O mapa da LGBTfobia em São Paulo

Ano após ano, relembramos que o Brasil é campeão em vilipendiar pessoas por serem quem são

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de uma fonte mais confiável do que os boletins de ocorrência, embora estes se complementem. A criminalização da LGBTfobia foi reconhecida pelo STF apenas em 2019, e as polícias ainda engatinham no treinamento de seus agentes, apesar da construção de protocolos policiais.

Considerado o mesmo período de 2015 a 2023, houve um salto de 1.424% dos BOs envolvendo LGBTfobia, totalizando 3.868 vítimas. O estudo foi conduzido pelo Instituto Pólis e publicado nesta semana do Dia Internacional Combate à LGBTfobia (17 de maio) e do Dia do Orgulho de ser Trans e Travesti (15).

Público estende bandeira durante a 23ª Parada do Orgulho LGBT, na avenida Paulista, em São Paulo – Eduardo Anizelli – 23.jun.2019/Folhapress – Folhapress

O estudo paulistano permite avançar em políticas públicas de prevenção e enfrentamento, porque o relatório elabora um mapa da LGBTfobia ao identificar padrões territoriais diferentes do fenômeno. Os tipos de violência contra pessoas LGBTQIA+ são diversos entre si. Racismo e LGBTfobia se retroalimentam: homens, jovens e negros são maioria entre as vítimas de violência física; e 79% das vítimas de LGBTfobia envolvendo policiais são pessoas negras.

Redes de apoio a mulheres fora da região central são fundamentais: mulheres negras e jovens são mais vítimas de violência sexual dentro de casa (59%) e, em geral, a violência contra mulheres LGBTQIA+ ocorre em distritos afastados e de menor renda. Policiamento preventivo e unidades multidisciplinares são igualmente essenciais em bairros com mais locais de sociabilidade de pessoas LGBTQIA+: nestes bairros há, também, mais casos de violência perpetrada nas vias públicas.

Ano após ano, relembramos que o Brasil é campeão em vilipendiar pessoas por serem quem são: uma pessoa LGBTQIA+ morre violentamente a cada 38 horas. Já passou do momento de honrar o nosso luto desenhando soluções transformadoras para que as nossas datas não sejam, repetidamente, repletas de obituários que poderiam não ter existido.

+ sobre o tema

Naruna Costa é a primeira mulher negra a ganhar o prêmio APCA de melhor direção

Ano passado, Bia Lessa foi a primeira mulher a...

Sobre amor e cor

"Ó praí meu olho como já fica". Carla Akotirene,...

Um amor que bagunce meu cabelo e não minha vida

Eu, mais que tudo, quero um amor que compartilhe...

Novo Projeto Reporta: Internet, Vozes e Votos

Períodos eleitorais são momentos de ampliação de debates na...

para lembrar

Cresce o número de mulheres que ganham mais que seus maridos, mostra estudo

O poder financeiro das mulheres em casamentos heterossexuais está...

Em breve: Curta O Gênero 2013

Ong Fábrica de Imagens realiza segunda edição do projeto...

Sojourner Truth traz duro discurso contra a invisibilidade

“Aquele homem ali diz que é preciso ajudar as...

Monogamia para quem precisa – Por: Maíra Matos

Uma resposta ao artigo “A evolução do cafajeste (3): É...
spot_imgspot_img

Leci Brandão recebe justa homenagem

A deputada estadual pelo PC do B, cantora e compositora Leci Brandão recebe nesta quarta (5) o Colar de Honra ao Mérito Legislativo do...

Mais de 11 milhões de mulheres deixam o mercado de trabalho no Brasil

Pesquisa inédita do Centro de Pesquisa em Macroeconomia das Desigualdades (Made), da USP, sobre o custo da maternidade no Brasil mostra que 6,8 milhões...

Bebê nasce com o DNA dos dois pais no dia do combate à homofobia

Antonella nasceu em uma data simbólica e de resistência, 17 de maio, quando é celebrado o Dia Internacional contra a Homofobia e a Transfobia....
-+=