O olhar dos povos indígenas atentos a contínua propaganda enganosa da Europa ao mundo: O Amanhã

Ailton Krenak é um segundo sol vivo que ilumina a cultura indígena, e que ainda resiste contra a racionalidade do ocidente (Compreendendo a força da consciência coletiva produzida pelo poder da linguística, neste artigo opto pela força da consciência descolonizada, portanto, a ausência da letra maiúscula neste substantivo próprio não reconhece o poder simbólico da arma cultural dominante) em matar, roubar e destruir. Krenak nasceu em 1953, na área verde do vale do rio Doce, mas a vida dos seres vivos e da vegetação do local vem sendo mortos pelas mãos do homem branKKKo (Branco com três K refere-se a Klu Klux Klan, organização da supremacia branca. Assata Shakur, ex membra do Partido Pantera Negra, apresentou AmeriKKKa com três k. A partir daí estendemos para outras palavras). Ativista dos direitos dos povos originários, luta pela existência do planeta Terra, ainda que os branKKKos não queiram imaginar o fim do capitalismo, e optam em imaginar o fim do mundo ao construírem casas subterrâneas que custam mais de 4 milhões.

Krenak conta que alfabetizou-se aos 18 anos. É jornalista, produtor gráfico e líder indígena. Em 1985, fundou a ONG Núcleo de Cultura Indígena (NCI). Organizou a Aliança dos Povos da Floresta, para defender a floresta e a população nativa das comunidades ribeirinhas e indígenas na Amazônia. Contribuiu também para a criação da União das Nações Indígenas (UNI). Sua luta com outros indígenas pressionou o Estado na criação do “Capítulo dos Índios” na Constituição de 1988, porém homens de terno efetivaram somente no papel com o intuito de apaziguar a luta dos indígenas. Em 1987, durante a Assembléia Constituinte, Krenak pintou seu rosto de preto com pasta de jenipapo como protesto enquanto discursava no Congresso Nacional, expressou no seu gesto cultural o grito silenciado dos indígenas e do planeta Terra pelo retrocesso dos direitos indígenas.

Os indígenas vêm lutando pelo não aniquilamento do seu povo há séculos, desde o encontro do olhar dos indígenas em 1500 com o olhar da tara do sistema econômico dos branKKKos. Os indígenas e os africanos são exemplos de como respeitar a nós mesmos, pois ao respeitar a si, respeitamos o outro e o oxigênio do planeta. Os africanos originaram a civilização e a ciência ao mundo, e pisaram na América antes dos branKKKos deixando a arte olmeca como rastro de suas presenças respeitosas aos habitantes e a natureza. Os africanos e seus descendentes vêm também lutando contra o processo genocida da maafa (NOBLES, 2009), ou seja, os africanos e seus descendentes sofrem com o processo da maafa (Maafa é um conceito afrocêntrico cunhado pela antropóloga Marimba Ani (1994) que significa o grande desastre, o holocausto africano. No entanto, utilizamos o significado dado pelo professor Wade Nobles (2009). Como um grande descarrilhamento do seu eixo civilizatório; e, inimaginavelmente, eles sofreram um acidente e o trem saiu do trilho, saiu da África, mas continuou o desastre em movimento e muitos acordaram na AmériKKKa sendo rotulados como “negros”). A Covid- 19 foi usada pelo governo do Bolsonaro para intensificar a maafa.

Krenak logo no ínicio do livro nos provoca com a reflexão que os indígenas se isolam e lutam pela sobrevivência há séculos, e pergunta se nós, urbanos, confinados em apartamentos iremos repensar o que tem sido normalidade. Enquanto assistimos abismados no sofá da sala o Pantanal ser devastado pelo fogo ordenados por fazendeiros e animais vivos serem perseguidos pela chama que os encurrala para a morte, os indígenas estão em luto pelos peixes, pelos rios, pelos animais, pela terra há séculos. O direito humano à terra e ao alimento que outrora abundava sob seus pés, agora, segundo Krenak, é comercializado pela invenção do homem branKKKo: a economia.

A Covid- 19 nos provou que não somos o centro do universo. Krenak orienta que devemos abandonar o antropocentrismo, ou seja, essa ideia narcisista criada pela Europa que resultou na naturalização da exploração do homem pelo homem, na naturalização da destruição de rios, animais e florestas em nome da economia. Krenak nos lembra que “não somos o sal da terra” (KRENAK, 2020, n.p), ou seja, não fazemos falta ao planeta Terra. Quando a economia nos diz o tempo todo “que o navio é mais importante que a tripulação” (KRENAK, 2020, n.p), a humanidade ocidentalizada faliu, entrou em colapso. Mas o caminho suleador dos indígenas e dos africanos nos permitirá um novo contrato racial.

Krenak denuncia a mentalidade monstruosa do Bolsonaro, e diz que somos piores que a Covid- 19. Notamos esperança na fala do Krenak quando ele arrisca a dizer que a Covid- 19 é “um anzol nos puxando para a consciência. Um tranco para olharmos para o que realmente importa” (KRENAK, 2020, n.p). Porém, o que avistamos é tanques de guerra sendo produzidos no mundo inteiro para estraçalhar o corpo do inimigo de outra nacionalidade. Logo, quando vemos esse mesmo tanque mirando corpos negros o aviso que recebemos é que não somos brasileiros porque nós somos africanos renascidos no Brasil. Os colonizadores contemporâneos sabem disso; nós, que somos negros, não sabemos (MORAES, 2018). A esperança do despertar se dissipa, tanques de guerra miram corpos pretos nas periferias, e ainda em meio a esses tanques lutam contra a fome, contra a Covid- 19 e contra a política bolsonarista implementada nos hospitais: a falta de respiradores, ou assistimos o Bolsonaro vetar trechos da Lei 1142/2020 para impedir que o governo seja obrigado a fornecer “acesso a água potável”, “distribuição de cestas básicas” e “distribuição gratuita de materiais de higiene, limpeza e de desinfecção para as aldeias”.

Mas, para não morrermos de fome, continuamos como o presidente Bolsonaro e empresários nos impuseram, e morreram mais de 120 mil na matemática planejada do Bolsonaro. Krenak aprecia o melão-de-são-caetano e diz que continua “ a crescer aqui do lado de casa, a natureza segue. O vírus não mata pássaros, ursos, nenhum outro ser, apenas humanos. Quem está em pânico são os povos humanos e seu mundo artificial” (KRENAK, 2020, n.p). Nós somos vítimas da lógica do neoliberalismo que caracteriza-se “pela produção da indiferença, a codificação paranóica da vida social em normas, categorias e números” (MBEMBE, 2014, p. 13). Mas a Covid vai passar e continuaremos achando que conversar com árvores, abraçar árvores, conversar com rio é alienação. Krenak diz que é “experiência de vida. Se é alienação, sou alienado” (KRENAK, 2020, n.p).

Krenak cita Michel Foucault, e critica as raízes do capitalismo que expropriaram de nós o dom da existência que não é descolado dos usufrutos da natureza a todos. Afirma que com o “avanço do capitalismo… quando o indivíduo para de produzir, passa a ser uma despesa” (KRENAK, 2020, n.p). Portanto, a este respeito Krenak diz que, a morte de mais de 120 mil pessoas foi desejado, e que o “ E, daí?” do Bolsonaro “não é ato falho… a pessoa não é doida, é lúcida, sabe o que está falando” (KRENAK, 2020, n.p). Krenak nos alerta que devemos parar de vender o amanhã, e se voltarmos à normalidade como vivíamos “aí, sim, teremos provado que a humanidade é uma mentira” (KRENAK, 2020, n.p).

Krenak escreveu para nós logo no início da pandemia, ele e nós estamos presenciando que a normalidade voltou antes mesmo do fim da pandemia, portanto, a humanidade que experimentamos é uma mentira. Entretanto, é indubitável que a Covid-19 estremeceu o sistema capitalista, no mínimo a perturbou. A Covid-19 impôs ao Estado máximo para o capitalismo a necessidade de uma pauta “socialista”: a renda básica. Nos foi imposto a normalidade, mas só saberemos se aceitamos a normalidade nas eleições de 2022.

Enquanto isso, os únicos comunistas no Brasil são os povos indígenas (MUNDURUKU, 2020).

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

GIACOMO, F. Daniel Munduruku: “Únicos comunistas no Brasil chamam-se povos indígenas”. Portal Geledés, São Paulo, 20 de setembro de 2020. Disponível em: <https://www.geledes.org.br/daniel-munduruku-unicos-comunistas-no-brasil-chamam-se-povos-indigenas/?utm_source=pushnews&utm_medium=pushnotification&fbclid=IwAR10mPq7LpHuqyiyefYijmEonfKT9wiE3efUKbThZzJYHbhKqM6L4RAF8qw>. Acesso em: 20 de set. de 2020.

KRENAK, A. O amanhã não está à venda. Companhia das Letras. São Paulo, 2020.

MBEMBE, A. A crítica da razão negra. Ed. Antígona, Portugal, 2014

MORAES, V. M. 1 Vídeo (1 hora e 13 minutos) Formação Afrocêntrico- Pedagógica sobre África e Diáspora. Publicado pelo canal ASFUNRIO AULA, 2018. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=8TVOMHKy3oU>. Acesso em: 10 de fev. 2019.

OLIVEIRA, J. Bolsonaro veta obrigação do Governo de garantir acesso à água potável e leitos a indígenas na pandemia. El País, São Paulo, 8 de julho de 2020. Disponível em: <https://brasil.elpais.com/brasil/2020-07-08/bolsonaro-veta-obrigacao-do-governo-de-garantir-acesso-a-agua-potavel-e-leitos-a-indigenas-na-pandemia.html>. Acesso em: 10 de ago. de 2020.

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE. 

+ sobre o tema

Os negros excluídos e os negros esquecidos

Mônica Francisco * Fico pensando em que outro país sem...

PoRos Da aLMa noS OmBros Da NoiTe

Os poros da minha alma choraram Respingaram sangue. Vi os pingos...

BID: Negros são maioria no empreendedorismo, mas não colhem louros de serem o próprio patrão

Segundo especialista em Desenvolvimento Social, negros têm menor acesso...

Starbucks customers are changing their names to ‘Black Lives Matter’

The name changes prompt the baristas to yell “Black...

para lembrar

Cotas raciais, porque sim!

Por: Walmyr Júnior Gostaria de compartilhar nessa coluna um texto...

Falas Negras recebe milhares de elogios e Lázaro Ramos agradece

A Globo exibiu na noite de ontem (20), no...

Na Flip 2018, Geovani Martins e Colson Whitehead relembram casos de racismo

Há 24 anos, quando fez um périplo de mochileiro...

Caminhada inicia série de atos contra a intolerância religiosa

O relógio marcava 15h30 desta quarta-feira, 15, quando representantes...
spot_imgspot_img

Revolucionário, mas não é para todos

Passei os últimos dias pensando no significado e na profundidade de uma postagem que li numa rede social contendo a afirmação: "Descansar é revolucionário!"....

‘Nossa missão é racializar as políticas públicas em todo país’

Nomeado recentemente  como novo secretário de gestão do Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial (Sinapir), o jornalista baiano Yuri Silva tem uma tarefa...

‘A escola precisa naturalizar a cultura negra’, diz autor de ‘O Avesso da Pele’ que estará no Festival LED

Autor de “O Avesso da pele” e um dos convidados do Festival LED, nos dias 21 e 22 deste mês, Jeferson Tenório lembra com...
-+=