Noruega investiga ataque a bar gay como ato terrorista, e parada LGBTQIA+ é cancelada

Atirador preso depois de matar 2 e ferir 21 tem histórico de violência e de doenças mentais

A polícia da Noruega anunciou neste sábado (25) que investiga o ataque a tiros em uma casa noturna de Oslo como um ato de terrorismo extremista islâmico. Duas pessoas morreram e 21 ficaram feridas. Devido ao atentado, organizadores cancelaram a parada do Orgulho LGBTQIA+ que aconteceria na cidade.

O suspeito é um norueguês de 42 anos com origem iraniana e histórico de violência, de ameaças e de doenças mentais. Ele tem passagens pela polícia por porte de arma branca e de entorpecentes. O homem, cuja identidade não foi revelada pelas autoridades, foi detido logo após o ataque.

Segundo o chefe do serviço de inteligência da Noruega, Roger Berg, o atirador era monitorado pelas autoridades desde 2015 porque mantinha contato com uma rede islâmica, e havia preocupação quanto a sua radicalização. Membros da agência norueguesa conversaram com ele no mês passado, mas não consideraram na época que ele tinha “intenções violentas”. Por ora, acredita-se que ele tenha agido sozinho, mas a polícia ainda investiga se teve ajuda para preparar o ataque.

O ataque aconteceu na noite desta sexta (24, madrugada de sábado na Noruega). A cena do crime se estendeu do London Pub, um popular bar frequentado por pessoas LGBT no centro da cidade, até um clube vizinho e uma rua próxima. “Há razões para pensar que se trata de um crime de ódio”, disse o porta-voz da polícia, Christian Hatlo.

O jornalista Olav Roenneberg, da NRK, disse ao site da emissora que viu um homem chegar à casa noturna com uma sacola. Depois, ele começou a atirar. Duas armas descritas por Hatlo como “antigas” foram apreendidas no local do crime.

Dezenas de pessoas que estavam no bar no momento do ataque se esconderam no porão do estabelecimento e ligaram desesperadamente para amigos e familiares. “Parecia que estavam se despedindo”, disse Bili Blum-Jansen, que buscou abrigo no local. “Tive um pouco de pânico e pensei que se o atirador chegasse, todos estaríamos mortos. Não havia saída.”

Marcus Nybakken, 46, deixou o bar pouco antes do tiroteio, mas voltou para ajudar as vítimas assim que soube do ataque. “Muitas pessoas choravam e gritavam, estavam angustiadas e assustadas”

Por recomendação das autoridades, organizadores da Parada LGBT em Oslo anunciaram o cancelamento de todos os eventos que estavam previstos para este sábado. Pelas redes sociais, o primeiro-ministro da Noruega, Jonas Gahr Stoere, expressou solidariedade às vítimas.

“O tiroteio do lado de fora do London Pub em Oslo é um ataque horrível contra inocentes e profundamente chocante”, publicou Stoere. “Ainda não sabemos os motivos desse ato terrível, mas aos homossexuais que agora estão com medo e de luto, quero dizer que estamos juntos com vocês”.

O rei da Noruega, Harald 5º, também divulgou nota em que diz que ele e toda a família real ficaram devastados com a notícia do ataque. “Devemos permanecer unidos e defender nossos valores: liberdade, diversidade e respeito ao próximo”, afirmou o monarca.

De acordo com autoridades locais, dez dos feridos estão em estado grave, mas em situação estável. Outras 11 pessoas tiveram ferimentos considerados mais leves. Dois homens, de 50 anos e 60 anos, morreram ainda no local. Bandeiras com as cores do arco-íris, símbolo da causa LGBT, e buquês de flores foram colocados próximos ao local do ataque, que foi isolado.

A polícia reforçou seu efetivo em Oslo para lidar com eventuais novos ataques. O serviço de inteligência norueguês, por sua vez, elevou o nível de ameaça para “extraordinária”.

Geralmente pacífica, a Noruega viveu momentos de terror em 22 de julho de 2011, quando o extremista de direita Anders Behring Breivik matou 77 pessoas na sede do governo em Oslo e em uma reunião de jovens na Ilha de Utoya. A maioria das vítimas fazia parte da juventude do Partido Trabalhista da Noruega, de esquerda.

+ sobre o tema

Provas do Enem 2024 serão em 3 e 10 de novembro; confira o cronograma

O cronograma do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem)...

Da proteção à criação: os pós-docs negros da USP nas fronteiras da inovação

Desenvolvimento de produtos, novas tecnologias para a geração de...

Programa Erasmus oferece bolsas integrais na Europa

O Erasmus, programa promovido pela União Europeia para fomento a...

para lembrar

MEC limita idade para aluno entrar no 1º ano

Segundo projeto que será enviado ao Congresso, só crianças...

Aposentado aos 37 anos, FHC considera ‘razoável’ valor que recebe

Valor da aposentadoria de FHC pela USP está acima...

Plano Nacional de Educação: Carta aberta à sociedade brasileira e ao congresso nacional

      PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO:  A Campanha Nacional pelo Direito à...

Usando o faz de conta para falar de racismo

Escola de educação infantil em São Paulo usa bonecos...
spot_imgspot_img

Taxa de alfabetização chega a 93% da população brasileira, revela IBGE

No Brasil, das 163 milhões de pessoas com idade igual ou superior a 15 anos, 151,5 milhões sabem ler e escrever ao menos um...

Provas do Enem 2024 serão em 3 e 10 de novembro; confira o cronograma

O cronograma do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2024 foi divulgado nesta segunda-feira (13). As provas serão aplicadas nos dias 3 e 10...

Da proteção à criação: os pós-docs negros da USP nas fronteiras da inovação

Desenvolvimento de produtos, novas tecnologias para a geração de energia, manejo ecologicamente correto na agricultura e prevenção à violência entre jovens nativos digitais. Essas...
-+=