Nesta terça, CNJ julga Kenarik Boujikian; juristas ouvidos pelo Viomundo explicam por que a pena da juíza tem de ser anulada

Em 1º de agosto deste ano, o Viomundo: Julgamento de Kenarik Boujikian escancara a seletividade e o machismo do Judiciário brasileiro. O CNJ vai confirmar uma condenação absurda?

Por Conceição Lemes Do Viomundo

O julgamento, que já havia sido adiado uma vez, acabou postergado outras duas.

Agora, tudo indica será nesta terça-feira (29/08), a partir das 9h. Pela quarta sessão consecutiva da plenária do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ele entra em pauta.

Em 2016, a pedido do desembargador Amaro Thomé Filho, do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP),  Kenarik foi submetida a processo disciplinar, porque soltou 11 réus que estavam provisoriamente presos por tempo superior às penas fixadas em suas sentenças.

Apesar de os réus já terem cumprido as suas penas e nenhuma outra pendência judicial, o TJ-SP julgou procedente a reclamação e, por maioria  de votos, aplicou-lhe a pena de censura.

A magistrada recorreu da decisão ao CNJ, pedindo a sua revisão e anulação. O relator é o conselheiro Carlos Levenhagen, desembargador do Tribunal de Justiça de Minas Gerais desde 2008.

Viomundo ouviu quatro juristas de primeiríssima linha sobre o julgamento que deverá entrar para a história do órgão.

“O CNJ tem nas mãos importante questão acerca da independência judicial, que pode servir de símbolo. E, ainda, mostrar ao conjunto dos juízes qual a sua referência em relação à prisão e Liberdade”, atenta Marcelo Semer.

Ex-presidente da Associação de Juízes pela Democracia (AJD), Semer recentemente foi premiado pelo CNJ e pela Secretaria de Direitos Humanos por uma decisão sua, proibindo a superlotação carcerária nos dois centros de detenção provisória de Osasco, na região metropolitana de São Paulo. Ele determinou que o número de presos fosse reduzido de 5.196 para, no máximo, 2 mil.

É com base na sua expertise que Semer coloca o dedo na ferida:

“Para fazer jus à sua tradição de órgão preocupado, desde o início, com o tamanho da população prisional, o CNJ não pode referendar tamanha censura à liberdade.

Como justificar punir uma juíza que expede alvará para quem já cumpriu pena da sentença, para um órgão que exige essa conduta em vistorias e realiza seguidos mutirões carcerários, para limitar o excesso prisional?

Quero crer que o CNJ não vai abrir mão de garantir a independência judicial e sua tradição de preocupações carcerárias”.

Para o juiz federal Silvio Luís Ferreira da Rocha, titular da 10ª Vara Criminal em São Paulo, não há outra solução que não seja o Conselho Nacional de Justiça julgar procedente a revisão e cancelar a pena de censura. Ele acredita que é o que CNJ fará.

“O CNJ é um órgão comprometido com os direitos humanos e não existe nenhum argumento válido que justifique a pena aplicada a doutora Kenarik”, salienta.

“Se o juiz constata que a pessoa cumpriu a pena à qual foi condenada, ele tem de expedir o alvará de soltura, condicionado, é claro, a ela não ter outras penas a cumprir”, argumenta. A medida se justifica para que o caso não se perca na burocracia.

O próprio Sílvio Rocha explica. Se o juiz é o relator, ele faz o relatório, manda para o juiz revisor, que encaminha o processo para o presidente da turma, pedindo que paute uma data para o julgamento.

Considerando férias, feriados, finais de semana, esse trâmite pode levar meses. Em consequência, a pessoa poderia ficar presa além do tempo necessário.

“Por isso, na defesa dos direitos fundamentais, a juíza Kenarik deveria ser premiada e não censurada”, sustenta o magistrado.

“A história da juíza Kenarik se confunde com o que há de melhor na história de magistratura brasileira”, diz, de saída,  Geraldo Prado, professor dos cursos de graduação e pós-graduação em Direito Processual Penal da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

O CNJ foi criado para permitir à sociedade acompanhar as atividades judiciárias, ter controle do investimento público na solução de conflitos. Mas também para assegurar a independência do magistrado em todas as instâncias.

Tanto que, nas sociedades ocidentais, uma das grandes preocupações do Judiciário nos últimos 30 anos  é com a garantia da independência.

“É para proteger os juízes das influências externas geradas pelo poder econômico e/ou político, assim como da pressão interna que os próprios tribunais poderão exercer sobre os magistrados”, afirma Geraldo Prado.

Nesse sentido, o caso da juíza Kenarik é emblemático. Demonstra cabalmente que é vital também a independência do magistrado em relação às instituições judiciárias.

“Em hipótese alguma não se pode confundir independência da magistratura com subserviência”, adverte.

Para o professor Geraldo Prado, a expectativa de que o CNJ dê razão à magistrada é muito boa.

“Dar razão à doutora Kenarik é proteger também a sociedade brasileira, pois estará assegurando a todos os juízes de qualquer instância independência para decidir”, avisa.

O professor Celso Antônio Bandeira de Mello detona: “É um absurdo, não tem o menor sentido o que está acontecendo com a juíza Kenarik. Juíza notável, respeitada. Uma mulher incomum”.

Seria perseguição política por suas posições progressistas? – pergunto-lhe.

“Não tenho a menor dúvida. Coisa de alguém que não tem a notoriedade nem a respeitabilidade dela”, arremata.

+ sobre o tema

Detenção de Mano Brown exemplifica a mensagem de Cores e Valores

Pedro Paulo Soares Pereira, 44 anos, também conhecido como...

A inteligência de cada um

Estudos mostram que a genética é crucial. Outros fatores...

Últimas tropas de combate dos EUA deixam o Iraque

Segundo redes americanas, tropas deixam o país em direção...

para lembrar

Índios proibidos de comer na escola

Vários casos de racismo e intolerância envolvendo alunos...

Desigualdade é o maior desafio da América Latina e Caribe, diz ministro brasileiro em reunião da ONU

“O vínculo entre desenvolvimento social e direitos humanos deve...

Professora da PUC aceita convite para Direitos Humanos de Temer

Procuradora e professora de direito constitucional e direitos humanos...

Cidade Maravilhosa, Cidade Militarizada

UM EFETIVO DE cerca de 85 mil — entre eles Força...
spot_imgspot_img

Ministério da Igualdade Racial lidera ações do governo brasileiro no Fórum Permanente de Afrodescendentes da ONU

Ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, está na 3a sessão do Fórum Permanente de Afrodescendentes da ONU em Genebra, na Suíça, com três principais missões: avançar nos debates...

Conselho de direitos humanos aciona ONU por aumento de movimentos neonazistas no Brasil

O Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH), órgão vinculado ao Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania, acionou a ONU (Organização das Nações Unidas) para fazer um alerta...

Ministério lança edital para fortalecer casas de acolhimento LGBTQIA+

Edital lançado dia 18 de março pretende fortalecer as casas de acolhimento para pessoas LGBTQIA+ da sociedade civil. O processo seletivo, que segue até...
-+=