Ana Reis: O bio-tecno-negócio avança sobre a reprodução humana

A Folha de São Paulo, em matéria recente, divulgou que o Conselho Regional de Medicina de São Paulo resolveu permitir o empréstimo de, conforme diz a chamada, “barrigas de não parentes”.

por Ana Reis

Resoluções anteriores do Conselho Federal de Medicina limitavam esse “empréstimo” aos casos de parentes de primeiro e segundo graus.

Como a resolução atual abre a possibilidade de práticas consideradas ilegais (a mercantilização de partes do corpo*) se disseminarem, o conselheiro Reinaldo Ayer de Oliveira, professor de bioética da USP adverte, segundo a FSP, que “não temos poder de polícia”.

Para quem acompanha o desenrolar da penetração das tecnologias da engenharia da reprodução sabe, de há muito, do intenso comércio que se estabeleceu pelo mundo, envolvendo óvulos, semen, embriões e corpos de mulheres , sem falar do boom de hormônios e equipamentos, além, ainda, do campo de trabalho aberto para profissionais da biologia, da medicina e da área jurídica.

A assim chamada reprodução “assistida” tornou-se, nos últimos 30 anos, como informou em já em 2009 o IVF NEWS, uma indústria global multi-bilionária.

Acrescente-se a esse complexo de “insumos” a terapia de reparação dos tecidos e tudo o que possibilitam as células-tronco embrionárias e o bio-tecno-negócio se revela importante ponta de lança da expansão das fronteiras da acumulação do capital, ávido por novas possibilidades, sobretudo em tempos de crise.

O reconhecimento, por parte do conselheiro, da impossibilidade de se controlar a circulação desses “insumos” e dos contratos que se fazem entre clínicas e clientes, coloca importantes questões para a discussão da sociedade.

Impõe-se, de saída, a indagação que gostaria de destacar aqui. Se os Conselhos não podem controlar a circulação de gametas e embriões, como podem se outorgar o poder de decisão sobre quem pode ou não gestar para outrem, numa campo tão fundamental como é o das estruturas de parentesco? E mesmo se pudessem exercer esse controle, quem autorizou o poder médico a decidir sobre elas?

A maternidade sub-rogada (esse seria o termo adequado, não fosse a novela da Globo ter carimbado para todo o sempre a prática como “barriga de aluguel”) envolve inéditas configurações da filiação. A fragmentação do processo procriativo pode fazer com que até 6 pessoas possam ser “mães” e “pais” de uma criança.

O que acaba ditando, no final, a quem essa criança “pertence” é o contrato firmado entre as partes. E a gestação remunerada ou não, cada vez mais, remete as mulheres à concepção de “vasos receptores”, prestadoras de serviços. Basta verificar as clínicas na India, onde as “gestadoras” passam a gravidez sob vigilância médica, para garantir a boa qualidade do “produto” negociado. (Conheça, por exemplo, o Kiran Infertility Centre, uma companhia que se anuncia como ISO 9001-2008 aqui).

O arranjo jurídico, supostamente é fruto de um pacto social. Esse tem sido o teatro organizado pelas democracias burguesas, cuja direção, como sabemos, não dá protagonismo às fêmeas da espécie.

Assim, as estruturas de parentesco (ainda) são decididas em instâncias outras que o consultório ou as clínicas de reprodução humana. As quais, sempre é bom lembrar, passaram a ser denominadas “bancos de material células e tecidos germinativos” pelo órgão estatal encarregado da vigilância sobre esse “capital” aí estocado. O que não é fato desimportante nesse cenário onde a descrição de participantes na procriação envolve cada vez mais aspas, visto o deslocamento que as técnicas impõem aos conceitos conhecidos de maternidade e paternidade e que vão se tornando obsoletos.

É bom lembrar que o STF, na decisão sobre uso de embriões para pesquisa e terapia, decidiu que aqueles que foram criados em laboratório são de outra natureza (com o perdão da ironia) que os desenvolvidos nos úteros.

Ao que parece, a sociedade tem sido parcamente informada dessas decisões, uma vez que o lobby do bio-tecno-negócio é eficaz na manutenção do tom de espetáculo com que essas questões têm sido discutidas.

Aprendemos com o nazi-fascismo europeu e norteamericano o que resulta dos critérios biológicos na organização da reprodução nas populações. O racismo e a misoginia estruturantes do processo higienista, acrescidos da busca por lucros exponenciais, em tempos de patenteamento de tecidos humanos, desenham perspectivas extremamente preocupantes.

A recente tentativa de proibir a realização de partos domiciliares assistidos (esses sim, assistidos) por parte do CREMERJ recebeu fortes reações e foi revertida.

Vamos aguardar como reage a sociedade (tão desatenta) a essa nova investida.

*Gostaria de ressaltar o absurdo de considerar a gravidez como um evento que ocorre exclusivamente no útero e lembrar a cartilha distribuída em 1985 pelo PAISM : “A gravidez não acontece só no útero”.

 

Fonte: Viomundo 

+ sobre o tema

Páginas negras: Léa Garcia, os rappers e as influências do movimento negro

No livro Damas Negras, de Sandra Almada, a atriz...

Única, poderosa, absoluta

Espetacular! no HuffPost Brasil A incrível Simone Bailes, ouro na ginástica...

Os prós e os contras

Fonte: Jornal Correio Braziliense - Coluna Opinião Há anos vimos...

Meu cabelo não é duro, meu cabelo não é crespo

Estou atrasada pelo menos 2-3 anos para escrever esta...

para lembrar

‘Não me sinto segura para voltar à escola’, diz espancada

Casos de meninas agredidas por serem "bonitas demais" se...

Mulheres Africanas – A Rede Invisível (legenda em português / trailer)

Este documentário apresenta a trajetória de lutas e conquistas...

Magno Malta quer revogação de portaria que oficializa aborto

O senador Magno Malta (PR-ES) anunciou em Plenário, nesta...
spot_imgspot_img

Defender Maria da Penha é defender a vida das mulheres, os direitos humanos e a democracia

Maria da Penha está sendo ameaçada de morte. Foi necessário que a ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, recorresse ao governador do Ceará, Elmano de Freitas,...

Naomi Campbell celebra 40 anos de carreira com exposição em Londres

Para celebrar os 40 anos de carreira, a supermodelo britânica Naomi Campbell, 53, ganhou uma exposição no Museu Victoria & Albert, em Londres, na Inglaterra. Intitulada “Naomi: In...

O pior conselho de carreira que Lupita Nyong’o recebeu após ganhar um Oscar

Após vencer o Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante pelo papel em 12 Anos de Escravidão (2013), Lupita Nyong'o recebeu diversos conselhos.  Uma década depois da vitória do prêmio, a atriz relembrou...
-+=