No Marrocos, países reconhecem que precisam avançar em direitos humanos

Karine Melo

O delegado interministerial para os Direitos Humanos no Marrocos, Mahjoub El Hiba, reconheceu neste sábado (29) que o país precisa avançar na questão da paridade de gêneros e também em ações de combate à violência contra a mulher.

No caso específico do combate à violência contra a mulher, El Hiba destacou que, apesar dos esforços que já estão sendo feitos em seu país, é preciso fazer mais. O Marrocos partitipou do Primeiro Fórum Mundial de Direitos Humanos, realizado no Brasil no ano passado, e está sediando a segunda edição do evento, que termina domingo. El Hiba fez a declaração durante o lançamento do livro de memórias da edição brasileira do fórum, que também marcou a última participação oficial do Brasil no evento marroquino.

A expectativa de Mahjoub El Hiba, é que na próxima edição do encontro, o Marrocos possa avançar ainda mais ao identificar temas que, segundo ele, por enquanto, ainda não foram percebidos.

“Nenhum país que sedia um fórum dessa magnitude fica igual. É uma oportunidade ímpar de receber milhares de pessoas, ideias e práticas com o objetivo de avançar nos direitos humanos”, destacou a ministra Ideli Salvatti, da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República.

Para ela, quando Brasil, Marrocos e Argentina se dispõem a sediar um evento desse tipo, não há dúvida sobre o compromisso desses países com a promoção e a defesa dos direitos humanos. “Em nenhum dos três países, com certeza, tudo está pronto ou tudo está bem, mas realizar o fórum é reconhecer que é preciso avançar”, afirmou Ideli.

A próxima edição do Fórum Mundial de Direitos Humanos será em 2016, na Argentina. Inicialmente, a ideia era promover o encontro no ano que vem, mas como 2015 será um ano de eleições gerais no país vizinho, o secretário argentino de Direitos Humanos, Martín Fresneda, disse que realizar o fórum com os novos governantes do país eleitos será melhor.

Ao falar sobre que temas devem ser mais trabalhados na edição argentina, Fresneda adiantou que questões como a impunidade dos responsáveis pelo narcotráfico e as referentes à defesa da vida, dignidade e liberdade são fundamentais. “Os direitos humanos vêm reparar grandes tragédias, sempre com justiça e memória para ter sólidas bases democráticas que nos permitam ampliar essa rede”, disse o secretário.

Editora: Nádia Franco

 

Fonte: EBC

+ sobre o tema

Denuncie! Apenas 0,65% das vítimas de pornografia infantil na internet são identificadas

De todo o material contendo pornografia infantojuvenil apreendido pelas...

Jurema Werneck é a nova diretora executiva da Anistia Internacional Brasil

A Anistia Internacional no Brasil estará sob nova direção...

Inspirado em Mandela, começa Fórum Mundial de Direitos Humanos

Na abertura, ministra Maria do Rosário lembrou que "legados...

para lembrar

Cubanos chegam e já diagnosticam a doença do Brasil

Eles desembarcaram há apenas quatro dias. Ainda nem...

Como a mídia ajudou a construir o “mito” que ameaça a democracia

Décadas de discurso anti-política, anti-PT e em prol da...

Especialistas debatem formas de coibir Violência contra as Mulheres na mídia

O papel da mídia para legitimar as agressões contra...
spot_imgspot_img

Curso introdutório de roteiro para documentário abre inscrição

Geledés Instituto da Mulher Negra está promovendo formações totalmente online para jovens negres em todo o Brasil. Com um total de 6 formações independentes...

Desenrola para MEI e micro e pequenas empresas começa nesta segunda

Os bancos começam a oferecer, a partir desta segunda-feira (13), uma alternativa para renegociação de dívidas bancárias de Microempreendedores Individuais (MEI) e micro e...

“Geledés é uma entidade comprometida com a transformação social”, diz embaixador do Brasil no Quênia

Em parceria com a Embaixada do Brasil no Quênia, Geledés - Instituto da Mulher Negra promoveu nesta sexta-feira 10, o evento “Emancipação Econômica da...
-+=