, na XV Bienal do Livro – RJ, no Riocentro, quando durante a visitação de alunos o Colégio Estadual Guilherme Briggs, de Niterói, no stand da Editora Abril/Veja – assinaturas, duas alunas se dirigiram ao atendente da Editora citada para pegarem a senha de acesso para autógrafo com artista e sofreram a prática de injúria e discriminação racial. Depois de ficarem na fila aguardando a vez, o funcionário além de se negar a fornecer a senha de autógrafo para as alunas, também afirmou, verbalmente, que não iria dar senhas porque não gostava de mulheres negras. Mesmo ofendida uma delas insistiu e ainda ouviu que não ia ganhar porque era favelada e de cabelo duro. A aluna citou que o que ele estava fazendo era “bulling”, “crime”. “Ele respondeu que podia ser o que for, e que não ia dar nada para ele”. Voltando com o grupo de colegas, chorando, a Diretora do Colégio ficou sabendo e, ainda no Riocentro, voltou ao stand, se dirigiu ao gerente da Editora denunciando o fato e o funcionário, e ouviu a seguinte frase: “Ele estava brincando”, “Não leve isso a sério, senão vai prejudicar a empresa”.

“Discriminação racial: toda distinção, exclusão, restrição ou preferência baseada em raça, cor, descendência ou origem nacional ou étnica que tenha por objeto anular ou restringir o reconhecimento, gozo ou exercício, em igualdade de condições, de direitos humanos e liberdades fundamentais nos campos político, econômico, social, cultural ou em qualquer outro campo da vida pública ou privada.” Art. 2º, inciso I do Estatuto da Igualdade Racial.

Vendo que não adiantava sua denúncia no local, a Diretora fez um Registro de Ocorrência, na 77ª Delegacia de Polícia, em Niterói, sob o nº 077-05231/2011-01 e encaminhou aos órgãos competentes do Estado (Cedine, Supir).

“Triste época! É mais fácil desintegrar um átomo do que um preconceito”. Albert Einstein

+ sobre o tema

A angústia da mulher preta tem origem no meu privilégio de mulher branca

"Posso te fazer um pedido?" Sim, Bianca Santana, você pode...

Casal é condenado a pagar R$ 8 mil por ofensas racistas

Casal é condenado a pagar R$ 8 mil a...

Camaçari: Acusadas de roubo mulheres negras acusam loja de racismo

  Presidente da Comissão de Promoção da Igualdade Racial da...

para lembrar

Obras do Rio são segregacionistas, afirma ativista da Maré

Walmyr Júnior, ativista e morador da Maré, critica as...

Cotas na UEL: Universidade Estadual de Londrina (UEL) aprova desempenho de estudantes cotistas

  O sistema de reserva de vagas para estudantes negros...

Entidades denunciam racismo religioso contra professor impedido de assumir vaga em universidade

Aprovado no concurso público para professor no Departamento de...
spot_imgspot_img

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...

Criança não é mãe

Não há como escrever isto de forma branda: nesta quarta-feira (12), a Câmara dos Deputados considerou urgente discutir se a lei deve obrigar crianças vítimas de estupro à...
-+=