Novos tipos de família já são maioria no brasil

Pela primeira vez, o modelo de casal com filhos deixou de ser dominante nos lares do país. Segundo o IBGE, os novos tipos de famílias já representam 50,1% dos domicílios, relata Cássia Almeida. Nesse grupo, estão, por exemplo, casais sem filhos, pessoas morando sozinhas, mães sozinhas com filhos e pais sozinhos com filhos. Os especialistas atribuem as mudanças ao fato de o brasileiro hoje viver mais, à entrada da mulher no mercado de trabalho e a novos valores da sociedade

Autor(es): Cássia Almeida

Formação clássica “casal com filhos” deixou de ser maioria no Brasil: segundo o IBGE, representa 49,9% dos domicílios, enquanto outros tipos de famílias já somam 50,1%

A família brasileira se multiplicou. O modelo de casal com filhos deixou de ser dominante no Brasil. Pela primeira vez, o censo demográfico captou essa virada, mostrando que os outros tipos de arranjos familiares estão em 50,1% dos lares. Hoje, os casais sem filhos, as pessoas morando sozinhas, três gerações sob o mesmo teto, casais gays, mães sozinhas com filhos, pais sozinhos com filhos, amigos morando juntos, netos com avós, irmãos e irmãs, famílias “mosaico” (a do “meu, seu e nossos filhos”) ganharam a maioria. O último censo, de 2010, listou 19 laços de parentesco para dar conta das mudanças, contra 11 em 2000. Os novos lares somam 28,647 milhões, 28.737 a mais que a formação clássica. Para conhecer melhor essas famílias e as mudanças na vida dos brasileiros, O GLOBO inicia hoje uma série de reportagens.

Essa virada vem principalmente com a queda na taxa de fecundidade. Em 1940, a mulher tinha em média seis filhos, hoje tem menos de dois, fazendo a população crescer mais devagar e ficar mais velha. Ao optar por uma família menor, a mulher entrou forte no mercado de trabalho: em 1969, elas eram 27,3% da força de trabalho, em 2009, 43,6%. A renda feminina trouxe a segurança para a mulher seguir seu caminho sem marido e os costumes chegaram à legislação, como a nova lei do divórcio, que dispensa a mediação do juiz. E, lembra o sociólogo Marcelo Medeiros, da UnB, o trabalho feminino distribuiu melhor a renda:

– Menos filhos e mais renda ajudaram a reduzir a desigualdade.

Viver pelo mundo é mais barato que no Rio

Os casais sem filhos crescem e já chegam a dois milhões. São os dinks, sigla em inglês para “Dupla renda, nenhum filho”. Vinicius Teles e Patrícia Figueira são exemplo. Eles só têm endereços temporários pelo mundo ou os contatos eletrônicos. No Facebook, não poderia ser mais apropriado: Casal Partiu. Embora tenham se conhecido em Niterói, eles agora não têm casa: passam quatro meses no Brasil e, no resto do ano, vivem em países como Líbano, Japão, Argentina, Grécia, Índia ou Nova Zelândia. Juntos há dez anos, sempre tiveram uma certeza: não teriam filhos. A decisão de viver pelo mundo foi tomada com a evolução da carreira de ambos: ele trabalha remotamente na criação de softwares e ela é fotógrafa de casamentos.

– Não somos milionários. Viver viajando pelo mundo, mesmo na Europa, é mais barato que ter casa no Rio – afirma Vinícius.

– Nossas famílias cobravam os filhos, hoje entendem, isso é mais comum – diz Patricia.

– Antes, a realização era casar e ter filhos. Hoje os dinks são quatro milhões de pessoas, de renda alta, moram em apartamento e grandes metrópoles – diz José Eustáquio Diniz, professor da Escola Nacional de Estatística, do IBGE.

Os desafios para o IBGE permanecem. O instituto ainda não mede casados em casas separadas e filhos que têm duas casas. Ana Saboia, coordenadora de Indicadores Sociais, estuda como outros países tratam essas novíssimas famílias.

 

 

Fonte: Globo

+ sobre o tema

SP: Colaboradora de candidata trans é agredida com mordidas na Av. Paulista

Patrícia Borges, mulher trans e colaboradora da candidata à...

Mulher negra é quem paga mais impostos no Brasil

Levantamento do Instituto de Estudos Socioeconômicos aponta que os...

Marido de Fabíola pagará indenizações a ex-esposa e ao cunhado

Pior que a dor da traição será o prejuízo...

Você conhece a história da primeira deputada negra do Brasil?

Antonieta era menina pequena quando andava pela pensão da...

para lembrar

Não deixe de AMAR! Projeto Psicopretas precisa da nossa colaboração

A AMAR – Associação de Mulheres de Ação e...

Brasília: Ação da Secretaria de Saúde conscientiza sobre violência contra mulheres

Violentômetro será disponibilizado por toda a rede de saúde...

Se eu olhasse só o debate nas redes sociais, sairia correndo, afirma Patricia Hill Collins

Sair da lógica da destruição do oponente, aprender a...

Elza Berquó: “O sexo é um direito das mulheres na velhice”

A demógrafa identifica um novo comportamento nas mulheres acima...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=