O dia em que mudei de ideia sobre as cotas

As cotas raciais nas universidades são um assunto bem polêmico. Eu sou branco, e sempre fui contra. “Se eu acerto 80% das perguntas, como posso perder a vaga para alguém que acertou 79%, só porque ele é negro?”, eis a pergunta, a questão, a razão da indignação.

por Fábio Burch Salvador via Guest Post para o Portal Geledés

Bom. Eu ainda considero injusto, do ponto de vista individual, que um sujeito não ocupe uma vaga tendo acertado mais questões do que o outro. Minha visão é matemática, cartesiana. Nasci para ser Spock. Gosto de sistemas de cálculo livres de condicionantes.

Mas chegou o dia em que passei a apoiar as cotas.

Foi assim: eu estava vendo TV, e estávamos bem no meio daquela polêmica dos médicos cubanos. Uma brasileira chegou a dizer que as médicas da ilha de Fidel nem tinham “cara de médica”, e sim, “cara de empregada doméstica”. Claro! As cubanas eram, em sua maioria, mulheres de baixa estatura, e negras ou mestiças.

Uma luz brilhou na minha cabeça: se eu pegasse uma foto, mostrando uma mulher loira e alta ao lado de outra, negra, meio gordinha, e dissesse às pessoas que ali havia uma médica e sua faxineira, tenho certeza que 99% das pessoas apontaria a branca como sendo a médica.

Leia também: As cotas para negros: por que mudei de opinião por William Douglas, juiz federal (RJ)

Porque a outra, segundo o senso comum, tem “cara de doméstica”.

No século retrasado, teria “cara de escrava”. Ou seja, evolução que é bom, nada.

E aí passei a apoiar as cotas: elas devem existir até que hajam tantas médicas negras nos hospitais ao lado das médicas brancas, que as pessoas passem a ser incapazes de determinar quem é a faxineira, ao olhar para a foto.

Precisamos das cotas até o dia em que, ao entrar no Fórum, não fiquemos adivinhando quem é advogado, policial ou bandido só olhando a cor da pele.

Hoje apoio as cotas – tapando os olhos para o aspecto das pequenas injustiças pessoais que certamente ocorrem (o negro de família abastada que se beneficia, por exemplo, e tira a vaga de um outro jovem, branco mas “mal nascido”). São pequenas coisas. Não se faz omelete sem quebrar uns ovos.

Apoio porque é um instrumento essencial para misturar todas as cores em todos os níveis sociais e em todas as ocupações. E relegar ao passado essa odiosa noção, que nos parece tão natural (a brancos e negros), de olhar para uma pessoa, por sua pele, seu cabelo, e dizer que ela tem “cara de” qualquer coisa.

+ sobre o tema

Primeira mulher trans a liderar bancada no Congresso, Erika Hilton diz que vai negociar ‘de igual para igual’

A deputada federal Erika Hilton (PSOL-SP) foi aclamada nesta quarta-feira como...

Estrela do Carnaval, ex-passista Maria Lata D’Água morre aos 90 anos em Cachoeira Paulista, SP

A ex-passista Maria Mercedes Chaves Roy – a ‘Maria...

Aos ‘parças’, tudo

Daniel Alves da Silva, 40 anos, 126 partidas pela...

Iniquidades raciais e as mudanças do clima

O verão brasileiro, embora conhecido pelas belíssimas praias, férias...

para lembrar

ROSELI FISCHMANN: Currículo de desigualdades

A crise desencadeada pelo Enem é proporcional à sua...

Cotas, o branqueamento e a discriminação racial

Durante a última semana, houve bastante repercussão sobre a...

Estudante negro cotista se forma com o melhor desempenho da turma

Edgar Nascimento teve a melhor nota média no curso...

A professora, o aluno negro, as cotas e o racismo que muita gente não quer ver

Na ultima semana nos deparamos com a mais nova...
spot_imgspot_img

Não entraria em avião pilotado por cotista?

"Responda com sinceridade, leitor. Você entraria confortavelmente num avião conduzido por alguém que, pelo fato de pertencer à minoria desfavorecida, recebeu um empurrãozinho na...

Somente 7 estados e o DF têm cotas para negros em concursos públicos. Veja quais

Adotadas no Executivo federal, as cotas raciais nos concursos para entrada no serviço público avançam em ritmo bem lento nos outros níveis de governo,...

Lula sanciona hoje nova lei de cotas universitárias; entenda

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sanciona, nesta segunda-feira (13/11), a nova lei de cotas, atualização que reserva pelo menos 50% das vagas...
-+=