O Facebook e suas propagandas de emagrecimento assustadoras – Por: Jarid Arraes

“Se o seu gênero no Facebook está configurado no feminino, você provavelmente já deve ter visto um destes anúncios” – é o que diz a página no Facebook Media Vs. Women, que publicou essa semana uma montagem com recortagens preocupantes de propagandas exibidas na rede social.

Na imagem, é possível ver fotos de mulheres em estágios extremos de magreza, com legendas conflituosas oferecendo o alcance de tal magreza às usuárias do Facebook. Esse tipo de propaganda levanta uma suposta polêmica ao incitar métodos radicais de emagrecimento e reforçar a eficiência dos mesmos. “Ao clicar no anúncio, somos levados a uma série de páginas falsas de grandes veículos da mídia, como o R7 ou a Revista Boa Forma e até mesmo a CNN, com apoio e depoimentos falsos de celebridades, incluindo o uso indevido da imagem de celebridades como Ivete Sangalo e Britney Spears. O nome dos supostos medicamentos varia (Cenalet, Max Burn) e não há qualquer indicação do que são as substâncias ou se estão aprovadas para a venda. Chegam a sugerir o uso durante a gravidez.” – diz o texto que acompanha a montagem.

A partir disso, resta o questionamento inevitável: o que leva o Facebook a aprovar tais propagandas?

É óbvio que uma empresa com o porte do Facebook tem setores próprios responsáveis pela área publicitária de sua página, assim como pela análise das propagandas anunciadas por terceiros. O Facebook recebe dinheiro por cada propaganda e seus algoritmos internos tratam de selecionar quais propagandas aparecem para quais usuários. Essa seleção é influenciada por vários fatores culturais, incluindo a reprodução constante dos papéis de gênero – isso significa que o mero assinalar do sexo feminino no seu perfil é suficiente para que propagandas dirigidas para as mulheres, tais como as de emagrecimento, apareçam.

A gigante rede social já conta com um longo histórico de problemas relacionados à misoginia, contando com uma política de uso que permite imagens de apologia a violência contra mulheres, mas excluindo campanhas de câncer de mama por mostrarem o seio feminino. Assim, não é surpreendente que propagandas absurdas como as da foto, envolvendo uma perda de peso tremenda e perigosa, continuem a ser exibidas. O que é difícil de engolir é que o Facebook não tenha sequer uma equipe para passar o olho sobre os anúncios antes de publicá-los. Não há qualquer preocupação em informar a composição, os efeitos colaterais ou mesmo a legalidade das substâncias vendidas. A responsabilidade por isso, nesse caso, não é somente de quem paga para ter seu anúncio veiculado nas laterais da página, mas também da empresa que vende esse espaço sem qualquer interesse quanto a segurança de quem clica.

Transtornos alimentares como a Anorexia e Bulimia são reforçados constantemente pelas imagens de mulheres magras exibidas em toda a mídia. Há até mesmo uma cultura de “thinspiration” , que trata de motivar as mulheres a emagrecerem induzindo hábitos perigosos para que possam alcançar o objetivo. Não há critério que coloque a saúde acima do emagrecimento; o que importa é perder gordura, não importa como isso aconteça.

É por conta disso que não basta questionar a cultura da magreza; é preciso também criticar aqueles que reforçam padrões tão absurdos, induzindo hábitos perigosos e o consumo de substâncias nocivas. Se redes sociais como o Facebook não tomam providências para que esses anúncios deixem de ser exibidos livremente em suas páginas, é preciso que lutemos para que haja um levantamento dos fatos e possibilidade de responsabilização.

Fonte: Revista Fórum

+ sobre o tema

Riley Maida, 4 anos questionando o sexismo da indústria de brinquedos (legendado)

Para ativar legendas no YouTube, aperte no botão CC...

Aumenta procura de gays russos por asilo nos Estados Unidos

Se tivesse ficado na Rússia, Andrew Mironov teria se...

para lembrar

Denegrindo e Feminizando o cinema estadunidense

O Filme baseado em poemas da feminista Ntozake Shange,...

Irlanda traz à tona a vergonha das lavanderias católicas

O governo da Irlanda trouxe à tona de novo...

Casal de transgêneros dá à luz um filho em Porto Alegre

A mãe, que nasceu Andressa, teve o bebê na...
spot_imgspot_img

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...

Em reunião com a ministra das Mulheres, movimentos denunciam casos de estupros e violência em abrigos para atingidos pelas enchentes no RS

Movimentos feministas participaram de uma reunião emergencial com a ministra da Mulher, Cida Gonçalves, no final da tarde desta terça-feira (7), de forma online....

Documentário sobre Ruth de Souza reverencia todas as mulheres pretas

Num dia 8 feito hoje, Ruth de Souza estreava no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. O ano era 1945. Num dia 12, feito...
-+=