‘No Brasil se julga mais quem cometeu o crime do que o ato em si’, afirma especialista

Por: Felipe Ribeiro e Adilson Arantes

 

O debate sofre a forma que a policia age no Brasil foi assunto na tarde desta quinta-feira (2) no Jornal da Banda B edição da tarde. Para o sociólogo Pedro Bodê, do Centro de Estudos em Segurança Pública e Direitos Humanos da Universidade Federal do Paraná, a violência no nosso país tem uma origem na escravidão e há uma separação clara entre duas partes da sociedade, a rica e a pobre.

“Tudo começa nos privilégios existentes no Brasil, é impossível separar a segurança pública da sociedade violenta e dos privilégios. Como exemplo, podemos pensar o porquê de separar quem tem curso superior dos outros detentos. Há diferenças se caso venham a cometer um homicídio”, questionou.

Segundo Bodê, a origem dessa separação vem da escravidão e o Brasil nunca conseguiu expurgar os malefícios da época. “Até hoje existem trabalhadores em serviço escravo. Quanto menos dinheiro, menos poder e menos direitos. Em nenhum outro lugar no mundo quem tem curso superior fica separado do resto da sociedade”, afirmou.

Bodê defende a ideia de que todo o cidadão tem direito a defesa e afirma que quem está na cadeia é a parcela pobre da sociedade, que não pode pagar para se defender. “Quem está na cadeia é o pobre. Cerca de 75% dos presos são os de pequeno delito, que se tivessem defesa, estariam cumprido penas alternativas. A defensoria pública está sendo instalada agora e o debate que ofereça penas alternativas esses delitos deve ser colocado”, comentou.

Reestruturação da Polícia

Durante a entrevista, Bodê afirmou que a polícia brasileira é preparada “para a guerra”, e a desmilitarização é um caminho a ser buscado. “As policias consideradas mais eficazes do mundo são as civis. O problema é da estrutura, do modelo, ela precisa ficar mais humana. O povo não é inimigo, o conceito de inimigo é o do extermínio”, garantiu.

Segundo ele, a polícia comunitária pode ser um caminho, mas propagar a “cultura da paz” é fundamental. “Vivemos na cultura do medo, da insegurança, e a insegurança leva à violência”, completou.

 

 

Fonte: Bandab

+ sobre o tema

Como um festival que celebra a cultura negra me ensinou o que é pertencimento

Resistimos porque estamos nos amando e subvertendo a noção...

Luta contra o racismo é fundamental para a reconstrução democrática

Nos Estados Unidos, o governo Biden está provando que,...

“Que desenvolvimento é esse que traz morte?”, questiona pescadora e líder quilombola

Eliete Paraguassu denuncia racismo ambiental e falta de ações...

Dilma: Lei de Cotas contribui para saldar dívida do Brasil com jovens pobres

Dilma: Lei de Cotas contribui para saldar dívida...

para lembrar

Blogueira enumera as cinco cantadas racistas mais comuns

"Você é uma morena muito bonita." "Você tem os...

Exaustão crônica reflete o mal-estar contemporâneo

Em 1974, Herbert Freudenberger usou o termo "burnout" para...

Maioria dos alunos já testemunhou cenas de preconceito racial na escola

Por: Conceição Freitas   A maioria dos alunos da rede pública...

Após adotar penteado afro, enfermeira é humilhada por chefe durante reunião

Funcionária está no quarto mês de gravidez e trocou...
spot_imgspot_img

O papel de uma líder branca na luta antirracista nas organizações 

Há algum tempo, tenho trazido o termo “antirracista” para o meu vocabulário e também para o meu dia a dia: fora e dentro do...

Mortes pela polícia têm pouca transparência, diz representante da ONU

A falta de transparência e investigação nas mortes causadas pela polícia no Brasil foi criticada pelo representante regional para o Escritório do Alto Comissariado...

Presos por racismo

A dúvida emergiu da condenação, pela Justiça espanhola, de três torcedores do Valencia por insultos racistas contra Vini Jr., craque do Real Madrid e da seleção brasileira. O trio...
-+=