O melhor analista do RapBR agora também é um rapper que você respeita, Faustino lança single ‘888’

Faustino elevou o level das análises de Rap brasileiro com seu canal no Youtube chamado Faustino Beats. Integrando hoje a equipe do RND, Faustino realmente se aprofunda nas canções, interpreta as barras, fala da técnica e ainda entende muito da parte instrumental —o mano cria até partituras para as melodias vocais.

Por Anderson Morais, do  RND

E agora mostra que, além de saber destrinchar uma canção, tem muitas rimas de alta qualidade na cachola. O baiano arretado lançou no último sábado (3) o seu primeiro single oficial, um presente em comemoração aos 10 mil inscritos que conseguiu em seu canal — se inscreva tamém chapa!

Intitulado “888“, o single trata com acidez e ar contemporâneo os preconceitos que assolam a sociedade e, de certa forma, a faixa ainda apresenta o Faustino como rapper, onde nota-se uma vertente de luta para o caminho da igualdade social.

The President Of The United States, por 8 anos, um black! Pareciam tempos de mudança à vista. Mas é, minha gente, importunar você não era meu plano, mas né que ele teve que apertar a mão de um bundão racista?“, diz Faustino no início da música, que possui duas fases na instrumental, indo do Trap ao Boom Bap — confira:

A música foi toda produzida pelo Faustino, desde a instrumental até a mixagem e masterização. O lyric vídeo acima foi desenvolvido pelo Bruno Zambelli.

Confira uma pequena entrevista que fiz com o Rai Faustino, onde ele explica o ótimo conceito de “888” e ainda fala sobre o que há de vir na sua carreira musical:

ENTREVISTA

Em suas análises, percebe-se que você realmente enxerga de várias perspectivas cada som, indo desde da parte musical até a parte lírica. Como foi lançar uma música com esse know how? Sentiu algum tipo de cobrança?

Antes de qualquer coisa, muito obrigado pelo espaço! Então, a maior cobrança que eu sinto vem de mim mesmo, sempre fui muito crítico com minhas coisas, e isso leva a uma insegurança grande pra lançar qualquer coisa. Até o meu canal surgiu depois de quase 10 anos criando coragem, acredita? Mas tudo a seu tempo… Em relação a uma possível cobrança externa, também imaginei que pudesse existir, do tipo, “olha esse cara que fica julgando o trampo dos outros e agora tá lançando um som próprio”, natural que o pessoal já olhe diferente, né? Felizmente até agora a resposta tem sido positiva, fora um vacilo que cometi na mixagem, o vocal ficou um pouco baixo, rsrs… Aprendizado constante, na próxima sai melhor!

Porque “888”?

Eu queria muito fazer um som no qual eu falasse sobre diversos preconceitos (que afetam o coletivo), e ao mesmo tempo me apresentasse como pessoa (perspectiva individual). Busquei um conceito pra abranger isso… Depois de pensar muito bolei essa história do 888, na qual pude, em diversas linhas através de umas brincadeiras com matemática e com imagens, criticar homofobia, promover igualdade e descrever como me sinto (os infinitos dentro de mim).

Esse foi o conceito inicial, e depois acabei explorando outros significados! Tem outros MC’s na cena que brincam com números, como o Baco com “999”, então é como se eu chegasse no “888” pra ocupar um espaço na cena que tava vazio…

E tem outro engraçado, um cara na internet criticou o nome do som dizendo que “88” é coisa de nazista [“88” no alfabeto seria “HH”, Heil Hitler]. Então eu me virei pra explicar e disse, “8” em inglês é “eight”, que lembra “hate”… Então “888” também significaria “odeio nazistas”, que também tem a ver com o que falo na música, hahaha. Uma coincidência interessante, confesso que nessa eu não tinha pensado.

Depois dessa surpresa tão boa em forma de Rap, você pretende lançar mais músicas em 2017? O que vem por aí?

Eu sempre tive vontade de fazer um trampo fechado. Um EP ou álbum, no qual eu possa mostrar todas minhas influências musicais, que vão do rap ao metal, e passando por vários outros estilos. Mas sinto que preciso amadurecer muito pra poder expressar tudo o que quero e ser efetivo musicalmente e liricamente. Então acredito que em 2017 pode rolar alguns singles, algumas surpresas também lá no canal… Não tenho nada definido! Só sei que quero passar umas mensagens positivas e me divertir no processo.

+ sobre o tema

BEYONCÉ : “Fiquei assustada só de olhar para o público

Já fora do Brasil, depois de cantar em São...

Feriado da Consciência Negra terá retorno de eventos culturais na Zona Norte do Rio

Depois de quase dois anos sem passinhos e samba,...

Itajaí celebra consciência negra

Apresentações e discussões fazem parte da programação, que começou...

Dar voz aos dominados na língua do dominador

A FLIP homenageou este ano o escritor Lima Barreto,...

para lembrar

Umuntu ngumuntu nagabantu

Uma pessoa é uma pessoa por causa das outras...

Curso Negro: Movimentos de libertação na África

De segunda-feira a sexta-feira  (18 a 22 de janeiro...

Café para três

“Sem sombra de dúvidas, ele é muito bonito”, foi...
spot_imgspot_img

Mostra sobre Lélia Gonzalez vê negros e indígenas como centro da cultura nacional

As escolas de samba do Rio, os blocos afro da Bahia, as congadas de Minas Gerais, as comemorações da Semana Santa e do Natal. O que todas essas celebrações têm...

A esperança de Martinho em “Violões e cavaquinhos”

Martinho da Vila já brincou mais de uma vez que estava cansado de cantar que a vida ia melhorar, em referência ao refrão do clássico...

Aos 105, Ogã mais velho do Brasil, que ajudou a fundar 50 terreiros só no Rio, ganha filme e exposição sobre sua vida

Luiz Angelo da Silva é vascaíno e salgueirense. No mês passado, ele esteve pela primeira vez no estádio de São Januário, em São Cristóvão,...
-+=