No mês de julho, Paraná discute discriminação contra mulheres negras

A Rede de Mulheres Negras do Paraná, com apoio do Governo do Estado, promove neste mês o ‘Julho das Pretas PR’, uma extensa programação iniciada no dia 1º e que segue até o dia 29 com encontros, palestras, oficinas e apresentações culturais com o objetivo de estimular debate e reflexão para combater temas como racismo, sexismo, homofobia e demais formas de discriminação.

Do Massa News

A iniciativa também faz parte das comemorações do Dia Internacional da Mulher Negra Latino-americana e Caribenha, celebrada no dia 25 de julho (no Brasil esta data representa o Dia Nacional de Teresa de Benguela). A data é um marco internacional da luta e da resistência das mulheres negras.

“Esta é uma data muito importante. Mas acabar com o preconceito no país não é algo que deve ser feito em um único dia. É algo para fazermos constantemente. O racismo ainda é o principal fator que deixa as mulheres distantes de seus direitos”, ressaltou a coordenadora financeira adjunta da Rede de Mulheres Negras, Thaís Mendez de Souza.

Desde 2012 a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) implantou a Rede Mãe Paranaense, com o objetivo de reduzir os números de mortalidade e melhorar a assistência às gestantes no estado. Nele, as gestantes com características de raça e etnia negra estão estratificadas como risco intermediário. Entre 2006 e 2010, dados da Saúde mostram que a mortalidade materno-infantil de mães negras foi de 25,17 óbitos por cada nascido vivo (entre mães de etnia branca, os números são de 12,35 óbitos).

“Não é admissível que o preconceito faça parte dos serviços da saúde. Iniciativas como esta mostram a preocupação em enfrentar as questões do racismo em todas as suas perversas facetas” enfatizou o superintendente de Atenção à Saúde da Sesa, Juliano Gevaerd.

O governo do estado tem investido em políticas públicas para combater o problema do racismo institucional na saúde. Uma delas é a implementação da portaria 344 de 01/02/2017 do Ministério da Saúde, que orienta o profissional de saúde a respeitar a autodeclaração de raça/cor do usuário do SUS. Outro exemplo é a inclusão do quesito cor em todos os instrumentos de coleta de dados de pacientes em instituições públicas de saúde.

Intolerância

Estudos mostram que a mulher negra tem aumentado sua participação na sociedade. Isso se deve ao fato de terem maior acesso a universidades e ao mercado de trabalho. Entretanto, os números ainda estão abaixo do esperado. Para a organização do evento, a pior situação ainda está entre as mulheres que se declaram lésbicas ou bissexuais, que além do racismo são obrigadas a conviver diariamente com a lesbofobia e a bifobia

A Rede Mulheres Negras é uma organização sem fins lucrativos que surgiu em 2006 com a missão de promover a valorização das mulheres negras paranaenses na luta contra qualquer forma de discriminação. A organização reúne negras de todas as regiões do país, que atuam em áreas como educação, cultura, saúde, promoção e defesa dos direitos humanos e valorização da identidade de gênero e raça/etnia.

PROGRAMAÇÃO

  • 15 de julho
  • Oficina de Prevenção Combinada para Promoção da Vida Longa, com Saúde e sem Racismo
  • Local: Sede da Rede Mulheres Negras do Paraná. Rua Prof. Brasílio Ouvídio da Costa
  • Horário: 14h – 18h
  • 21 de julho
  • Encontro Estadual das Heroínas Negras Brasileiras – Lançamento do livro Heroínas Negras no Brasil
  • Local: Auditório do APP – Sindicato. Av. Iguaçu, 880 – Rebouças, Curitiba / PR
  • Horário: 19h
  • 22 de julho
  • Encontro Estadual das Heroínas Negras Brasileiras – Oficina de Cordéis
  • Local: Auditório do APP – Sindicato. Av. Iguaçu, 880 – Rebouças, Curitiba / PR
  • Horário: 19h – 21h
  • 22 de julho
  • 1º Pré-encontro das Negras Jovens Feministas
  • Local: Sede da Rede Mulheres Negras do Paraná. Rua Prof. Brasílio Ouvídio da Costa, 2251 – Santa Quitéria, Curitiba / PR
  • Horário: 14h – 18h
  • 24 de julho
  • Café com Arte, Literatura e Estética
  • Local: Espaço Salão Africanitude. Rua Francisco Saturnino d’Andrade, 56 – Sítio Cercado, Curutiba / PR
  • Horário: 10h – 17h
  • 25 de julho
  • Tenda em comemoração ao Dia Internacional Da Mulher Negra Latino-americana e
  • Caribenha – Dia Nacional Teresa de Banguela
  • Local: ‘Boca Maldita’ – Centro, Curitiba / PR
  • Horário: 10h – 17h
  • 25 de julho
  • Arraiá das Pretas (com palco aberto para mulheres negras artistas locais)
  • Local: Quintal da Maria. Av. Jaime Reis, 366 – São Francisco, Curitiba / PR
  • Horário: 18h – 22h
  • 28 de julho
  • Cine Debate
  • Local: Livraria Vertov. Rua Visconde do Rio Branco, 835, sala 02 – Mercês, Curitiba / PR
  • Horário: 19h
  • 29 de julho
  • Ato Julho das Pretas
  • Local: “Cavalo Babão” do Largo da Ordem. Rua Kellers, s/n – São Francisco, Curitiba / PR
  • Horário: 13h30
  • 29 de julho
  • 1º Seminário de Mulheres Negras de Cornélio Procópio – A Saúde da Mulher Negra e Ancestralidade
  • Local: Associação dos Negros de Cornélio Procópio (ANEPRO). Rua Antônio Silveira Brasil, 265 – Jardim Bandeira, Cornélio Procópio / PR
  • Horário: 08h – 17h
  • 29 de julho
  • Sarau Afrocuritibano – Sarau das Pretas
  • Local: Casa Hoffman. Rua Dr. Claudino dos Santos, 58 – São Francisco, Curitiba / PR
  • Horário: 19h – 21h

+ sobre o tema

‘Ainda faltam papéis para a mulher negra’ , diz Ruth de Souza

Filmes da atriz estão em cartaz em mostra no...

Assim falou Luiza Bairros

Nascida em 1953, a gaúcha de Porto Alegre Luiza...

Mortes de mulheres negras aumentam 54% em dez anos

A violência contra as mulheres brancas diminuiu, mas contra...

“Queremos representatividade para além do comercial de xampu”

A blogueira Rosangela J. Silva é nossa primeira entrevistada...

para lembrar

Léa Garcia

Nascida no Rio de Janeiro, em 11 de março...

Beyoncé canta Tina Turner em espetáculo futurista da nova turnê ‘Renaissance’

Numa performance brilhante, Beyoncé fez o primeiro de seus cinco shows...

A presença de uma Juíza Negra no STF é uma questão de coerência, reparação histórica e justiça

A Constituição Federal, estabelece como objetivo da República Federativa...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=