UE denuncia exploração a empregadas domésticas irregulares

As empregadas domésticas em situação irregular enfrentam em inúmeros casos uma situação de exploração e abusos que as tornam vulneráveis a “distintas formas de violência de gênero, incluindo a agressão sexual”, denunciou nesta terça-feira a Agência dos Direitos Fundamentais europeia (FRA, na sigla em inglês).

“O trabalho doméstico costuma ser realizado por mulheres (frequentemente imigrantes em situação irregular) vulneráveis a múltiplas formas de discriminação derivadas de distintas maneiras de violência de gênero, incluindo a agressão sexual, assim como a discriminação racial”, aponta uma das conclusões de um relatório divulgado nesta terça-feira em Viena.

Entre as formas de exploração mais documentadas estão os baixos salários, excessivas horas de trabalho, a ausência de seguro médico e cobertura por acidentes e doenças.

Esta situação é possível porque o trabalho doméstico, em geral, costuma estar menos sujeito a inspeções das autoridades do que outras formas de emprego, indica outra das conclusões do relatório.

“Uma vez que a pessoa se encontra no país e foi empregada apesar de sua situação irregular, as normas básicas do direito trabalhista e dos direitos humanos devem ser aplicadas”, declarou em comunicado o diretor da FRA, o dinamarquês Morten Kjaerum.

No entanto, esta exigência não se aplica em inúmeras ocasiões, já que o medo da deportação e da demissão desestimula as vítimas a denunciarem sua situação. Por outro lado, caso o trabalhador decida reportar a exploração às autoridades, enfrenta diversas barreiras.

Além do receio dos órgãos públicos por conta da situação irregular, fica difícil provar os vínculos trabalhistas por não terem um contrato assinado.

“Do mesmo modo, já que trabalham em um contexto doméstico, pode ser difícil provar um suposto caso de abuso, por exemplo”, acrescenta o relatório.

“Da perspectiva dos direitos fundamentais, é importante melhorar a situação de todos os trabalhadores do serviço doméstico na UE, independentemente de residirem regular ou irregularmente em um Estado-membro da União”, afirmou o diretor do FRA.

 

Fonte:  Terra

+ sobre o tema

Ana Maria Gonçalves anuncia novos livros 18 anos após lançar ‘Um Defeito de Cor’

Dois novos livros de Ana Maria Gonçalves devem chegar...

25 de julho: Dia da Mulher Negra da América Latina e do Caribe – Por: Fátima Oliveira

Em 1992, em Santo Domingo, na República Dominicana, realizou-se...

O falso feminismo interseccional ou o que importa é representar

Texto de Naila Chaves para as Blogueiras Feministas. Desde quando...

‘Nós, negros, aprendemos o que é racismo desde pequenininhos’, diz Gloria Maria

Jornalista relembrou declaração do passado sobre crimes raciais e...

para lembrar

Mulheres respondem por 32% das candidaturas apresentadas e 40% das consideradas inaptas

Levantamento do G1 analisa a participação das mulheres nas...

A construção da identidade da Mulher Negra na poesia de Elisa Lucinda

A nossa escrevivência não pode ser lida como história para...

Conheça os ‘ g0ys ’, homens que se relacionam entre si, mas não se dizem gays

Eles são homens que se relacionam entre si, mas...

O discurso da nova Miss Universo é extremamente necessário a todos

Zozibini Tunzi, da África do Sul, afirmou que a...
spot_imgspot_img

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...

Em reunião com a ministra das Mulheres, movimentos denunciam casos de estupros e violência em abrigos para atingidos pelas enchentes no RS

Movimentos feministas participaram de uma reunião emergencial com a ministra da Mulher, Cida Gonçalves, no final da tarde desta terça-feira (7), de forma online....

Documentário sobre Ruth de Souza reverencia todas as mulheres pretas

Num dia 8 feito hoje, Ruth de Souza estreava no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. O ano era 1945. Num dia 12, feito...
-+=