O estilão inconfundível de Luiza Bairros e o Dia da Mulher Negra

“Em 1992, em Santo Domingo, na República Dominicana, realizou-se o 1º Encontro de Mulheres Afro-latino-americanas e Afro-caribenhas, do qual decorreram duas decisões: a criação da Rede de Mulheres Afro-latino-americanas e Afro-caribenhas e a definição do 25 de julho como Dia da Mulher Afro-latino-americana e Caribenha.

Por Fátima Oliveira, do O Tempo

Ilustração Duke/O Tempo

“A data objetiva ser polo de aglutinação internacional da resistência das negras à cidadania de segunda categoria na região em que vivem, sob a égide das opressões de gênero e étnico-raciais, e assim ‘ampliar e fortalecer organizações e a identidade das negras, construindo estratégias para o enfrentamento do racismo e do sexismo’.

“(…) Faltam esforços dos governos para a efetivação dos nossos direitos humanos. Partícipes das lutas das mulheres em geral, incluindo o Dia Internacional da Mulher, nós, as negras feministas, sabemos que é preciso uma data toda nossa a partir da compreensão de que não há uma mulher universal. Entre as mulheres há fossos de classe e raciais-étnicos; e a ‘sororidade’ entre as mulheres é algo que não existe. Então, temos de estar na luta por nossa própria conta” (“25 de julho: Dia da Mulher Negra da América Latina e do Caribe”, O TEMPO, 23.7.2013).

Só em 19.7.2013 a então presidente Dilma Rousseff recebeu, pela primeira vez, lideranças de mulheres negras, reunião arduamente articulada pela então ministra Luiza Bairros (1953-2016), da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, na qual foi reafirmado o compromisso do governo no combate à discriminação racial, o reconhecimento do racismo institucional e esforços para implantar o ensino da cultura africana nas escolas.

Na ocasião, faltou Padilha, o então ministro da Saúde, engavetador da Política Nacional de Saúde Integral da População Negra e que, na Rede Cegonha, “esqueceu” o recorte racial-étnico! A omissão era abissal: o programa foi enterrado com uma caveira em algum canto do Ministério da Saúde, diante do que lacrei: “Há algo simples que um governo antirracista precisa fazer, que não foi assumido, mas basta vontade política: entender que só combater a pobreza é pouco para debelar o racismo” (O TEMPO, 26.4.2011) porque pobreza é uma coisa e racismo é outra; e, embora possam estar juntas, têm dinâmicas diferentes!

No atual cenário nacional de trevas, tentam impor a agenda de demolição da universalidade do SUS, flertam com o fundamentalismo e não reconhecem o racismo na saúde. Busquemos brechas antirracistas nos Estados, pois ficamos no “ora veja”, apesar das pelejas de Luiza Bairros, a quem digo “obrigada pela turronice e teimosia!”

Escrevi “Saúde da População Negra: Brasil Ano 2001” por estímulo/exigência do tino político de Luiza Bairros, à época no Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, que buscou recursos na Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), e naquele estilão inconfundível Luiza Bairros, com a minuta do contrato de consultoria na mão, disse-me: “Fátima, está aqui o recurso, tire férias/licença e escreva o que só você escreverá! Ou não o teremos”. Não consegui férias nem licença, e meu computador “escangalhou” para sempre! Aluguei um. Computadores eram caríssimos naquela época! Entreguei a consultoria no prazo: três meses. Emagreci 10 kg! Em alguns dias, desejei virar lenda!

“Saúde da População Negra: Brasil Ano 2001”, de minha autoria, obra de grande projeção internacional, é a primeira sistematização sobre saúde da população negra escrito no Brasil, produto de uma consultoria para a Opas; foi idealizada por Luiza Bairros.

+ sobre o tema

Conheça a vereadora que desbancou políticos tradicionais e bateu recorde de votação em BH

Pela primeira vez na história de Belo Horizonte, uma...

Estudante branco agride mulheres negras durante Virada Antirracista na UFSC

No dia de protesto antirracismo na UFSC, hoje (25), o...

Sobre o maçante e doloroso assunto “Solidão da mulher negra”

Tem um ponto a respeito do maçante e doloroso...

para lembrar

Léa Garcia

Nascida no Rio de Janeiro, em 11 de março...

Beyoncé canta Tina Turner em espetáculo futurista da nova turnê ‘Renaissance’

Numa performance brilhante, Beyoncé fez o primeiro de seus cinco shows...

A presença de uma Juíza Negra no STF é uma questão de coerência, reparação histórica e justiça

A Constituição Federal, estabelece como objetivo da República Federativa...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=