O Maranhão é do povo: as urnas consagraram o “xô, Sarney” – Por: Fátima Oliveira

O Brasil que emergiu das urnas em 5 de outubro fincou mais um marco de um novo tempo com a eleição de Flávio Dino a governador do Maranhão. A República se vê livre de quase 50 anos do nefasto Sarney agindo como dono do Maranhão, pois ele comandava a oligarquia mais longeva da República e deixa como legado muita miséria e pobreza, tanto que um pouco mais da metade do povo maranhense “escapa” com o Bolsa Família.

Por: Fátima Oliveira

Eis porque o governador eleito disse em sua primeira entrevista: “Vamos fazer um pacote especial de providências para as cidades com os menores Índices de Desenvolvimento Humano (IDH). Quando eu terminar o governo, não vai haver nenhuma cidade do Maranhão nesse ranking vexatório”.
E pensar que tudo começou porque o vivaldino Sarney obteve o apadrinhamento de Rachel de Queiroz, prima do então ditador Castelo Branco, para ser sagrado o indicado dos militares para concorrer ao governo do Maranhão, o que obrigou os políticos maranhenses ao degustamento de Sarney e ao povo uma opressão de 50 anos!

Ressalto que a querida escritora Rachel de Queiroz apoiou o golpe militar, fato que hoje quase todo mundo relativiza. Sarney foi visitá-la em sua fazenda Não Me Deixes, em Quixadá, no Ceará! Correu o boato, por baixo de sete capas, de que Sarney comprou baratinho sua candidatura a governador. Bastou chegar a Não Me Deixes com cestos e cestos de camarão seco, carne de sol e avoantes (Marcos Nogueira, em “A estratégia de Sarney para se eleger governador do Maranhão em 1965”).
O fato inconteste de que mais da metade da população maranhense sobrevive do Bolsa Família nos leva à indignação. A fome é um tema muito estudado e sobre o qual há inúmeras opiniões. É quase unânime que o espectro da fome é de uma crueldade vil e que os governos que permitem que seu povo passe fome são desumanos. Estamos em 2014, e tantos anos depois da publicação de “Geografia da Fome” (1946), do médico brasileiro Josué de Castro (1908-1973), a sua constatação de que “metade da humanidade não come; e a outra metade não dorme, com medo da que não come”, só começou a ser superada, no Maranhão, após a instituição do Bolsa Família pelo governo federal! Há muito por fazer para minorar o sofrimento das pessoas menos favorecidas.

Sobre a fome, apresentei no 6º Congresso Mundial de Bioética (Brasília, 30.10 a 3.11.2002) o ensaio “Feminismo, raça/etnia, pobreza e bioética: a busca da justiça de gênero, antirracista e de classe…”, no qual digo que “A pobreza deve ser contextualizada e reatualizada a cada momento que nos referimos a ela. As pessoas pobres são catalogadas como populações supérfluas – alijadas do mercado de consumo e de trabalho, logo descartáveis. A Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) afirmou, em 2001, que há no mundo 1,2 bilhão de pessoas vivendo, cada uma, com menos de US$ 1 por dia e que 75% delas habitam áreas rurais, onde a economia é baseada na agricultura. Logo, é um mito a crença de que a pobreza está concentrada nas regiões urbanas.

Por que a notícia de o Brasil ter sido excluído do Mapa da Fome, pela FAO, recentemente, foi quase escondida pela grande mídia? Elementar: a fome e a miséria evidenciam que a opulência e a riqueza de poucos, historicamente, integram a perversidade dos sistemas de concentração de renda e de exploração; logo a fome e a pobreza são problemas políticos. E, inegavelmente, o Bolsa Família as enfrenta como problemas políticos, o que não é pouco.

 

 

Fonte: O Tempo 

+ sobre o tema

O Brasil deveria comercializar o que tem de melhor: o seu povo

Ouvi no rádio um moço – que falava muito...

As ameaças à deputada Talíria Petrone

Talíria Petrone, deputada federal pelo PSOL-RJ, relata que foi...

A revolta é contra o aumento das passagens, mas o movimento é outro

Na quinta-feira (6)  presenciei parte do conflito entre os...

para lembrar

Carta aberta a uma mãe

Carta aberta de uma mãe que não sabe o...

Como movimentos similares ao Escola sem Partido se espalham por outros países

A disputa sobre o que deve ser ensinado nas...

Descolonizar a língua e radicalizar a margem

Uma resenha sobre “Um Exu em Nova York” de...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...
-+=