Negra e nordestina, Etiene Medeiros faz história ao ser primeira mulher brasileira campeã mundial de natação

Pernambucana de 26 anos venceu a rival chinesa Yuanhui Fu com o tempo de 27s14 contra 27s15 e leva o ouro nos 50m costas

 

Por Bruno Santana Do Portal Fórum

A nadadora Etiene Medeiros eternizou seu nome história do esporte, nesta quinta-feira (27), na Hungria. Foi um duelo de braçadas com a chinesa Fu Yuanhui, para quem a pernambucana perdeu por 15 centésimos no Mundial de Kazam, em 2015. Desta vez, em Budapeste, Etiene levou a melhor por apenas um centésimo e se tornou a primeira mulher brasileira a chegar no topo do pódio em competições de piscina olímpica.

Com este tempo, Etiene bateu o novo recorde das Américas, superando o tempo de 27s18 que ela mesma tinha feito nesta manhã – essa é, também, a terceira melhor marca da história no mundo. Aliaksandra Herasimenia, de Belarus, ficou com o bronze após terminar a prova com 27s23.

“Competi com essa chinesa em Kazan, e tive mais uma chance de competir com ela aqui de novo. Foi braçada a braçada. Nos meus últimos 10 metros eu sempre morro. Joguei o corpo e o braço na chegada e dessa vez eu consegui ser mais rápida que ela”, comemorou a atleta em entrevista após deixar a piscina.

Etiene já se acostumou a quebrar tabus, isso porque em 2008 se tornou a primeira brasileira a ir ao pódio em campeonatos mundiais, após conquistar a prata nos 50m costas do Mundial Júnior. Em 2014, foi a primeira mulher do país a ser medalhista em um Mundial de piscina curta, com o ouro nos 50m costas em Doha, no Catar. Em 2015, faturou o primeiro ouro feminino da história do Brasil em Jogos Pan-Americanos, nos 100m costas em Toronto, no Canadá. No mesmo ano, foi vice-campeã dos 50m costas no Mundial de piscina longa de Kazan, Rússia, assegurando a primeira medalha feminina do país na história da competição. Ano passado, foi bicampeã mundial em piscina curta no Mundial de Windsor, no Canadá.

Os50m costas não é uma prova olímpica. Nas Olimpíadas do Rio, em 2016, Etiene Medeiros competiu na final dos 50m livre e terminou em 8º lugar. Nos 100 metros costas, que não é a sua especialidade, ela terminou na 25ª posição.

+ sobre o tema

Ministra Luiza Bairros discute parceria com EBC para projetos de valorização da cultura afro-brasileira

Possíveis parcerias terão como propósito a difusão de projetos...

Peu Sousa, ex-guitarrista de Pitty, é encontrado morto em casa, na BA

Não há informações sobre causa da morte; família soube...

Como eu vejo a Flip de longe, porém fascinada…

A décima edição da Festa Literária Internacional de Paraty...

para lembrar

A representação das Máscaras Gelede

"Os olhos que contemplaram Gęlędę viram o espetáculo máximo. Ojú...

Ações afirmativas, como a igualdade racial, são assunto de audiência de comitiva sul-africana com a SEPPIR

    A secretária Angela Nascimento apresentou as principais diretrizes políticas...

Adhemar Ferreira da Silva – O João do Pulo

Um fato curioso, mas que mostra o caráter de...
spot_imgspot_img

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...

Uma mulher negra pode desistir?

Quando recebi o convite para escrever esta coluna em alusão ao Dia Internacional da Mulher, me veio à mente a série de reportagens "Eu Desisto",...
-+=