O que eles não nos contaram?

Eu não sei como brigar, eu só sei como continuar viva.

A Cor Púrpura (1982)

 

Às vezes eu me pergunto o que poderia ter mudado se eu tivesse o conhecimento que tenho hoje, se o feminismo negro ou o debate étnico-racial tivesse chegado mais cedo em minha vida. Será que eu teria considerado algumas coisas que me ocorreram como violência?  Será que eu teria ficado calada nas vezes em que eu deveria ter gritado? Pensando comigo mesma acho que a resposta seria sim, porém “eles” não me contaram, ninguém me disse que a violência direcionada a mim eram por conta da minha cor, esta não retinta, mas que ainda recebe olhares externos, exóticos ou de não aprovação. Se “eles” tivessem me contado eu teria berrado, dilacerando a máscara do silêncio como disse Grada, mas não teria feito isso esperando que “eles” se importassem, pois sei que não se importariam e não se importam, mas para amenizar minha dor.

Quando não reconhecemos a nossa negritude, quando não reivindicamos o nosso ser político continuamos sem saber. Não conseguimos nomear o que nos machuca, não conseguimos gritar “racista” para aqueles/as que são. É por isso que “eles” não contam, porque temos que continuar sem saber brigar, apenas vivendo, sobrevindo a estrutura racista que nos nega o mínimo para viver, até porque eles sabem que somos como Sojourner Truth se recusando a ir embora e resistindo ao fogo, e é por isso que “eles” nunca nos contaram.


** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE. 

+ sobre o tema

Eu era menino quando os da caserna confundiram-me com um comunista

Eu tinha pouco mais de dois anos quando raiou...

UFRJ terá primeira mulher negra como diretora da Faculdade de Educação

Neste ano, a Faculdade de Educação da Universidade Federal do...

Ditadura invadiu terreiros e destruiu peças sagradas do candomblé

Desde criança, a iyalorixá Mãe Meninazinha d’Oxum ouvia a...

Morre Ykenga Mattos, que denunciou o racismo em seus cartuns, aos 71 anos

Morreu na manhã desta segunda-feira aos 71 anos o...

para lembrar

A presença colorida do feminismo negro

Com rodas de samba, saraus, plenárias e manifestações, pretas...

Angela Davis: A potência de Sojourner Truth

No aniversário de 135 anos de morte de Sojourner...

Lideranças femininas negras se reúnem em encontro transnacional

Dezenas de mulheres negras de diversos países do mundo...
spot_imgspot_img

Geledés participa do Fórum do Feminismo Negro

O Fórum Global de Feminismos Negros 2024 está ocorrendo entre os dias 04 a 07 de fevereiro, em Bridgetown, Barbados. Sob o tema “Para...

Documentário Projeto Rappers: o encontro do hip hop com o feminismo negro

Na noite daquela sexta-feira, 11/08, um público majoritariamente negro se reunia no Centro Cultural Olido, no centro de São Paulo (SP), para prestigiar o...

Os feminismos favelados inscritos nos corpos das mulheres da Maré

Andreza Jorge cresceu em Nova Holanda, dentro do maior e mais populoso conjunto de favelas do Rio de Janeiro: o Complexo da Maré. De...
-+=