Nova-iorquinos agora podem marcar “X” no gênero em documentos de identidade

Enviado por / FontePor Zoe Sottile, da CNN

"Toda pessoa, independentemente de sua identidade ou expressão de gênero, merece ter um documento de identidade que reflita quem ela é", diz a governadora do estado, Kathy Hochul

Residentes de Nova York agora podem marcar “X” para seu gênero nos cartões de identificação do estado. A mudança é uma parte da Lei de Reconhecimento de Gênero, que foi aprovada pela assembleia do estado de Nova York em 2021.

Os nova-iorquinos podem alterar seu marcador de gênero para “X” em sua carteira de motorista, permissão de estudante ou carteira de identidade de não motorista nos escritórios do Departamento de Veículos Motorizados (DMV) em todo o estado, de acordo com um comunicado de imprensa da Gov. Kathy Hochul. A partir de julho, os moradores também podem alterar o marcador online.

“Enquanto nos preparamos para celebrar o Pride Month em alguns dias, estou empolgado em anunciar essa mudança histórica que representa mais uma vitória em nossa luta para ajudar a garantir igualdade e respeito à comunidade LGBTQ+”, disse Hochul no comunicado.

“Toda pessoa, independentemente de sua identidade ou expressão de gênero, merece ter um documento de identidade que reflita quem ela é”, disse ela. “Meu governo continua comprometido em garantir que Nova York seja um lugar de valor, amor e pertencimento para os membros da comunidade LGBTQ+”.

A Lei de Reconhecimento de Gênero entrará em vigor em 24 de junho. Além de permitir que os nova-iorquinos alterem seu marcador de gênero, a legislação permitirá que eles atestem sua própria identidade de gênero ao solicitar em um tribunal ou atualizar um documento de identificação.

A decisão ocorre no momento em que vários estados promoveram uma onda de legislação antitransgênero liderada pelos republicanos.

Em abril, o governador de Oklahoma, Kevin Stitt, assinou uma lei que proíbe marcadores de gênero não binários em certidões de nascimento. E no início desta semana, Indiana proibiu mulheres e meninas transgêneros de competir em equipes esportivas de escolas públicas consistentes com seu gênero.

Com a nova legislação, Nova York se junta a 24 estados que oferecem um marcador de gênero neutro em pelo menos alguns documentos oficiais, incluindo Nova Jersey e Pensilvânia.

“Este é um passo significativo na luta pela igualdade de vida para pessoas transgênero, não-binárias e não-conformes de gênero no estado de Nova York”, disse Carl Charles, advogado sênior da Lambda Legal, uma organização de direitos civis focada nos direitos LGBTQ.

A organização sem fins lucrativos entrou com uma ação em nome de Sander Saba, um transgênero não-binário residente em Nova York que buscava uma carteira de motorista que refletisse com precisão sua identidade de gênero não-binária.

“Os nova-iorquinos não-binários, transgêneros e não-conformes de gênero agora têm acesso a documentos de identidade precisos emitidos pelo Estado que são essenciais para a vida cotidiana em Nova York”, disse Charles.

+ sobre o tema

‘Sexo frágil’ – será?

Para início de conversa esse rótulo está ultrapassado. Em...

BA empossa 1ª transexual no serviço público do Estado

O transexual Paulo César dos Santos, de 25 anos,...

Índias levam bandeiras feministas às aldeias e assumem dianteira do movimento

Nascidas em aldeias indígenas no Acre, Letícia Yawanawá, 49...

para lembrar

Das 55 redações com nota mil no Enem 2018, 42 foram escritas por mulheres

Dados com o perfil dos candidatos e candidatas foram...

Sexo e gênero e a boçalidade eleita

"ANTES DA TRANSFORMAÇÃO DE UM HOMEM OU DE UMA...

Especialistas pedem mais compromisso com saúde de presidiárias

Se a realidade psicológica e social da mulher encarcerada...
spot_imgspot_img

Cuidado não é tarefa de mulher

O que é "cuidado" para você? Mulheres negras, sejam cis, trans ou travestis, talvez tenham uma resposta mais complexa. Existe o tempo de ser cuidada. Para...

Brasil atinge uma das três metas da ONU para acabar com epidemia de HIV/Aids

Um novo relatório divulgado pelo Programa Conjunto da ONU sobre HIV/Aids, Unaids, revela que o Brasil atingiu uma das três metas recomendadas para acabar...

LGBTs relatam experiências opostas em áreas centrais e periféricas de São Paulo

Uma vizinha disparou à mãe de Gabriel Santana, 23, que ele estava beijando outro na praça. Naquele dia, ele foi expulso de casa, em...
-+=