O pseudomoralismo é hipócrita, machista e racista

O moralismo como prática política é seletivo e hipócrita.

Por Dennis de Oliveira Do Portal Fórum

Na dita campanha contra a corrupção, este pseudomoralismo queria sangue. Defendia linchamentos públicos sem qualquer controle. Banana para a lei, para direito ao contraditório, para o direito à defesa.

Na votação do impeachment na Câmara no dia 17 de abril, evocavam Deus, família, etc.

Agora no dia 21 de maio, uma jovem é estuprada por mais de 30 homens, com cenas filmadas e divulgadas. E a polícia diz que está investigando se “realmente houve o crime de estupro”. Alega que precisa ser cuidadosa na investigação.

Como se costuma dizer, o estupro é o único crime que a vítima tem que provar que é vítima. Ninguém que tem a carteira roubada precisa provar que não quis que a carteira fosse roubada. Ou então ninguém fala que “atraiu o ladrão com a carteira”.

Uma mulher estuprada não. Primeiro ela precisa fazer ginástica para provar que realmente foi estuprada, que não houve consentimento. Depois, aguentar o velho discurso de que usou roupas provocantes que facilitou o estupro.

No caso da adolescente do Rio de Janeiro, já se fala que ela “não era santa”, “que já  tinha ficado com um monte de caras”, “que era do funk”,…

Na obra “O consenso manufaturado”, o pensador estadunidense Noam Chomsky fala das “vítimas merecedoras e não merecedoras”. As vítimas merecedoras de apoio e solidariedade são aquelas cujo comportamento são adequados ao que considera normal. Que tem o perfil dos segmentos socialmente incluídos e hegemônicos.

O caso que envolveu a modelo e apresentadora Ana Hickmann é um destes. Ela é uma vítima merecedora de toda a compaixão e apoio. Celebridade midiática, pele alva, circula no circuito dos famosos… O cara que tentou matá-la mereceu morrer.

A adolescente que foi estuprada por mais de 30 homens não. Pouco importa se tratar de uma menina de 16 anos. Nem o sadismo de disseminar o vídeo pelas redes sociais. Ela não é celebridade. É da periferia, do funk, não tem a tez macia e alva. Não é uma vítima merecedora.

Por isto o pseudomoralismo é seletivo. Hipócrita. Machista. Racista.

+ sobre o tema

Algo além do moderno: a mulher negra na pintura brasileira no início do século XX *

CHRISTO, Maraliz de Castro Vieira. Algo além do moderno:...

Trump deleta seções sobre clima, direitos civis e LGBT do site da Casa Branca

Mal o novo presidente americano, Donald Trump, tomou posse,...

O Oposto da Cultura de Estupro é a Cultura de Acolhimento

O oposto da cultura masculina de estupro é a...

Sou quilombola

Parte das terras da Fazenda Soares, que pertencera a...

para lembrar

Laudelina de Campos Melo entra para livro de heroínas da pátria

Precursora na luta por direitos das trabalhadoras domésticas, Laudelina...

Artigo: Não é estatística; são 25 mulheres assassinadas

Eu li a história de Andreia Crispim, 50 anos,...

Anielle Franco: brancos têm privilégios ‘desde que o mundo é mundo’. Assista

Em participação no Entre Vistas desta semana, programa da TVT comandado por Juca...

Londres proíbe anúncio que oferece ‘cura para gays’

As autoridades de transporte de Londres proibiram um anúncio...
spot_imgspot_img

CNJ pede explicações a juízas sobre decisões que negaram aborto legal

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu nesta sexta-feira (12) intimar duas magistradas do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) a prestarem esclarecimentos sobre...

Instituto Mãe Hilda anuncia o lançamento do livro sobre a vida de matriarca do Ilê Aiyê

O livro sobre a vida da Ialorixá Hilda Jitolu, matriarca do primeiro bloco afro do Brasil, o Ilê Aiyê, e fundadora do terreiro Acé...

Centenário de Tia Tita é marcado pela ancestralidade e louvado no quilombo

Tenho certeza que muitos aqui não conhecem dona Maria Gregória Ventura, também conhecida por Tia Tita. Não culpo ninguém por isso. Tia Tita é...
-+=